Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR



MIGUEL, O MACHO ALPHA
Um conto erótico de Estevão Valente


 


Quando você mora no Rio e frequenta a praia de Copacabana ou dá pinta e vai para os locais LGBT ou fica na sua batendo uma bolinha. Eu ficava batendo uma bolinha e nada de pinta.

Eu moro sozinho na rua Domingos Ferreira, portanto um quarteirão da praia. Poucas pessoas na praia sabem onde eu moro, mas Miguel sabia, pois me ajudou a ir para casa quando machuquei o pé.

Miguel era um jovem homem másculo, viril, gente super fina como todo bom praieiro de Copa.

Esse Homem com H maiúsculo é filho de alemão com uma belíssima mulata ex-Sargentelli, uma antiga modelo fotográfico ( só a conheci depois rsrsrs).
Por conta da genética sua pele é branca, mas como é queimada pelo sol tem uma tonalidade indescritível -vamos dizer estonteante- e para completar a beleza corporal sua penugem é loiríssima. Mais ou menos 1,77 de altura, bem ereto com uma postura altiva, de ‘dono do mundo’, demonstrando uma energia invejável.

Dá para se ver que ele é um homem cheio de testosterona (rsrrsr). Pernas e braços fortes, saindo de um tórax vigoroso. Mãos grandes mais de toque macio e pés bem plantados no chão, um fator que fazia com que ele tivesse um chute fortíssimo.

Bela cabeça raspada com olhos verdes água –“ capaz de encarar qualquer pessoa nos olhos, sem demonstrar medo, tensão ou vergonha” - e um cativante “ sorriso natural, sem atuações, sem forçação de barra”.

Ele é expansivo, mas olhando com atenção se vê que “ele faz movimentos leves, portanto que não é um homem ansioso, preocupado, que não tem pressa, mas mantém as coisas no controle”.

Era na realidade o que as mulheres e o jornalista do Mulheres da TV Gazeta e do Estação Plural, na TV Brasil, chamam de MACHO ALPHA.

Certo dia na praia, Miguel perguntou se eu podia emprestar uma grana para ele e eu respondi que sim.
“ Tou trabalhando de modelo e quando receber te pago”.
“ Sem problemas. Pague quando der e puder”.

Apesar de ter olho nele falei ‘isso’ para demonstrar minha compreensão com quem vive no chamado Mundo da Moda, pois para pagar os ‘empreendedores’ dão uma canseira danada, agência de modelo então é mestra em enrolar, já que todos vivem além de suas posses num afã de exibir riquezas que não possuem.
O tempo passou.
Rio 40 Graus.

Se Copacabana estava abrasadora imagine o Meier do Paulo Gustavo e da Pensão da Dona Jó. Deveria estar um calor de fritar ovo no asfalto.

Estava me preparando para entrar no banho quando..
Din-don! Din-don! Din-don! ...
Din-don! Din-don! Din-don! ...
Din-don! Din-don! Din-don! ...
Enrolado na toalha fui ver quem era e era o Miguel.
Abri a porta.
“ Oi”...

“ Cara, desculpe a insistência na campainha, mas eu tinha que te pagar hoje de qualquer maneira”...
“ Não tinha pressa, mas entra aí”...
“ Sabe como é: Dinheiro na minha mão coça e voa. Rsrsrssrsr”...
“ Sei”, falei rindo.

Colocou um envelope num móvel da entrada e pediu para eu contar.
“ Não vou contar. Não precisa . Confio em você”.
“ Cara, obrigado. Hoje é raro alguém confiar em alguém. Em mim então. A turma só me vê como rato de praia e eu não sou. Eles não sabem o duro que eu dei e dou pra sobreviver”...
Fala com muita dignidade demonstrando altivez, mas sem arrogância.
“ Eu entendo”...
“ Porra, atrapalhei seu banho e tá calor paca”...

Ele estava suado e eu perguntei se queria água, água de coco, Coca-Cola, ou cerveja.
“ Uma água de coco tava bom”, falou dando aquele sorriso e meu pau mexeu embaixo da toalha.
Servi com todo respeito e avisei que enquanto ele bebia eu ia tomar banho.
Ele foi atrás de mim e sentou-se na privada.

 

Conversa vai, conversa veem e ele entra no box com o pau demi-pompe, ou seja, meia bomba, sem dizer uma puta de uma palavra.
Meu pau pulou rente que nem pão quente.
Ficamos de frente um para o outro.
Ele tomou a iniciativa de passar as mãos pelo meu peito.
Eu tremia mais que vara verde.
 

Ele encostou a cabeça de seu pau na minha perna e eu peguei aquele cacetão com firmeza e punhetei levemente.
Nos abraçamos.
Encostamos os rostos.
Buscamos nossas bocas e nos beijamos com a paixão de tesão.
“ Chupa”.
Ajoelhei e boqueteei com gosto.

 

Sempre fui bom boqueteiro , mas ouvir:
“ PORRA!!!! Eu sabia que “tu chupava” bem, mas é melhor do que eu imaginava na punheta”.
Parei e perguntei:
“ Como?”
Abraçou minha cintura e olhou dentro dos meus olhos.
“ ‘Tu nunca reparou’ que eu te trato diferente do resto do pessoal? Te trato com atenção e trato aqueles caras da praia como as bostas que eles são? Não?”
Fiquei calado, mas pensando bem era isso mesmo.
“ Eu sou Bi e desde que ‘Tu chegou junto’ eu vi que era gay, mas defendi que não”.
“ O pessoal fica no Arataca pra ver se ‘Tu chega’ em casa com macho e não veem nada”.
“ Olha que eu adolescente comi muito deles no Camões, mas sabe como é ‘pior feitor é aquele que foi escravo’, como fala minha mãe”...
“ Mais vou te contar que a defesa tinha segundas intenções. Se algum ia ‘te ter’ esse alguém era eu e mais ninguém deles.”

Eu estava abambalhado ante aquele MACHO ALPHA.
“ Tou ‘vidrado em Tu’ gostoso”.
Eu sorri.
Me virei para a parede do box.
Sacanamente disse:
“ Se você tá vidrado lava as minhas costas, por favor”, falei rindo.
Ele compreendeu e riu, uma risada gostosa e límpida.
Começou a me ensaboar.

“ Precisa passar sabonete mais embaixo”, falei com aquela voz de tesão.
Beijando meu pescoço, Miguel começou a ensaboar minha bunda empinada.
“ Bundinha durinha, como eu gosto”...
“ Ai, hummm”...

 

Me abraçando encostou o pau no meu rego e eu empinei mais ainda a bunda.
“Deixa eu vê se esse figo tá maduro”.
Abaixou, abriu bem meu rego, e meteu a língua no ‘piscante alucinado’.
“ Tá madurinho, tá no ponto. Vou comer ele com gostinho”...
“ Come, come, pode comer. Huuum”...
Gemi alto.
Um, depois dois, depois três dedos no meu cu e eu gemia de tanto prazer.
“ Relaxa, relaxa, tá ficando larguinho”...
“ Tá abertinho”...
Meteu a cabeça, eu fiz ‘aí’.
“ Relaxa”...
“ Mais um pouquinho”..
“ Mete, mete , bem devagarinho, vai”...
“ Toma mais um pouquinho, toma ”...
Eu mexi a bunda, e comecei a empurrar meu corpo contra o dele.
A vara entrou toda.
“ GULOSO” , gritou Miguel feliz.

E eu mexi meu corpo de maneira que ele pudesse me beijar.
“ Calma, calma, não quero gozar logo” e como no box tem um banco ele se sentou.
Eu rapidinho sentei no seu colo de frente para ele, e sentei com tudo na sua pica.
Ele chupou meus peitinhos e me beijava num vai e vem danado.
E eu rebolava para deixa-lo mais excitado.
Levantei e me pus de joelhos.
Lambi seu umbigo e ele delirava.
Lambi seus mamilos e ele delirava.
Lambi seus sovacos e ele delirava.
“ Ninguém nunca lambeu meu suvaco, porra cara que delicia, faz mais, faz mais...tá gostoso pra caralho, cara”...

 

Eu lambia com enorme vontade de dar prazer a ele e de ter prazer, afinal ele era um Homem com H maiúsculo e agora eu queria ele para mim.
Linguei pra cima e pra baixo a penugem loiríssima de suas belas coxa.
“ CARA, ASSIM EU MORRO”, gritou Miguel.
“Não. Voce não queria me comer? Agora vai gozar dentro do meu cu”...
Virei para a parede, abri com as duas mãos minha bunda e empinei ela deixando o cu bem preparado para aquela pica tesuda.

Miguel enfiou a pica duríssima de uma só vez.
Gritei, mas aguentei.
Eu sentia todo o seu corpo e empurrava mais e mais o meu contra o corpo dele.
Queria que os dois corpos se tornassem um só.
Ele compreendeu e pouco se afastava para dar aquela estocadas firmes que é a alegria de todo viado que gosta de ser viado, que gosta de dar o cu., que gosta de ser bem comido.
Eu delirava...
A cada rebolada uma estocada, a cada estocada uma rebolada.
Se ouvia o bater das bolas contra o meu corpo e as respirações ofegantes, mas prazerosas.

 

“ PUTA QUE PARIU. TÁ BOM DEMAIS”, gritei gozando sem me punhetar.
“ Vou gozar, vou gozar”... falou Miguel com aquela voz rouca de quem estava gozando.

Ficamos engatados.
Nem ele queria sair da posição, nem eu.
Seu pau ficou duro e ele começou a movimentar e movimentar, e eu a rebolar e rebolar.
Tirou o pau e ...
“ Toma leitinho, toma”.
Gozou muito como se essa fosse a primeira gozada do dia.
Alegre, feliz, contente, tomei tudo qual bezerro mamador.
Ele se ajoelhou diante de mim e...
“ Eu sabia que ia ser um fodão. E agora como vai ser?”

Eu o beijei no rosto com carinho e sorrindo disse:
“ Deixa a vida nos levar”.

Poder� gostar tamb�m de:
Postado por Mac Del Rey | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...