Slide 1 Slide 2 Slide 3

CONTOS DO LEITOR


Batendo punheta na frente do amigo
(só punheta?)

Um conto erótico de Pedro


 


Depois que fui pra casa (ler conto anterior) bati uma porque ainda estava com muito tesão .

No outro dia Felipe liga e pede pra que eu vá lá assistir filme com ele.
Ele me cumprimenta no portão, a voz baixa e rouca dele parece diferente, na verdade não era diferente eu que nunca tinha reparado que ele falava baixo e que a voz era rouca .

Fui entrando e mexendo nos filmes pra escolher um, ele foi na cozinha beber água e quando voltou perguntou se eu tinha escolhido algum filme, eu disse que não, ele balançou os ombros e começamos a recolher os DVDS espalhadas no chão, olhei pra ele e percebi pela primeira vez seus olhos negros e intensos, ele me olhou e sorri.

Colocamos na TV e ficamos assistindo um canal aleatório, eu ao menos não prestava atenção, vez ou outra imaginava aquela punheta do outro dia .
Não sei ao certo como começamos a brincar de lutinha, na verdade ele se achava o lutador e me ensinava como imobilizar alguém .

Eu comecei a gostar do contato físico e da força . (Claro que tomávamos cuidado pra não encostar em nenhuma parte intima rs)

Mas a brincadeira parecia ter assumido um caráter sensual, ele me imobilizava sem usar força e eu saía, e tentava segurar ele. Geralmente eu usava força, pra ter que sentir aquele corpo se debatendo embaixo de mim . Ele era magro e extremamente forte, então eu amava imobilizar ele de forma que eu sentisse seu abdômen e peitoral, sentir aqueles músculos firmes com meu próprio tato .

Já suados e cansados tomamos água, e fomos jogar um jogo de cartas que o Felipe inventou. (Sim, inventou! ).
Ele me explicava o jogo. Jogamos umas 4 partidas até eu entender o jogo .
Aí ele sugeriu apostarmos uma punheta pro ganhador da próxima partida.
Eu falei que não, ( e de vdd eu não queria, ainda não entendia bem o que sentia por ele, mas algo assim com certeza eu não queria).

Ele insistiu, eu topei já sabendo que ia perder. Próximo ao final da partida ele já estava excitado, eu só pensava que tinha sido enganado por aquele filha da puta. Naquele momento eu tava com raiva .Quando perdi, fechei a cara, sentei na cama e disse que queria assistir algum filme. Felipe já tava de pau duro, o pau saindo pela perna do short, deitado na outra cama. Dizendo pra pagar a aposta porque tinha sido justa e eu tinha concordado. Eu fiquei dizendo que não e ele argumentava algo que eu nem estava escutando, a raiva estava passando e eu já estava com tesão e acabou que ele percebeu . (Eu só pensava que ele tinha sacado que eu tava gostando de tocar naquele corpo na brincadeira de lutinha)
Pra matar a jogada ele disse:
- para de ser chato, eu faço pra tu também então.


Eu não quis e nem fui até ele, mas estava excitado e comecei me masturbar, ele começou a insistir mais ainda, me olhava firme. O olhar dele me fez ceder eu sentei do lado dele e segurei aquela Rola.


 

Mais fina que a minha, tava muito dura, deu uma latejada na minha mão . Nessa hora meu pau faltou explodir. Felipe passou a mão por traz da minha cintura e agarrou meu pau com firmeza. Nessa hora que ele nem hesitou fiquei pensando se ele já tinha feito aquilo com alguém antes .
Eu disse:
- teu pau é realmente mais fino.
- Claro né cara, sou mais magro que tu .(ele realmente acreditava que peso interferia)

Ele caprichou na punheta no meu pau e meu tesão aumentou muito.
Quando eu tava já praticamente gemendo ele disse:
- tu não quer me chupar não ? Só um pouquinho ...
- aah cara...

Disse eu negando com a cabeça e ficando tenso . Naquele momento só Pensei que ele contaria pros meus outros amigos o que estávamos fazendo. E eu não queria chupar pinto nenhum ... até então só queria gozar na mão dele mesmo .
E Ele insistiu:
- se tu fizer eu faço também.

Nessa hora meu pinto latejou na mão dele, só o pensamento daquela boca no meu pau me deu um tesão danado .
Só aí que me dei conta que eu tava desejando ser chupado por ele. Pqp eu estava desejando meu amigo.

Ele já tinha percebido que já tinha o que queria, apertava meu pau e soltava enquanto batia punheta pra mim , meu tesão aumentou tanto que nem falei mais nada, tomei coragem e coloquei aquela rola na minha boca, só coloquei, não consegui fazer movimento nenhum. Ele gemeu e eu tirei .

 

Ele com cara de decepção me olhou, mas aí o olhar mudou, ele sorriu deu aquela punhetada firme no meu pau e colocou a boca, nossa mds, subiu um arrepio e meu pau quase estourou naquela boca macia e quente. Só pra provocar ele subiu e desceu duas vezes com a boca no meu pau, movimentou a língua e tirou . Isso não durou 5 segundos .

Vendo meu olhar de decepção ele sorriu se deitou na cama, colocou os braços atrás da cabeça e eu agora sem vergonha alguma cai de boca na rola dele, agora eu punhetava, brincava com as bolas. Fazia tudo que eu queria que ele fizesse em mim ... e só de imaginar ele me chupando meu pau faltava explodir.

Com mais ou menos um minuto de boquete e aquela rola pulsando na minha boca, eu parei, deitei na outra cama e esperei ele vir retribuir, ele caprichou, ele engolia meu pau como se estivesse com fome de algo, brincou com minhas bolas, me punhetou ... eu fui a loucura.

Segurava naqueles cabelos lisos, alisava o rosto dele, enquanto ele passava a mão no meu abdômen, na minha bunda .

Eu passei a acariciar o peitoral dele, que corpo delicioso, músculos firmes, pele lisa, poucos pelos ... eu estava indo à loucura.
Ficamos nesse troca troca de boquete até as bocas cansarem.
Sentamos

Em uma das camas com os paus duros e babados . Com uma mão eu batia pra mim com a outra eu tocava no corpo de Felipe. Não controlei o tesão segurei ele pelo pescoço e o beijei.

Não usamos a língua a princípio e o beijo encaixou perfeitamente . Nessa hora passei a masturbar ele de novo .

Parei de beijar ele e disse que queria gozar, ele segurou meu pinto com força deu uma chupada e começou bater forte ... que punheta gostosa, ele apertava e soltava e eu gozei me tremendo todo, mau respirava !!

 

Jatos e mais jatos voaram até minha cara, me acertaram no queixo, no peito, enquanto meu corpo descontrolado se contraria jogando mais e mais porra pra fora ... Felipe olhava com cara de desejo, não desejo pela minha porra oi meu pau, um desejo como se quisesse gozar logo, e se masturbava freneticamente ...
Quando terminei de gozar ele disse:
- sua vez !!!
Deitou e esperou.

Peguei naquela rola, e agora já não tinha vontade de chupar, bati igual eu gostava, mão firme movimentos rápidos, eu tava tonto e queria deitar logo, então queria que ele gozasse rápido. Ele deitou e eu comecei.

Em menos de um minuto ele gozou, pareceu ter sido muito bom pra ele, na minha mão escorreu um líquido muito branco e poucos jatos acertaram sua barriga.

Nos limpamos, a mãe dele chegou logo depois e como já estava tarde, acabei jantando na casa dele.

Poder� gostar tamb�m de:
Postado por Mac Del Rey | (2) Comente aqui!

2 comentários:

  1. Muito bom! Mas não achei o conto anterior... ��

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos reprisar os capítulos anteriores. Aguarde na próxima quarta feira

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...