Slide 1 Slide 2 Slide 3

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Papa Francisco defende estudo de sexualidade nas escolas.




O Papa Francisco defendeu a educação sexual nas escolas em sua passagem pela Jornada Mundial da Juventude, no Panamá. Questionado por um jornalista sobre a importância da disciplina para combater doenças e evitar gravidez precoce, o religioso disse apoiar a medida.

“Creio que nas escolas é preciso dar educação sexual. Sexo é um dom de Deus não é um monstro. É o dom de Deus para amar e se alguém o usa para ganhar dinheiro ou explorar o outro, é um problema diferente. Precisamos oferecer uma educação sexual objetiva, como é, sem colonização ideológica”, afirmou.

O pontífice ainda ressaltou a importância da escolha dos professores para passar o conteúdo aos jovens, e que o mesmo deve ser reforçado pelos pais. As informações são da agência Efe.

“Nem sempre é possível por causa de muitas situações familiares, ou porque não sabem como fazê-lo. A escola compensa isso e deve fazê-lo, caso contrário, resta um vazio que é preenchido por qualquer ideologia”, contou.

Sobre a condenação do aborto, Francisco disse que é preciso ter uma mensagem de misericórdia, orientação já concedida a todos os padres ao invés do julgamento. “O drama do aborto, para ser bem entendido, precisa estar num confessionário. É terrível”, concluiu.

Escolas e universidades francesas oferecem estudo de questões LGBTs.




Uma nova campanha lançada pelo Ministério da Educação da França promove a discussão referente a questões LGBTs nas escolas. Instituições de Ensino Médio e Superior do país passarão a oferecer o ensino.

A medida foi tomada após o resultado de uma pesquisa, realizada no ano passado, na qual foi revelado que 18% dos estudantes LGBTs já sofreram algum tipo de insulto por conta da sua orientação sexual ou identidade de gênero dentro do ambiente escolar.

O levantamento ainda mostrou que as más experiências afetam a saúde dos estudantes. Muitos afirmam que passam a ter medo de ira escola, enquanto 72% guardam lembranças ruins dos tempos de escola.

Intitulada “Todos iguais, todos aliados”, a ação visa levar a mensagem de tolerância e existência da diversidade para os alunos. Um guia de serviço de ajuda à distância também será disponibilizado on-line.

O tema também será um dos destaques da Jornada Internacional de luta contra a Homofobia e a Transfobia, que acontecerá no próximo dia 17 de maio, em Paris.

Ator é internado após Ataque Homofóbico de apoiadores do Presidente.




Jussie Smollett precisou ser hospitalizado após sofrer um violento ataque homofóbico em Chicago na madrugada de terça-feira (29). De acordo com o TMZ, o astro da série Empire – Fama e Poder – da Fox e também exibida na Globo – já vinha recebendo ameaças de morte.

Jussie, que interpreta o personagem Jamal Lyon, chegou em Chicago durante a madrugada e resolveu sair do hotel onde estava hospedado para comer um lanche. Às duas da manhã, dois homens brancos usando máscaras de ski para cobrir o rosto renderam o ator. “Você que é o gay de Empire?”, perguntaram. Jussie tentou revidar, mas eles o agrediram fortemente e o ator quebrou uma costela.

Os dois homens, então, tentaram enforcá-lo com um cordão enquanto jogavam alvejante em cima dele gritando: “Este é o país do Make America Great Again”, slogan do presidente Donald Trump.

Jussie teve que ser hospitalizado, mas já foi liberado nesta manhã. A polícia local investiga o crime motivado por homofobia. O ator havia recebido cartas anônimas com ameaças de morte, segundo o site The Grape Juice. “Você vai morrer, negro viado”, diziam as cartas.

Através do Instagram, diversos artistas declararam apoio a Jussie e desejaram maior eficiência no combate à homofobia. “Isso mostra porque a comunidade LGBTQ continua a lutar para ser vista e protegida contra o ódio. Todos nós temos que tomar isso como algo pessoal. Estou junto com você, Jussie. Você é amado!”, disse a atriz Viola Davis.

“Isso não é correto. É um resultado direto da cultura do ódio e intolerância que está novamente invadindo nosso país. Estou ao lado de Jussie e exijo justiça diante desse crime de ódio contra meu amigo, ativista, líder e uma pessoa boa”, pediu Shangela Laquifa Wadley, drag queen e uma das atrizes do longa Nasce Uma Estrela. A roteirista Lena Waithe e a atriz Jada Pinkett Smith também se solidarizaram com o caso.

A mãe de Beyoncé, Tina Knowles, também demonstrou sua indignação. “Estou chocada e desesperada com isso! Se eu escutar mais alguma pessoa dizendo que essa administração não está encorajando os racistas, machistas e homofóbicos do país, eu vou gritar! Pessoas andando com bonés pró-Trump por aí e dizendo que coisas assim não tem nada a ver com isso. Acordem! Parem de se esconder atrás dessas merdas e digam a realidade!”, esbravejou.

Jussie é abertamente gay e inclusive seu personagem na série também é homossexual. “Eu nunca estive no armário, é importante que todos saibam quem sou eu”, disse em entrevista à Ellen DeGeneres, em 2015.




Prefeitura do Rio promove conjunto de ações para pessoas trans.


Secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, João Mendes de Jesus, e o Coordenador Especial da Diversidade Sexual, Nélio Georgini, assinam o protocolo de rotina de atendimento às travestis, mulheres transexuais, homens trans e população LGBT 


A Prefeitura do Rio lançou na tarde desta terça-feira (29), no Palácio da Cidade, – Dia de Visibilidade Trans – a campanha “Nome Social”. A ação foi criada por meio da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS-Rio) e da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

A medida chama a atenção para o direito ao uso do nome social por transgêneros, em todas as unidades de saúde da cidade. O direito é assegurado pela Lei Municipal 6.329/2018, que garante o reconhecimento da identidade de gênero pelo Nome Social.

Distribuição da Campanha

A campanha contará com cartazes expostos nas unidades de saúde, alertando sobre o direito garantido na lei. Também haverá divulgação pelas redes sociais e em mobiliário urbano, como nos relógios digitais instalados nas ruas da cidade. O material destaca ainda o canal LGBT, que foi aberto pela CEDS-Rio com a Central 1746, para tirar dúvidas e orientar a população LGBT. Pelo canal é possível buscar informações e fazer denúncias de casos de LGBTfobia no município do Rio.

“O serviço público de saúde é direito de qualquer cidadão. O uso do nome social pela população trans é uma garantia em lei e a campanha vai reforçar com os profissionais de saúde o acolhimento e o respeito a quem desejar ser identificado com o nome social”, afirma a secretária municipal de Saúde, Beatriz Busch.

“Reconhecer a identidade de gênero das pessoas transexuais e travestis é oferecer dignidade e cidadania para essa parcela da população. Não é um favor, existe uma lei que precisa ser cumprida. Nosso trabalho é sensibilizar os profissionais e a sociedade para a realidade vivida pelos transgêneros.”explica o coordenador do CEDS-Rio, Nélio Georgini.

Assistência Social institui Protocolo de rotina de atendimento às travestis, mulheres transexuais, homens trans e população LGBT

O Protocolo rotina de atendimento às pessoas trans também foi instituído. A medida foi promovida pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos (SMASDH) por meio da Subsecretaria de Políticas para a Mulher (SUBPM).

O protocolo especifica que pessoas trans tem o direito inquestionável ao uso de seu nome social. Devendo ser chamada como assim se apresente, em observância aos princípios de respeito à dignidade da pessoa humana. O documento destaca ainda que ao descumprir a Resolução, estará sujeito às sanções administrativas previstas no âmbito da Municipalidade.

Esporte Clube Bahia anuncia campanha de visibilidade a torcedores trans.




O Esporte Clube Bahia anunciou uma ação importante aos torcedores que se identificam como transgêneros. O lançamento aconteceu na terça-feira (29) em comemoração ao Dia da Visibilidade Trans.

A partir de agora serão permitidas o uso do nome social em crachás, carteiras de sócio, procedimentos administrativos ou em qualquer lugar em que o nome estará exposto.

A decisão foi anunciada através de nota. Ressaltando que o Brasil é o país que mais mata transexuais no mundo, o time fala da responsabilidade em combater o preconceito. O comunicado traz outro dado que atesta a Bahia sendo o terceiro estado que mais registra violência contra LGBTs.

“O futebol amplia sua razão de existir quando cumpre o papel de geração de bem-estar e transformação da sociedade. O futebol une pessoas, reconcilia conflitos e promove igualdade. Por outro lado, também se revela como reflexo da sociedade ao se ser, lamentável e paradoxalmente. Através de um ambiente de reprodução de homofobia, machismo, racismo, transfobia e outras formas de preconceito”, dizia o texto.

Acusado de matar e esquartejar gay confessa crime em Presidente Médici (MA)


Ildivan Faris foi morto e esquartejado por suposto crime motivado por homofobia


Um homem identificado como Valber Bezerra confessou nesta quarta-feira (30), o assassinato do jovem gay Ildivan Silva Farias. Ele estava desaparecido desde a última sexta-feira (25), quando estava em uma festa, no município de Presidente Médici (MA).

Ao G1, o delegado Élson Ramos explicou que o acusado teria cometido o crime, após o rapaz invadir a sua casa na tentativa de “ficar” com ele. Bezerra, então, atingiu a vítima com várias coronhadas na costela e um tiro na cabeça.

Depois, ele esquartejou o corpo, colocando os pedaços dentro de sacos plásticos e o jogou no açude da cidade. O assassino confesso está preso em Santa Luzia do Paruá e será transferido para a Unidade Prisional de Zé Doca.

A polícia trabalha com a hipótese de crime motivado por homofobia e o suspeito será indiciado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Preso é suspeito de ‘estupro corretivo’ contra Homossexual.




Homem de 34 anos embriagou vítima durante festa de confraternização e a ofendeu. Depois da festa, a levou para um local onde a agrediu com um capacete e a estuprou.

Um homem de 34 anos foi preso suspeito de espancar e estuprar um homossexual, de 30 anos, foi preso nesta terça-feira (29), em Colniza, a 1.065 km de Cuiabá. O crime, segundo a Polícia Civil, que investiga o crime, foi motivado por homofobia, intolerância e ódio, em uma espécie de “estupro corretivo” – prática criminosa que visa exercer controle sob eventual comportamento social ou sexual da vítima.

A violência sexual é cometida, normalmente, contra vítimas lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros, sob pretexto de ‘curar a homossexualidade’.

O crime foi cometido no dia 10 deste mês, no Distrito de Guariba, após uma confraternização, em que a vítima foi desafiada a participar de um jogo de ‘vira-vira’ para ingestão de doses de bebida alcoólica.

A suposta brincadeira foi proposta pelo suspeito Fábio Modesto Santos, que, segundo a polícia, de forma dissimulada não ingeriu a mesma quantidade de bebida que a vítima, já planejando previamente deixá-la embriagada.

No decorrer da festa, o suspeito passou a ofender a vítima, com frases de cunho homofóbico, ridicularizando a forma de se expressar dela, e dizendo que não tolerava homossexuais e que deveria “aprender a virar homem”.

Quando a vítima apresentava sinais de embriaguez, o suspeito passou a oferecer repetidas vezes carona para levá-la para casa e, durante o trajeto, não parou o veículo no local combinado com a vítima e a levou contra a vontade até a casa dele.

Para que a vítima entrasse na residência, afirmou que precisava entregar um pen drive e, quando estavam dentro da casa, o suspeito trancou a portas e praticou o estupro, subjugando a vítima, e a agredindo com socos e golpes com um capacete.

Com ferimentos e sangramentos, a vítima saiu quase nua na rua gritando por socorro. Um morador o ajudou.

O caso foi denunciado à polícia, que pediu a prisão preventiva do suspeito.

A polícia afirma que se trata de um atentado a identidade de gênero, motivado por ódio, intolerância e homofobia.

A prisão preventiva foi determinada pela Justiça.

Na delegacia, Fábio confessou as agressões físicas, mas negou o estupro. Ele afirmou que é heterossexual e que jamais teria relação com um homossexual.

O exame pericial na vítima confirmou as lesões corporais. Foram diversas escoriações e hematomas pelo corpo, além de um corte de 4 centímetros na cabeça, causados por métodos de tortura e asfixia. Outro laudo da perícia confirmou a ocorrência do sexo anal, praticado mediante o emprego de violência, resultante em hemorragia.

De acordo com a polícia, Fábio possui histórico criminal anterior por tráfico de drogas, associação criminosa e tentativa de homicídio.

Fonte: G1

Poderá gostar também de:
Postado por Andy | (0) Comente aqui!

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...