segunda-feira, setembro 30, 2019

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Milhares de pessoas participam da Marcha Pela Diversidade no Uruguai.


Milhares participam da Marcha Pela Diversidade em Montevidéu, no Uruguai nesta sexta-feira, 27.


Mobilização este ano teve dois slogans: "Para o armário nunca mais" e "o medo não é o caminho".

Nesta sexta-feira, 27, com a participação de milhares de pessoas, foi realizada mais uma edição da Marcha pela Diversidade de Montevidéu, no Uruguai, que busca celebrar e reivindicar os direitos da população LGBT.

Este ano, a marcha – que começou às 19h – teve dois slogans: “Para o armário nunca mais” e “O medo não é o caminho”, em relação à uma proposta de reforma constitucional em matéria de segurança “Vivendo sem medo”.

Fabián, de 20 anos, comentou que seu desejo é “mais aceitação”. “Foi difícil sair do armário, ainda mais em relação a minha família. Eles dizem para mudar, que é uma decisão, que é influencia de amigos. Eu gostaria que os LGBTs de hoje não passassem por isso”, disse o jovem, que acrescentou que a aceitação é um trabalho “mais individual”.


Participantes pintam o rosto durante a Marcha Pela Diversidade em Montevidéu, no Uruguai. 

Antes da marcha também ocorreu “La Previa”, uma feira de artesanato que foi armada na quinta-feira 26 e sexta-feira 27 a partir das 10:00 da manhã. Além disso, havia uma barraca de teste de HIV.


Mobilização este ano teve dois slogans: “Para o armário nunca mais” e “o medo não é o caminho”.

O ex-candidato à presidência da Frente Amplio, Óscar Andrade, participou da marcha com Federico Graña, diretor nacional de Promoção Sociocultural do Ministério do Desenvolvimento Social (Mides). Havia também o ex-candidato à decisão de Carolina Cosse.

Vários líderes políticos do país enviaram mensagens a favor da marcha.


Extremistas atacam com pedras marcha do orgulho LGBT na Polônia.


Extremistas protestam contra marcha do orgulho LGBT em Lublin, na Polônia.

Após os ataques realizados contra gays, lésbicas, bissexuais e pessoas transgênero na Parada do Orgulho da cidade de Bialystok, na Polônia, o clima de ódio e perseguição aumentou notadamente no país.

Desta vez, um grupo de extremistas atacaram a Parada LGBT que acontecia na nação. Desse modo, segundo O Globo, o ato, na cidade de Lublin, contava com cerca de 400 pessoas, que levavam seus cartazes com frases como “a homofobia ameaça as famílias polonesas” e bandeiras arco-íris, sob forte proteção policial. 

Além do mais, no transcorrer da marcha, um grupo de ultranacionalistas tentaram bloquear o caminho. Para criar empecilhos, eles jogaram garrafas e pedras. Desse modo, eles ainda entraram em confronto com a polícia, que usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar a confusão.

Recentemente, na cidade de Bialystok, em um contexto homofóbico, adeptos da bandeira “contra ideologia LGBT”, foram às ruas para conter a celebração do Orgulho. Vale ressaltar que a marcha foi parada várias vezes. Grupos de torcedores de futebol de todo o país gritaram gritavam: “Não à sodomia em Bialystok”.

LGBTfobia aumentou consideravelmente na Alemanha.




O ataque à comunidade LGBT é alarmante no mundo inteiro. Mesmo existindo alguns países, onde a diversidade é mais acolhida é sempre bom trazer o tema à tona e assegurar direitos. Desta vez, segundo o G1, o número de atos violentos de caráter homofóbico e transfóbico aumentou notadamente na Alemanha.

Segundo a resposta elaborada pelo Ministério do Interior em Berlim, foram registrados 245 casos de crimes de ódio envolvendo orientação sexual no primeiro semestre de 2019. Destes, 58 foram violentos.

“O aumento da violência não é uma coincidência”, disse a deputada Achelwilm. “Isso surge a partir de um clima social que pressiona minorias e as ameaça de uma nova maneira”, completa.

Vale frisar que, nos Estados Unidos, também constatou-se um aumento da LGBTfobia. Assim, um relatório da Coalização Nacional Anti-Violência (NCAVP) relatou que houve um aumento considerável da violência no país. As denúncias incluem homicídios, ameaças e agressões.

Delegado do caso Marielle montou esquema de corrupção na PF.


A vereadora Marielle Franco foi assassinada em 14.mar.2018. O crime ganhou grande repercussão e as investigações ainda não foram concluídas


O delegado federal Hélio Khristian é acusado de ter montado uma ‘central de mutretas’ na Superintendência da PF no Rio de Janeiro. A informação faz parte de relatório sobre obstruções na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.

Segundo reportagem do portal UOL, HK –como é conhecido o delegado– usou intermediários para tentar extorquir a quantia de R$ 300 mil do vereador Marcello Sicilliano (PHS-RJ).

O delegado foi acusado pela PGR (Procuradoria Geral da República) de atrapalhar as investigações sobre a morte de Marielle Franco. Segundo o relatório, ele e outros 2 colegas levaram o policial militar Rodrigo Jorge Ferreira –conhecido como Ferreirinha– a prestar depoimento com falso testemunho à DH da Capital (Delegacia de Homicídios do Rio). Ferreirinha também é acusado de obstruir as investigações, bem como a advogada Camila Nogueira.

Ferreirinha apontou Marcelo Sicilliano e o miliciano Orlando Oliveira de Araújo (Orlando Curicica) como mandantes do assassinato de Marielle. Posteriormente, ele admitiu ter mentido.

Os atos de corrupção atribuídos a Hélio Khristian foram informados à Superintendência da PF no Rio de Janeiro para que “medidas cabíveis” fossem adotadas, segundo o delegado federal Leandro Almada, responsável pela investigação sobre a obstrução no caso Marielle.

Ao portal UOL, o advogado de HK declarou que “a denúncia da ex-PGR, realizada no último dia de seu mandato, tem cunho político e é absolutamente inepta por uma série de razões jurídicas“.

Corrupção e acusações

HK têm várias acusações de corrupção em seu histórico. Eis algumas delas:

Tentativa de extorsão: O vereador Marcelo Sicilliano afirma ter sofrido uma tentativa de extorsão por parte de HK. Suposto caso ocorreu após o delegado investigar o político por irregularidades fiscais em uma boate na zona oeste do Rio, propriedade de Siciliano.

Corrupção: HK tentou extorquir R$ 5 milhões de 1 empresário em 2005. Ele supostamente simulou 1 inquérito policial e expediu ofício a 1 cartório para levantar os bens da vítima, alegando falsamente que atendia a pedido do MPF.

Vantagens indevidas: O MPF do Pará denunciou o delegado após 2 policiais federais testemunharem que HK ganhou passagens aéreas de um empresário investigado pela PF.

Condenação anulada

Hélio Khristian chegou a ser condenado por corrupção, em dezembro de 2013, pelo TRF-2. Ele foi condenado a 2 anos e meio de prisão em regime aberto e obrigado a deixar o cargo. Porém, em novembro de 2014, a condenação foi anulada.

Ele foi condenado por 1 crime diferente do que a acusação apontou, o de concussão –quando 1 funcionário público exige vantagem indevida.

Caso Marielle

Entenda o que se sabe até agora sobre o Caso Marielle:

O PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Queiroz são acusados de terem executado o atentado contra Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. Lessa teria feito os disparos e Queiroz teria dirigido o carro usado no crime;

O conselheiro do TCE-RJ Domingos Inácio Brazão é suspeito de ser o mandante do crime. Assassinato de Marielle seria 1 ‘recado’ a Marcelo Freixo, que tentou impedir sua nomeação ao TCE;

Chefes do Escritório do Crime também estão envolvidos no caso. Os milicianos major Ronald Paulo e “Capitão”Adriano estariam envolvidos no atentado; O assessor de Brazão Antônio João Vieira Lázaro também estaria envolvido;

O delegado Hélio Khristian (HK), o PM Rodrigo Jorge Ferreira (Ferreirinha), a advogada Camila Nogueira e o agente da PF Gilberto Ribeiro da Costa estariam envolvidos em tentativas de obstruir a investigação do caso.

O miliciano Orlando Curicica –acusado falsamente de ser mandante do homicídio– prestou depoimento na DH do Rio e afirmou que participou de 1 encontro com 1 dos chefes do escritório do crime e com o assessor de Domingos Inácio Brazão que discutia o assassinato de Marielle.

Sessenta e três casais gays se uniram em Belo Horizonte.




Segundo o Tempo, sessenta e três casais homoafetivos celebraram matrimônio nesta sexta-feira na Sala Minas Gerais, no Barro Preto, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. 

“Essa cerimônia tem um significado de família para nós. Tudo o que temos aqui é um ao outro. O casamento nos torna mais família. Somos uma família”, contou o casal Max e Júnior.

Vale frisar que iniciativa é gratuita e veio por intermédio da Defensoria Pública de Minas Gerais. Além do mais, essa é a terceira edição do casamento igualitário LGBT, que, por lei, respalda casais que querem celebrar e oficializar sua uniões.

É oportuno lembrar também que as inscrições para novembro estão abertas. A ação ocorrerá em São Paulo e foi implementada pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania. O evento está previsto para acontecer em meados de novembro deste ano.

domingo, setembro 29, 2019

Modelo do blog




Devido a um problema envolvendo a desativação do serviço de imagens Tinypic, o blog ficou com Bug durante vários dias. 

Tivemos que alterar o nosso modelo personalizado por um do próprio blogger.

Então vou realizar essa enquete e saber a opinião de vocês sobre o modelo utilizado.


Conto com a participação de vocês






Estão gostando do novo modelo do blog?
Sim
Não

contei hoje pra minha mãe






Depois de muito tempo, contei hoje pra minha mãe, falei pra ela que eu não sou quem finjo que sou, e falei toda a verdade do que eu iria fazer daqui pra frente (th)... Eu sou uma pessoa extremamente tímida, e foi muito difícil conseguir coragem para falar isso pra minha mãe, que por sinal é a mais preconceituosa da casa.

Eu já esperava que ela iria reagir muito mal, mas nem tanto...



sábado, setembro 28, 2019

Largados e pelados





Hoje eles vieram de sunga e pelados para alegria da galera

1


2


3



4


5



Vintage

Arnold Schwarzenegger aos 16 anos na sua primeira competição de fisiculturismo - 1963.




Em momento único, Walt Disney é abordado por um fã e dá autografo na Praia de Copacabana, 1941

Acervo da Revista Life


Princesa Diana posando com dois salva-vidas australianos em 1988.


Estilo dos atletas no ano de 1984



Anos 70, a beleza e elegância da moda masculina


A tanga de crochê de Fernando Gabeira marca o comportamento dos anos 80



Nudez artistica dos anos 70 e 80

Existe pau bonito?


excitante



garotudo





sexta-feira, setembro 27, 2019

MINHA VIDA GAY

Transexual dá luz à filho e luta para ser registrado como pai.


Freddy McConnell

No Brasil já lidamos com temas parecidos, com transexuais — pessoas que nasceram com o sexo biológico diferente de seu gênero atual — engravidando e tendo crianças. Esse foi o caso de Freddy McConnel, de 32 anos, morador da cidade inglesa de Kent, que lida com certa discriminação.

De acordo com a ‘Gazeta do Povo’, o homem transexual nasceu como mulher, mas vive agora com o gênero masculino e decidiu manter seus órgãos reprodutores. Em consequência, recorreu a uma clínica de fertilidade, a fim de uma inseminação artificial para ter o primeiro filho.

O que parecia ser algo tranquilo, lhe trouxe certa dor de cabeça. Ao registrar a criança, lhe foi negado o direito de se registrar como pai do hereiro, mesmo com os documentos alterados.

Essa decisão foi tomada pelo juiz Andrew McFarlane, da alta corte de família da Inglaterra. No país europeu, não há uma legislação que defina o conceito de maternidade ou paternidade. A recusa foi pautada citando os órgãos reprodutores femininos e o ato de ter um parto.

Homens héteros falam sobre prazer anal e como romper o tabu.



"Não toca na minha bunda": homens héteros falam de prazer anal e como romper tabu.

"Sempre fui ensinado que aquela área não deveria ser explorada e, por isso, passei boa parte da minha vida sem questionar isso. Descobri o prazer na região quando eu tinha 16 anos, depois que minha primeira namorada disse que queria fazer sexo anal, desde que eu fizesse também. Para mim, nunca foi um tabu, era mais uma questão de curiosidade, daquelas que a gente reprime".

O depoimento do jornalista Marcelo*, de 24 anos, heterossexual, não é comum entre homens que se relacionam com mulheres. Tabu relacionado ao machismo, o prazer anal masculino é uma questão construída socialmente -- como o fato de homem não gemer no sexo -- cercada de muito preconceito. Os homens que falaram para esta matéria revelaram que falam pouco ou quase nada sobre isso com homens, nas rodas de conversa.

Não deixar sequer tocar no bumbum ou ter aflição de estímulos no períneo (aquela partezinha que fica entre o sacro escrotal e o ânus), ou no ânus propriamente, têm a ver, entre outros fatores, com o desconhecimento do poder que essa zona erógena do corpo feminino e do masculino tem durante uma transa.

Há muito tabu para pouco prazer. Assim, práticas sexuais como beijo grego (carícias com a língua no ânus), pegging (penetração anal feita pela mulher com brinquedos eróticos) e uso de cinta peniana (strap-on) ficam de fora da cama -- o que pode limitar a forma de explorar o corpo e de ter sexo de qualidade entre casais heterossexuais.

'Passada' de mão pode? 

Para o músico Fernando Heanna, 32 anos, heterossexual, a experiência de relacionar o prazer masculino ao toque anal não faz sentido. Nas relações sexuais, ele afirma, não vê problema nos "apertões na bunda ou nas passadas de mão", mas, não deixa que o contato se estenda até a região anal.

"Quando percebo a intenção, eu tiro a mão da pessoa, mudo de posição, essas coisas", explica. Para ele, não permitir que se explore o toque no ânus tem mais a ver com uma noção de higiene do que especificamente com preconceito.

"A princípio acho está mais relacionado à higiene. Nunca fui a um encontro esperando fazer isso, nunca me preparei pra isso. Também me acho feio ali, sei lá. Mas hoje eu noto que me sinto bem por nunca ter feito isso, e contrariar o que a sociedade quer me impor [a prática]. Isso porque, para mim, parece que a prática se tornou 'algo de progressista'".

Pornô com cinta peniana e mais prazer.

O fotógrafo Bernardo*, 35 anos, heterossexual, ao contrário, não vive essa restrição a respeito do seu prazer. Ele conta que, ao assistir filmes pornôs de strap-on (a cinta peniana) e de "inversão de papeis", acabou entendendo a região anal como uma possibilidade de ter satisfação no sexo. Tocar a área sozinho também foi um dos caminhos para desenvolver o interesse pelo contato anal.

"Eu fui descobrindo o prazer anal me tocando, vendo pornôs de strap-on, pegging e lendo sobre o tema. Por essa razão, sempre me sinto super à vontade para pedir isso para as mulheres ou 'dar a entender': pego a mão delas e sugiro".

Dividir a vontade de ter a experiência também fez parte da vida de Marcelo, que contou a história que abre esta matéria.

"Em um outro namoro, durante uma conversa, a minha ex disse que tinha medo de se machucar, mas tinha curiosidade. E perguntou o que eu achava. Eu disse que também tinha curiosidade e tinha lido que meu 'ponto G' fica no ânus e que tinha muita sensibilidade na região do períneo. Então, começamos a explorar, os dois", descreve.

Com a namorada atual, a exploração do prazer na área foi ainda mais natural. "Não houve conversa. A exploração acabou sendo mais no feeling do que no questionamento. Depois, ela me disse que estava preocupada em tocar meu ânus e tentar promover prazer por lá, porque com o ex dela era uma área proibida, rolava até briga. O mais legal disso tudo é que, além da busca de promover prazer ao outro, ela sempre me diz que sente muito tesão em explorar essas partes em mim".

Medo do prazer

A psicóloga e terapeuta sexual Paula Napolitano explica que há muitos motivos para que a penetração, o toque e até mesmo a apalpada no bumbum sejam "movimentos proibidos" para o homem (inclusive em relações homossexuais que acabam caindo em padrões de heteronormatividade).

"É uma questão comum no meu consultório. Nossa sociedade é bastante machista e o prazer anal é relacionado erroneamente à homossexualidade. Além disso, pornôs heterossexuais reforçam só a penetração vaginal [como acesso para o prazer masculino] e pronto", comenta.

A especialista avalia, ainda, que o homem não se permite sentir prazer anal por medo de perder o controle. "Por ele nunca ter feito, se pergunta o que vai acontecer, como vai reagir caso tenha um prazer enorme. Para não se ver nessa situação de exploração, acaba se reprimindo".

Sexualidade 'ampla' e como explorar o toque anal


Se abrir para experimentações na cama pode ser fonte de prazer. Já pensou nisso?

Paula explica que é preciso retirar a vida sexual de caixinhas, "do certo e do errado", e se abrir para experimentações de diferentes formas de estimulação no corpo. "A prática é feita pelo casal entre quatro paredes, então, se ele está querendo explorar ali com a mulher, decidir onde vai ser tocado, não tem nada a ver com sua orientação sexual".

A terapeuta sexual recomenda três passos para que o homem se sinta à vontade para receber o toque anal.

1) Entender que não tem nada a ver com relação homoafetiva: "Qualquer pessoa pode ter prazer anal. A próstata, aliás, pode ser ainda mais explorada por gerar muito prazer", diz a especialista.

2) Ter consciência de que é bom explorar o corpo todo e fazer preliminares. "A pessoa pode começar passando a unha, o cabelo, no corpo inteiro, inclusive no bumbum do homem. Ele vai ser estimulado como um corpo todo. Não é só pênis, seio e vagina que merecem atenção", diz Paula. "Não ir direto, como recomendamos para o contato com o clitóris, também é válido. Pode-se estimular o períneo, fazer carícias antes de ter penetração, ou até mesmo usar um vibrador na região".

3) Ler e conversar sobre o tema. "Isso pode gerar o aumento de intimidade do casal", explica a terapeuta sexual. "Já quem está em uma relação casual, é importante ir 'comendo pelas beiradas', e perguntar de forma verbal e não-verbal se a pessoa 'gosta lá'. O homem que quer ser estimulado no ânus, pode ir chegando perto do anus dela também, e reparar se ela se sente aberta para a experiência". "No sexo, nao tem nunca regra única, é observar e sentir o que a pessoa está gostando ou não".

*Os nomes dos entrevistados foram trocados a pedido deles para a reportagem.

SEXO

5 coisas que todo homem gostam no sexo (sem exceção)

É claro que você não deve se guiar somente pelas preferências do seu parceiro durante o sexo. Você também e que ambos atinjam o máximo de prazer.

NÓS AMAMOS OS PACOTES

Estes garotos são muito travessos e querem nos colocar de joelhos, querem sentir o desejo pelo seu pacote, onde eles guardam a ferramenta perfeita que se adapta a sua boca, nas suas mãos, a sua bunda... e fazem voce explorar o prazer!! Espero que apreciem...



ARTE HOMOEROTICA E QUADRINHOS ERÓTICOS







QUADRINHO EROTICO- EROTIC COMICS:


CumingOUT  -  PARTE 1


(PORTUGUES- ENGLISH VERSION- ESPAÑOL)


VEJA ABAIXO - VEA ABAJO- SEE BELOW

GATO IconMale

Tommy Defendi