domingo, setembro 15, 2019

Ajuda




"quero a opinião dos leitores que já passaram por isso, como superar e ir adiante"


Olá, tudo bom?

Então segue o meu relato, vou tentar ser breve.

Conheci um cara pelo aplicativo Scruff, Tivemos o nosso primeiro encontro e foi ótimo, tivemos um sintonia incrível, Ele se chama Michel. 



Saímos por um tempos juntos, tudo indicava que poderia ser uma relação duradoura entre nós, mas por algum motivo acabamos ficamos só em encontros esporádicos mesmo. 

Eu vi que ele não percebia que eu estava apaixonado por ele, também não disse isso à ele, ( só uma parte, tenho esse problema, de não dizer o que sinto as pessoas, sou muito “razão” e não consigo me deixar levar pelo os meus sentimentos, sempre pensarei mil vezes antes de admitir que tenho sentimentos por alguém) enfim, acabamos nos distanciando, acho que no fundo saiba que ele não queria nada sério. Continuamos à nos falar por mensagem de WhatsApp, mas paramos de ter os nossos encontros. 



Depois de algum tempo, tipo uns 8 meses, voltamos a nos encontrar. Michel e eu passamos uma tarde incrível juntos e fizemos um sexo gostoso, e com foi, mas no fim desse encontro ele me disse que tinha um namorado e como foi errado fazer o que tínhamos acabado de fazer, eu fiquei muito triste, não demonstrei, mas eu estava me questionando ”Por que me convidou então para um passeio?“ Após isso deixei de falar com ele algum tempo, até que ele me enviou algumas mensagens, para saber se tudo estava bem, se eu estava bem, não vou mentir, adorei saber que ele estava querendo saber de mim. 


Depois disso ele me propôs para eu ir na casa dele algumas vezes, eu fui fraco e aceitei, não sei o que acontece, mas esse homem mexe com minha cabeça, não consigo dizer não. Dito tudo isso, queria ajudar de vocês, porque eu não consigo tirar ele da cabeça, penso nele o tempo todo, sei que ele tem um namorado, que talvez nem saiba que ele se envolve com outros, mas esse homen está acabando comigo, eu sei se ele me pedisse para ir vê-lo de novo, iria correndo. 



Tenho consciência que ele não vai terminar com o namorado dele e parte meu coração em saber que outra pessoa está tocando nele, beijando-o e tendo ele para si, sendo que poderia ser eu. Tenho convicção que nunca seremos um casal e quero a opinião dos leitores que já passaram por isso, como superar e ir adiante, esse é a minha pergunta

sábado, setembro 14, 2019

Anonimos quentes



E pelo visto estão abandonando a sunga branca😕😢


1


2



3



4


5


6


7



Delicia de vizinho

Como é seu vizinho? E do tipo que pode -se dizer: meu vizinho e um show?



Oi galera tudo bem? Estou enviando algumas imagens de um vizinho que é uma delícia e gente finíssima.

Ele é empresário no ramo de suplementos no Rio de janeiro.

Enviada por Tony






Quer participar?


Então envie as fotos de seus vizinhos para:

Contato:Goldemboyz@gmail.com

Atenção somente maiores de 18 anos e sem nudez

Aquecimento


Um aquecimento antes melhorar e muito o sexo😍












Garotudo







quinta-feira, setembro 12, 2019

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Banco voltado ao público LGBT recebe autorização para operar nos EUA.




A Superbia Credit Union recebeu autorização para o início das operações da primeira instituição financeira projetada para clientes LGBT, no Michigan, nos Estados Unidos. Voltado para o público formado por lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros, o banco vai oferecer serviços online já a partir de 2020.

De acordo com a Bloomberg, a Superbia Credit Union oferecerá produtos que muitas vezes estão fora do escopo de um credor mais tradicional, como empréstimos para pessoas que estão em processo de transição de gênero. A informação é de Myles Meyers, fundador da Superbia Services Inc., com sede em Nova York.

O poder de compra da população adulta de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros dos Estados Unidos foi estimado em US $ 987 bilhões em uma projeção de 2017, da Witeck Communications. Pesquisas mostram que casais gays enfrentam obstáculos no setor bancário, mesmo em Estados americanos onde a população é francamente favorável à união entre pessoas do mesmo sexo.

Eles têm menos chance de serem aprovados para um empréstimo, por exemplo, e quando o são, pagam mais pelo financiamento. Com o estatuto de funcionamento em vigor, a Superbia formará um conselho e começará a contratar executivos.

Além da união de crédito, a Superbia Services planeja expandir para produtos como seguros, assistência médica e gerenciamento de patrimônio projetados especificamente para clientes LGBT.

Judeu sofre ataque homofóbico nas ruas de Nova York.


Bandeira LGBT com símbolo do judaísmo


Os Estados Unidos da América abrangem uma grande comunidade LGBTQ+, porém na mesma proporção traz ataques aos mesmos. Foi o que aconteceu com Adam Eli, um ativista queer e judeu, em Nova York.

O também criador do movimento ‘Voices 4’ saia de uma estação de metrô na cidade americana mais populosa, usando um quipá (tradicional vestimenta do judaísmo) rosa e uma bolsa brilhante. Por conta disso, foi perseguido por um homem que lhe desferia palavras agressivas.

Em suma, o homem bradava para ele tirar o quipá, pra ele “voltar ao armário”, que isso não é judaísmo e que a homossexualidade é uma abominação. Algumas pessoas na rua ficaram assustadas e Adam não se mostrou intimidado, filmando tudo.

Adam Eli é um ativista LGBT + e fundador do Voices 4. Ele disse à NBC New York que estava “se apresentando como esquisito” usando a kipá rosa e carregando uma bolsa rosa brilhante.

Em seu Twitter, falou mais sobre o ataque homofóbico: “Hoje fui assediado, seguido e ameaçado nas ruas. Passei os primeiros 18 anos da minha vida ouvindo as pessoas me dizerem que eu não podia ser gay e judeu. Hoje eu amo minha identidade judaica queer e ninguém está tirando isso de mim.

Racismo, transfobia, xenofobia, islamofobia, anti-semitismo e o capacitismo (discriminação com pessoas com deficiência) estão de mãos dadas. Nossos ancestrais nos ensinaram que nenhum de nós está seguro até que todos estejam seguros“.

Deputada defende censura de livros LGBTs e relaciona com casos de HIV.




O apoio do youtuber Felipe Neto à comunidade LGBT, após o caso de censura ocorrido durante a Bienal do Livro do Rio no último final de semana, não tem agradado algumas pessoas. É o caso da deputada federal bolsonarista, Carla Zabelli (PSL).

Em uma publicação feita na noite desta segunda-feira (9), a deputada chegou a chamar o youtuber de “Lixo”, além de associar a censura LGBT da feira de livros, com a notícia do crescimento de casos de HIV no Brasil.

“Pesquisa de 2018 do Ministério da Saúde mostra que os casos de HIV entre jovens gays de 15 a 19 anos TRIPLICARAM entre 2006 e 2015 (na era PT). E ainda tem gente que acha que esfregar homossexualidade na cara de crianças vai ajudar os gays em alguma coisa. #FelipeNetoLixo”, tuitou a parlamentar.

Na manhã desta terça-feira (10), Felipe rebateu o comentário preconceituoso e pediu ajuda do Ministério Público para agir sobre Zabelli, já que ele acredita que ela cometeu crime de LGBTfobia, que desde junho é considerado crime no Brasil.

“Deputada do PSL e amiga do Presidente, Carla Zambelli acaba de cometer crime de homofobia no grau mais nojento possível. Ela vinculou aumento de HIV com homossexuais e crianças saberem q gays existem. O Ministério Público terá de agir. Isso não pode ficar impune. Que podridão”, escreveu o influenciador digital.

Recentemente Carla se tornou destaque na mídia brasileira, após estar sendo acusada de nepotismo cruzado e de favorecer o ingresso de seu filho na escola militar, sem ao menos ele prestar concurso para a instituição.

Presidente do DEM alfineta Crivella e anuncia Bienal do Livro em Salvador.




O presidente do partido Democratas e prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), anunciou na manhã desta terça-feira (10), a realização de uma Bienal do Livro em Salvador, marcada para 2020.

A notícia foi dada durante a assinatura do contrato de concessão da empresa GL Events, para a gestão do novo Centro de Convenções de Salvador, que será inaugurado em dezembro deste ano.

A novidade deu espaço para uma pequena alfinetada ao prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), que protagonizou uma tentativa de censura LGBT durante a Bienal do Livro do Rio, que ocorreu neste último final de semana.

“Aproveitamos uma oportunidade que não poderia ser desperdiçada. Houve toda uma polêmica envolvendo o Rio de Janeiro e a bienal e eu, como gestor, acho que a Prefeitura de lá agiu de maneira equivocada”, disse ACM Neto.

“Enxergamos essa oportunidade de trazer a bienal, que acontecia em Salvador até 2013, e contactamos os organizadores do evento, colocando Salvador para sediar. Vai ser um dos grandes eventos do próximo ano do Centro de Convenções. E vai acontecer do jeito que é o povo baiano, sem nenhum tipo de censura ou restrição à produção literária”, acrescentou.

Por meio do Twitter o político também fez criticas à censura e citou nomes de intelectuais baianos famosos pela sua carreira literária. Segundo ele, os escritores certamente iriam ficar felizes com a notícia do retorno da Bienal à Salvador.

“Tenho certeza que a Bahia de Gregório de Matos, João Ubaldo Ribeiro, Jorge Amado, Myrian Fraga e de tantos outros talentos literários vai ficar orgulhosa em receber esse evento que está fora do nosso calendário cultural desde 2013”, declarou o prefeito de Salvador.

HQ com beijo gay dos Vingadores dispara nas vendas e chega a custar R$ 250.




Após a mídia espontânea causada pela censura LGBT do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), durante a Bienal do Livro do Rio, o quadrinho Vingadores: A Cruzada das Crianças disparou nas vendas.

Nos principais sites de compras brasileiros a revistinha chega a custar cerca de R$ 250, mas também com variações de preços. Em sites de algumas livrarias como Saraiva e Cultura, o livro já nem aparece mais nos catálogos. Na Amazon, empresa gigante no mercado de vendas online de livros, o material é visto como esgotado.

A intensa procura pela HQ dos Vingadores que mostra a história de amor entre os heróis gays Wiccano e Hulkling, que inclusive está entre os personagens LGBTs mais queridos da Marvel, tem sido notada desde o último sábado (7), quando se esgotou em poucas horas da Bienal.

Assunto do último final de semana, a tentativa de censura LGBT causada por Crivella se iniciou logo na sexta-feira (6), quando o prefeito divulgou um vídeo afirmando que a HQ trazia “conteúdo sexual para menores”, porque continha beijo gay – a temática foi tratada como pornografia.

O caso envolvendo Crivella e a história da Marvel gerou uma enorme polêmica e mobilizou discussões e protestos. O assunto apenas foi finalizado no último domingo (8), quando chegou no Superior Tribunal Federal (STF) e foi proibido o recolhimento de material com conteúdo LGBT da feira de livros.

Justiça manda governo de SP devolver apostilas recolhidas por ordem de Doria.




A justiça determinou nesta terça-feira (10), por meio de decisão liminar, a suspensão do recolhimento das apostilas de ciências dos alunos do 8º ano do Ensino Fundamental da rede estadual de São Paulo. O material didático foi recolhido na última terça-feira (3) a pedido do governador João Doria (PSDB) que considerou o conteúdo da apostila como uma “apologia à ideologia de gênero”.

A decisão julgou uma ação popular proposta por um coletivo formado por professores e pesquisadores de universidades públicas do estado de São Paulo contra Doria, a qual pedia a anulação do ato do governador que mandou recolher o material.

A apostila explica os conceitos de sexo biológico, identidade de gênero e orientação sexual. Também traz orientações sobre gravidez e doenças sexualmente transmissíveis.

A juíza Paula Fernanda de Souza considerou o pedido de liminar procedente e determinou a suspensão do recolhimento das apostilas. Com relação ao material que já havia sido recolhido, a decisão determinou que as apostilas devem ser conservadas e devolvidas aos estudantes dentro do prazo de 48 horas. Em caso de descumprimento, o governo poderá pagar multa.

“Não há dúvidas que a retirada do material suprimiria conteúdo de apoio de todo o bimestre de diversas áreas do conhecimento humano aos alunos do oitavo ano da rede pública, com concreto prejuízo ao aprendizado”, disse a juíza em sua decisão.

Além disso, a decisão também considerou que “a lesão ao patrimônio público e ao erário estão suficientemente demonstradas, eis que o caderno foi distribuído a todos os alunos da rede pública (cerca de 330 mil apostilas), com evidente custos aos cofres estaduais, após regular aprovação dos órgãos estatais responsáveis”.

Em nota, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo disse que não foi notificada sobre a decisão do Tribunal de Justiça. Disse ainda que “recolheu o material em questão por entender que a abordagem ‘ninguém nasce homem nem mulher’ expressa na apostila é equivocada por não apresentar fundamentação cientifica”.

Ex-ator global sofre homofobia e faz relato chocante no Facebook.




O ex-ator de global Ed Lopez Dassilva, 44 anos, que interpretou o personagem Valdemar, em Malhação: Viva a diferença, fez um relato chocante de homofobia, pelo qual sofreu nesta segunda-feira (9).

Por meio de seu perfil do Facebook, Ed fez o desabafo e surpreendeu os seguidores. Segundo ele, o caso de homofobia foi completamente inesperado e ocorreu logo após ele pedir um gás de cozinha.

“Ligo para pedir gás, o senhor que costuma nos atender deixa o seu celular ligado após o pedido e sem perceber ele fala para o filho que é entregador de gás também: ‘Leva um gás pro Ed, mas cuidado porque ele é viado. Viado safado, até já me cantou, sabe como são esses viados, é tudo safado! Não pode dar mole que eles cantam mesmo’”, iniciou.

“E continua falando mal dos gays e rindo com outra pessoa. Seu filho chega até a minha casa com o gás e peço pra ele voltar, e digo que o pai dele está falando mal dos gays no celular. O filho voltou, foi até o pai e disse que o celular estava ligado, ele desligou imediatamente e veio correndo me pedir desculpas. Realmente foi constrangedor. Fiquei muito mal com isso. Contei pra alguns amigos e eles disseram que estou querendo aparecer”, completou ele.

Após o constrangimento, Ed conta que foi à delegacia denunciar o caso de homofobia, que desde junho é considerado crime, e foi muito bem recebido. Inclusive, ele relatou que recebeu apoio não só do delegado plantonista, mas também de pessoas que estavam no local.

“Fui bem bem atendido na delegacia. O policial concordou comigo dizendo que homofobia é crime e tem que denunciar! Duas pessoas estranhas que estavam lá e ouviram me deram muito apoio, mas os conhecidos sempre acham que nós atores queremos levar vantagem em tudo. Está na hora de mudar os conhecidos”, finalizou.

Motorista suspeito de agredir ator em SP se apresenta à polícia e nega homofobia.




O motorista suspeito de ter agredido o ator Marcello Santanna, de 23 anos, dentro de um ônibus neste sábado (07/09), se apresentou espontaneamente na delegacia na tarde desta segunda-feira (09/09). Paulo Roberto de Morais Junior, de 31 anos, negou à polícia qualquer viés homofóbico. O ator, que teve o nariz quebrado, disse que foi vítima de agressão e homofobia.

De acordo com o depoimento, ele afirmou “que a vítima, o amigo e a prima entraram no ônibus fazendo bagunça, que estavam aparentemente embriagados e começaram a incomodar os outros passageiros”. Ainda segundo Júnior, “alguns chegaram a descer do ônibus”.

Ele ainda afirmou que pediu que o grupo parasse e, neste momento, a vítima teria baixado as calças e sentado no colo do amigo. O motorista disse que, depois disso, mandou os três descerem do ônibus. A vítima teria xingado ele e dado tapas na lataria do ônibus e que isso o teria irritado. Ele afirma ter dado apenas um soco na vítima e negou que a agressão tenha viés homofóbico. A polícia segue investigando o caso como lesão corporal.


terça-feira, setembro 10, 2019

MINHA VIDA GAY

Dudu, garoto trans de oito anos, comemora novo RG com nome social.


Eduardo Lopes Freitas, garoto trans de 8 anos que mudou nome social no RG.


Agora, é oficialmente Eduardo Lopes Freitas.

Mesmo envergonhado, como quase toda criança estaria em uma entrevista, Eduardo Lopes Freitas não vacila ao responder o que foi fazer no Poupatempo de Pindamonhangaba (SP): “Fui botar o nome social no meu RG”.

Quando completou oito anos, no último dia 18 de julho, Eduardo ainda se chamava pelo nome de batismo. No mês seguinte, conseguiu alterar seu RG e agora é identificado por um nome de acordo com seu gênero, como pedia há anos para os pais. Disse ter escolhido Eduardo para ficar mais parecido com o nome antigo.

Em entrevista ao site Uol, ao lado da mãe, a funcionária pública Regina Helena Lopes, o garoto foi indagado sobre o tempo em que era chamado pelo nome de batismo, lembra que não gostava, por exemplo, de ir ao médico. Mas não pelo medo de injeção ou medicamentos. “Eu não gostava do nome que o médico me chamava.”

De óculos e cabelo “cada vez mais curto, a pedido dele”, como destaca a mãe, a criança se sentia incomodada quando ouvia o nome de batismo na hora de entrar para a consulta. Queria escutar Dudu.

Há tempos, Regina já observava os gostos da criança que, por volta dos três anos, resistia a temas femininos nas festas de aniversário. “Eu queria fazer da Minnie, ele queria de super-herói, mas aceitou o Mickey. Com quatro anos, aceitou a Frozen, mas toda de azul. Aos cinco, já quis uma festa do Ben 10”, diz Regina. “Passou a cortar o cabelo mais curto, não quis mais vestido, até chorava. Dali em diante, caiu a minha ficha e a do meu esposo, e a gente resolveu deixar como ele queria.”

Os pais passaram a satisfazer os desejos da criança de usar roupas e acessórios de acordo com o gosto do garoto e a colocaram para fazer consultas com uma psicóloga.

Há dois anos, a mudança de uma casa para um condomínio, em Pindamonhangaba, significou também uma mudança de comportamento em Eduardo. “Parece que ele se libertou. Não sei o que passou na cabeça dele. A gente passou a aceitar mais e ele foi se abrindo mais.” As brincadeiras ao ar livre e um maior contato com pessoas transmitiram confiança para Eduardo demonstrar o que realmente queria, diz Regina.

“A gente costuma falar que ele é bem corajoso porque, com tão pouca idade, ele conseguiu falar o que sente e, de uma certa forma, até se impor.”

Atenta e preocupada, a mãe conversou com a direção da escola para evitar resistência e possíveis atitudes preconceituosas, o que nunca aconteceu. Em parte, ela acredita, porque quase todos do colégio são moradores do mesmo condomínio onde a família vive.

Funcionários, professores e amiguinhos do colégio sempre lidaram bem com o fato de Dudu ser chamado pelo nome social, usar o banheiro para pessoas com deficiência e ter mais amigos do que amigas por serem “mais legais”, como ele diz.

“Ele sempre teve bons professores que não tiveram preconceito”, diz a mãe.

Na antiga escola, o garoto chegou a ter problemas com a curiosidade das crianças querendo saber “se ele era menino ou menina”, lembra Regina, entendendo ser algo natural para a idade.

Agora, é oficialmente Eduardo

Eduardo estuda de manhã. De tarde, gosta de ficar na internet e brincar no playground. No futuro, sonha em ser jogador de futebol ou tatuador.

E foi depois da escola, no último dia 28 de julho, que ele e a mãe se dirigiram ao Poupatempo da cidade para solicitar a mudança do nome social no RG sem alterar o registro civil, conforme autorizado em lei uma semana antes.

Regina percebeu a ansiedade do filho. Depois de dar entrada na documentação, tirou uma foto de Eduardo, na frente da unidade, com o protocolo em mãos. Em texto no Facebook, escreveu: “A cara de felicidade de alguém que teve seus direitos respeitados, hoje Eduardo Lopes Freitas pode fazer seu novo rg com seu nome social, agora é oficialmente Eduardo. Obrigada meu Deus”.

Agora, o filho está “mais seguro, afirma a funcionária pública. “Postei [o texto na rede social] porque queria mostrar mesmo para as pessoas, para não ter que ficar dando satisfação.”

A família sabe que, a partir de agora, algumas coisas vão mudar ainda mais. Pessoas trans já procuraram a mãe para saber se o filho gostaria de aplicar hormônios para evitar o crescimento dos seios, por exemplo. Os pais recusaram. “Eduardo está consciente de que os seios vão crescer, de que vai menstruar.”

Com relação aos colegas do garoto, ela não fala mais com tanta preocupação, pois acredita que a nova geração tem menos preconceito. Os colegas da escola “acharam legal” seu novo nome, diz Eduardo.

Sobre um possível arrependimento do garoto, a mãe também se mostra tranquila. Até porque o novo documento oferece a opção de excluir o nome social. “A prioridade vai ser sempre o bem-estar dele.”

Rapper que superou Eminem nas paradas musicais se assume gay.




EM 30 de junho, último dia do Mês do Orgulho LGBT+, o rapper Lil Nas X declarou-se homossexual. O artista interpreta a canção “Old Town Road” que está no topo das paradas musicais americanas ultimamente. Além disso, Lil Nas X inovou em seu trabalho lançando o estilo musical que ele chama de country-rap.




Para contar mais sobre sua sexualidade, o rapper usou o Twitter. O artista postou um vídeo de sua nova música que fala sobre liberdade. A canção é intitulada “C7osure” e tem um vídeo clipe todo em animação. No tweet em que anuncia a música o rapper escreveu uma legenda que diz respeito à própria sexualidade. “Alguns de vocês já sabem disso, outros não vão ligar nem um pouco, e outros não vão mais gostar de mim por causa disso. Mas, antes que esse mês acabe, eu quero que vocês ouçam ‘C7osure’ com atenção”, postou Lil Nas X.




Após o anúncio de que é gay, alguns fãs ficaram surpresos. Por isso, o rapper fez outra postagem em que mostrou cores da bandeira LGBT na capa de seu disco. “Achei que era óbvio”, escreveu.

Líder nas paradas musicais

Com apenas 20 anos, Lil Nas X já lidera as paradas musicais americanas. Além disso, o jovem rapper já chegou a superar o rapper Eminem que por muito anos liderou os rankings musicais norte-americanos. Dessa vez, o sucesso de Lil Nas X não veio apenas por sua música mais famosa, a “Old Town Road”.

O artista caiu no gosto popular com o lançamento de seu novo trabalho que inclui as músicas “Panini” e “C7osure”. Por outro lado, “Old Town Road” ainda é a preferida do público pois ficou no topo da lista da Billboard por treze semanas. Devido a todo esse tempo, a canção de Lil Nas X superou “Lose Yourself”, do Eminem. Além disso, a música ultrapassou canções do Black Eyed Peas e Wiz Khalifa.

Atores que faziam ‘Bananas de Pijamas’ são casados há 26 anos na vida real.




Bananas de Pijamas marcou a infância de muita gente nos anos 90. O que poucos sabem é que B1 e B2, protagonistas do programa infantil exibido no Brasil pelo SBT são gays e casados há 26 anos. A revelação sobre a relação dos atores ocorreu durante o reality show The Greatest Dancer, da BBC britânica.

O ator Mark Short, que interpretou B1, falou sobre o casamento com o amado. “Eu era B1 e meu namorado era B2. Atuamos nos mesmos capítulos e depois de mais de 26 anos continuamos juntos”, contou ator, que infelizmente foi eliminado do programa, mas encantou os telespectadores ao contar a história de amor com Ashley, o B2.

A revelação causou alvoroço nas redes sociais entre internautas. “Não acredito que essa dupla maravilhosa era um casal gay”, “Estou em choque” e “Amei a novidade, era fã antigamente e agora serei mais ainda” foram alguns dos comentários. “Bananas de Pijamas” foi um grande sucesso na década de 1992, quando foi lançada pela ABC na Austrália, e logo dominou as telinhas mundiais.





SEXO

"EU ADORO DAR A BUNDA" - COMO DAR A BUNDA EM CINCO PASSOS!


Mais dicas, talves semelhantes aos demais, mas com algumas particularidades e tirar as dúvidas também para os héteros. Estava eu conversando com um grupo de amigos (héteros) e qual não foi a minha surpresa ao saber que uns queriam saber como era dar a bunda...







GIFS AMADORES






ARTE HOMOEROTICA E QUADRINHOS EROTICOS






QUADRINHO EROTICO- EROTIC COMICS:

CARNE - MEAT - CARNE

(PORTUGUES- ENGLISH VERSION- ESPAÑOL)

VEJA ABAIXO - VEA ABAJO- SEE BELOW

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...