terça-feira, julho 30, 2019

SEXO

"Sou gay gosto de sexo e de skate": Skatista gay


A história do skate surgiu a partir de uma ideia: criar uma prancha de surf para o asfalto.










A história do skate nos leva à década de 60, época em que um grupo de surfistas da Califórnia, Estados Unidos, tiveram a ideia de criar algo semelhante às pranchas de surfe para ser usado no chão durante as épocas do ano que não dava para surfar de verdade (baixa maré).





Ilustração que mostra skatistas gays em capa de revista causa polêmica entre leitores




Não foram propriamente dois skatistas se beijando, mas sim uma belíssima ilustração de Dea Lellis que remete à ideia de dois homens gays que curtem skate. O desenho foi capa da revista Vista, que comemora a sua 50ª edição.




A idéia do fotógrafo é quem levantou a questão da sexualidade no cenário do skate. A homossexualidade é um tabu enorme nesse universo.






"Só se conversa sobre o assunto pejorativamente. É algo, aliás, muito comum: ver skatistas homofóbicos julgando a todo tempo quem é ou pode ser gay.





Na página da revista no Facebok, a imagem dos dois skatistas dividiu a opinião dos leitores. Alguns chegaram a parabenizar a atitude corajosa da publicação e outros lamentaram o fato de a revista discutir a homossexualidade enquanto, segundo alguns, há outros temas mais pertinentes e interessantes. 



"Não adianta se sentir orgulhoso por ter transposto algumas barreiras se logo depois você passa a construir outras. (…) O skatista se acha muito diferente, muito à parte da sociedade, mas reproduz doutrinamentos exatamente iguais a todo mundo. 





Ele é extremamente homofóbico e machista", completou Fernando Martins Ferreira. 





Gay no Skate? O skatista Brian Anderson, de 40 anos, em que se assumiu homossexual e falou abertamente sobre o assunto. “Por que isso merece ser destaque na imprensa?”, você poderia perguntar. Acontece que Brian é um dos maiores skatistas do mundo, com quase 20 anos de carreira e vários prêmios no currículo.



Em 1999, foi escolhido skatista do ano pela revista “Thrasher”, referência na área, e venceu o campeonato mundial. Em um esporte no qual o status está intimamente ligado à capacidade de atrair grandes patrocinadores, Anderson é apoiado por marcas como Spitfire e Nike.




“Meu nome é Brian Anderson, sou um skatista profissional, e nós estamos aqui para falar sobre o fato de que eu sou gay”. Assim começa o depoimento dele a um mini-documentário da Vice Sports.



Ao veículo, Anderson conta que sente atração por homens desde criança, quando se sentia atraído pelo personagem Brutus, do desenho “Poppeye”. Ele afirma que nunca se sentiu particularmente atraído por skatistas, e que durante grande parte de sua vida pensou que poderia, em algum momento, passar a se sentir atraído por uma mulher e, a partir daí, constituir uma família.





A demora em se assumir publicamente, mesmo após viver casos amorosos com outros homens, veio em parte da homofobia presente em grupos de skatistas desde a juventude. “Ouvir o termo ‘bicha’ o tempo todo fez com que eu pensasse desde muito novo que era muito perigoso falar sobre isso”, diz. “Se eu tivesse dito isso [que é gay] há 15 anos, a reação seria muito diferente.”







Para uma contra-cultura supostamente inclusiva, o discurso sobre ser gay no mundo do skate é surpreendentemente inexistente. Isso é algo que Tom Kneller quer mudar em seu novo filme Blue Like You.






O fotógrafo e artista de Nova York dá uma olhada mais de perto na comunidade de skate com o skatista gay Othowski, na tentativa de melhorar a visibilidade para futuras gerações de jovens skatistas LGBTQ.








Apesar de tudo, todos fazem sexo








2 comentários:

  1. Que estranho haver uma discriminação entre eles. É Como se fosse proibido utilizar um "meio de transporte" por conta da opção sexual.

    (Sou novo aqui, comentando pela primeira vez. Parabéns pelo trabalho Andy!)

    ResponderExcluir
  2. Oliver- Olá, seja benvindo e se divirta aqui. Não só no mundo do skate que isso acontece, e cada vez mais, a homofobia está sendo vencida nos esportes em geral e no futebol, estão sendo aplicadas multas para os clubes dos gritos homofóbicos de seus torcedores. Isso é muito bom! Obrigado pelo comentário e divirta-se muuuito!

    ResponderExcluir