Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Novas denúncias confirmam perseguição a gays na Chechênia.




Após informações divulgadas na última semana, novas denúncias sobre perseguição contra homossexuais, na Chechênia ganharam força nesta segunda-feira (14).

“Desde o fim do mês de dezembro de 2018 ocorreram novas prisões de homens e mulheres por causa da suposta orientação sexual”, comunicou a associação LGBT russa.

“Segundo nossas fontes, cerca de 40 pessoas foram presas e pelo menos duas morreram torturadas.”, continuou. As informações são da agência RFI.

Igor Kotchetkov, diretor da ONG, ressalta que as autoridades da Chechênia confiscaram os passaportes das pessoas detidas, para impedi-los de deixar o território. Eles foram ameaçados e forçados a assinar formulários, segundo Kotchetkov.

Governo nega

Segundo a agência Efe, o porta-voz do controverso líder Ramzan Kadyrov negou que haja campos de concentração para LGBTs. “Na república chechena, não existe nenhuma prisão ou local de detenção que não faça parte do sistema carcerário”, assegurou.

O governo ainda acrescentou que também não existem gays na Chechênia. “Não se pode prender ou perseguir quem simplesmente não existe.”, declarou. “Se existissem pessoas assim na Chechenia, as forças de ordem não teriam nenhum problema, porque seriam os próprios familiares a mandarem essas pessoas para aquele endereço do qual não se volta”, completou o porta-voz.

Atriz mostra cenas de primeiro romance do mesmo sexo na história do cinema indiano.


A atriz indiana Sonam Kapoor em cena de ‘Ek Ladki Ko Dekha Toh Aisa Laga’.


A comédia romântica conta a história de uma lésbica que recusa os pretendentes homens apresentados a ela pela família por causa da paixão que sente por outra mulher.

A atriz indiana Sonam Kapoor utilizou a conta dela no Instagram para revelar as primeiras imagens do primeiro filme a mostrar um romance entre dois personagens do mesmo sexo em Bollywood, a indústria cinematográfica da Índia. Hoje aos 33 anos, Kapoor é a protagonista de ‘Ek Ladki Ko Dekha Toh Aisa Laga’ (‘Como me Senti Quando vi Aquela Garota’, em tradução livre). Na produção, ela interpreta uma mulher que recusa todos os pretendentes apresentados a ela por sua família por causa da paixão dela por outra mulher.

Uma das estrelas mais conhecidas de Bollywood, Kapoor é ativista dos direitos LGBT, com voz bastante ativa em seu país. O longa protagonizado por ela ganha um apelo ainda maior após a descriminalização do ato sexual entre pessoas do mesmo sexo na Índia em julho de 2018.

A atriz indiana Sonam Kapoor no cartaz de ‘Ek Ladki Ko Dekha Toh Aisa Laga’.

Governador veta uso do nome social de travestis e transexuais em Santa Catarina.


Carlos Moisés da Silva foi eleito pelo PSL, partido do presidente Bolsonaro. 


Carlos Moisés da Silva (PSL) publicou no Diário Oficial desta segunda-feira seus primeiros vetos.

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva (PSL), publicou no Diário Oficial desta segunda-feira seus primeiros vetos a projetos aprovados na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). Um deles é o que “dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública de Santa Catarina”.

A proposta foi apresentada pelo deputado estadual Cesar Valduga (PCdoB). Pelo texto, travestis e transexuais teriam direito à identificação por meio do nome social quando fossem preencher fichas de cadastro, formulários, prontuários, registros escolares e documentos congêneres para atendimento de serviços públicos prestados pelo Estado. Ao mesmo tempo, ficavam proibidas expressões vexatórias e discriminatórias.

Os nomes sociais deveriam estar devidamente registrados no sistema estadual, além da identificação civil, que serviria apenas para fins administrativos internos. Nos documentos incluídos na lei, precisaria ser destacado em primeiro plano o nome social, acompanhado do civil abaixo.

O novo governador, justifica o veto alegando que o projeto está “eivado de inconstitucionalidade formal orgânica” por tratar-se de competência privativa da União. Para a Procuradoria-Geral do Estado (PGE), “o nome é um dos principais elementos que individualiza a pessoa natural no contexto da vida social e produz reflexos na ordem jurídica, razão pela qual o nome simboliza a personalidade do indivíduo é protegido juridicamente”.

O veto agora vai à votação na Alesc, que pode rejeitar o posicionamento do governador em votação no plenário e, posteriormente, promulgar a lei.

No Acre e no Maranhão recentemente foram sancionadas leis semelhantes para possibilitar que travestis e transexuais tivessem direito ao uso do nome social na administração pública.

No âmbito federal, existe um decreto que também permite o uso do nome social na área administrativa e que Bolsonoro se comprometeu em revogar.

Em vídeo, Damares Alves afirma que “movimento gay” quer tirar Bíblia de circulação.




Com apenas 16 dias de mandato, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos já tem um arsenal de polêmicas envolvendo seu nome. Damares Alves é pastora, e a internet tem cada vez mais “desenterrado” suas falas de um tempo atrás. Na maioria das vezes, são declarações que chamam atenção pelo teor extremista religioso.

Segundo informações da Carta Capital, desta vez, o assunto é um vídeo gravado em 2014. De acordo com ela, há uma estratégia definida e planejada para retirar a Bíblia Sagrada de circulação no Brasil. “Eu não estou exagerando! O movimento gay é articulado e sabe influenciar”, afirmou Damares.




A teoria da ministra pode ser consultada na íntegra, em um vídeo com pouco mais de 18 minutos. Em suma, Damares crê que o movimento gay, assim chamado por ela, tem o plano de aprovar um projeto de lei que proíbe a circulação de livros com conteúdo homofóbico. Ela explica que o movimento já elegeu as duas palavras homofóbicas mais utilizadas no país: “sodomitas e efeminados”.

Sendo assim, ela assume que o livro-base da fé cristã é homofóbico, visto que utiliza essas palavras. “Aonde estão essas palavras? Na Bíblia Sagrada! Eles (os gays) com certeza vão tentar recolher a Bíblia no Brasil!”.

Estilista brasileira protesta contra Bolsonaro durante desfile em Berlim.


Desfile da estilista brasileira Aline Celi tem protesto contra Bolsonaro em Berlim


A estilista brasileira Aline Celi fez um protesto contra o presidente Jair Bolsonaro ao desfilar a sua coleção na Berlim Fashion Week. O evento aconteceu nesta segunda (14) e terça-feira (15). Na passarela, três modelos seguravam cartazes com frases polêmicas ditas pelo político em inglês.

“O problema da ditadura foi torturar e não matar.”; “Você é muito feia para ser estuprada”, feita por Bolsonaro para a deputada Maria do Rosário. Além dessas, a frase da ministra Damares Alves que causou polêmica também entrou no manifesto: “Meninos usam azul e meninas usam rosa”. A modelo desta última, usava um macacão na cor azul.

O protesto

“Escolhi essas frases porque são coisas com as quais não concordo. Eu tenho muito amigo gay. Para mim, a orientação sexual de uma pessoa não quer dizer nada! Tenho vários gays na minha equipe, moro em Berlim, uma cidade aberta. O que interessa é as pessoas serem bons seres humanos. Tenho amigos que estão com medo de ir para a balada no Brasil porque podem apanhar. Não posso ignorar isso. Não é porque não moro no Brasil que não me preocupo. Meus amigos estão lá, minha família. Vou ao Brasil de dois em dois meses”, contou em entrevista ao Uol.

Celi acredita que o fato de morar longe do seu país faz com que ela tenha uma outra perspectiva. “Moro em uma cidade que é muito tolerante. Aqui as pessoas se vestem como querem, ninguém liga se alguém é rico ou pobre. Tem um clube de sexo aqui perto do showroom onde só pode entrar pelado e isso é aceito de boa. Quando a gente vê isso, fica mais tolerante. Quero que o Brasil seja mais tolerante também”, afirmou.

Jovem gay agredido em Niterói alega homofobia: “É muito triste, revoltante”.


Jovem alega ter sido vítima de homofobia, em Niterói 


A madrugada da segunda-feira (14) não foi feliz para Leonardo Alves. O jovem foi agredido covardemente por quatro homens no Terminal de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. De acordo com a vítima, a motivação do crime foi homofobia, praticada pelos seguranças do local.

Por meio do Facebook, Leonardo relatou sua dor. “Por um momento pensei que fosse morrer, pois já estava perdendo os sentidos de tanto chute na minha cabeça. Não irei postar fotos do meu rosto porque está muito machucado, sinto vergonha. Não sinto mais nem vontade de nada sabe. Estou atordoado com tudo isso”, começou.

“É muito triste, revoltante você não poder ser o que você quer. Ter que passar por uma situação dessas… Hoje fui eu, amanhã pode ser um de vocês. E o que eu passei e senti, não desejo nem para o meu pior inimigo” finalizou ele.

De acordo com o jornal O Dia, o Conselho LGBTI de Niterói está acompanhando o caso. “Ele está ferido e super machucado. Iremos acompanha-lo ao hospital, a delegacia e IML. (…) Também estamos encaminhando a vítima para acompanhamento psicológico e jurídico”, informou o Conselho, por meio de nota.

A ocorrência está sendo investigada pelo 76º Distrito de Polícia de Niterói.

Polícia identifica homem que matou estudante da UnB em Rodoviária.


Milton Junio foi assassinado na madrugada desta terça-feira (15)


A 5ª Delegacia de Polícia (Área Central de Brasília) identificou o homem que assassinou Milton Junio Rodrigues de Sousa, na madrugada da terça-feira (15). O estudante da UnB, de 19 anos, foi morto com um a facada no peito, logo após ser roubado, na Rodoviária do Plano Piloto, em Brasília.

De acordo com o Metrópoles, o agressor é um morador de rua conhecido como Galego. Policiais informaram que ele costuma andar e passar as noites consumindo droga nas redondezas do terminal.

Os investigadores tiveram acesso às imagens registradas pelas câmeras de segurança, no entanto, o crime aconteceu em um ponto cego. Por isso, as circunstâncias do assassinato não foram documentadas pelos equipamentos. Os policiais da 5ª DP estão nas ruas tentando localizar o suspeito, que não foi mais visto na Rodoviária.

Na manhã da terça-feira, Pabllo Vittar prestou homenagem à vítima do latrocínio. Em seu Instagram, a cantora escreveu: “Um dos vittarlovers mais fofos foi morar no céu”.

Após ser baleada, travesti invade casa para pedir socorro, em Goiânia.


Travesti invade casa para pedir socorro após ser baleada


Na terça-feira (15), uma travesti invadiu uma casa para pedir socorro após ser baleada. O caso aconteceu no Parque Oeste Industrial, em Goiânia. Os moradores do imóvel ligaram para o Corpo de Bombeiros, que chegaram a tempo de socorrer a vítima. Ela estava sem nenhum documento e, por isso, não foi possível identificá-la.

De acordo com o G1, a vítima arrombou o portão da casa e gritou por ajuda. Provavelmente ela estava correndo antes de chegar no imóvel, mas não se sabe por quanto tempo. Os moradores disseram que ela estava muito assustada, foi até o fundo da casa e entrou em um carro.

“Ela disse que estava doendo, doendo, para chamar os bombeiros e a polícia, gritando. Até a roupa dela ficou lá no chão”, disse Frankli Ruan Bueno, morador da casa invadida. A vítima recebeu os primeiros socorros ainda na residência, e em seguida, foi levada para o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol).

Consciente, a travesti tinha hematomas pelo corpo e perfurações da arma do crime. A Polícia Militar fez buscas na região, no entanto, não conseguiu identificar nenhum suspeito. O caso foi registrado como tentativa de homicídio e será investigado pelo 15º Distrito Policial de Goiânia.

Suspeito de assassinar travesti é detido em Cabo Frio (RJ).


Homem suspeito de matar travesti foi detido na quarta-feira (16)


Um homem de 40 anos, apontado pela Polícia Civil como responsável pela morte de uma travesti, assassinada em junho de 2018, foi preso nesta quarta-feira (16). A Polícia cumpriu um mandado de prisão preventiva e localizou o homem em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.

De acordo com o G1, a Polícia Militar informou que ele foi preso na casa onde morava com os pais em Unamar, no distrito de Tamoios. Ele também é apontado com o assassino de uma outra mulher, na mesma época do primeiro crime. Além disso, ele teria, ainda, tentado matar a travesti Kelly, em agosto de 2018.

O comandante do Pelotão de Tamoios, capitão Gustavo Lopes, informou que foi constatado que o preso também exerce a função de gerente do tráfico em Unamar. Os investigadores ouviram testemunhas que revelaram o comportamento do assassino. De acordo com os depoimentos, ele usava drogas e procurava as vítimas para ter relações sexuais e, quando voltava à sobriedade, ele se arrependia e ia atrás delas para eliminá-las.

Kelly sobreviveu, no entanto, João Vitor Couto de Almeida (travesti) e Nayara Rodrigues não. Seus corpos com sinais de violência foram encontrados em ruas diferentes, mas com uma proximidade significativa. Ao lado de um deles havia pedras com marcas de sangue.

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...