terça-feira, outubro 29, 2019

HOMOSSEXUALIDADE

Passei o cheque. E agora?



Você está no vuco vuco com o boy, ele te cavalgando e você delirando de tanto prazer. Eis que, no meio do entra e sai, surge um cheirinho desagradável no ar.

Na mesma hora, você sente algo molhado descendo e se dá conta de que passou o cheque.

O que fazer nessa situação?

Não se preocupe, acidentes acontecem – por mais que façamos de tudo para evitá-los. A triste verdade é que, em relacionamentos mais íntimos, cedo ou tarde você vai receber ou passar o pré-datado. Aceite que dói menos!

Você “checou”? Faz parte! Ninguém disse que sairiam flores dali…

Desculpe-se e vá se lavar imediatamente. Mas não faça escândalo, caso contrário só irá potencializar o constrangimento. Aja naturalmente.

Tem boy que mesmo após o cheque não se incomoda em continuar o babado – claro que isso varia com a quantidade de merda que fica grudada na rola dele.

Se foi “checado”, não fale nada. Desenrole a camisinha ao contrário, isolando o conteúdo sujo, e procure um cesto de lixo.

Você é iniciante? Avise o seu parceiro! Ele entenderá que você ainda tem pouco conhecimento do seu corpo. Se, literalmente, der merda, o constrangimento é menor.

O pós cheque é realmente constrangedor, mas a atitude do ativo é que vai definir o rumo da coisa.

Caso ele não se incomode e seja compreensível, continue sem temer. Se ele reclamar, corte-o da lista de potencial boy magia e vá pra casa com a dignidade que ainda lhe resta.

Não precisa chorar, gato. O cheque está para os passivos assim como brochar está para os ativos. Todos passarão por uma das duas situações em algum momento da vida.

Há quem diga, inclusive, que comer cu é que nem participar de amigo secreto: são grandes as chances de ganhar um chocolatinho de presente.

No fim, é como a Vê sempre fala: tudo é bagagem!

Nenhum comentário:

Postar um comentário