sexta-feira, outubro 04, 2019

HOMOSSEXUALIDADE

Dois gays passivos podem namorar?



Era uma vez um lindo casal de homens gays. Sim, neste conto de fadas não tem fada nem princesa. Também não tem cavalo branco, mas tem amor e muita, mas eu diria MUITA, magia. Tem dois príncipes e, no caso, os dois são encantados.

Eles se conheceram em uma festa no auge dos seus 20 e poucos anos, mas já na primeira conversa a química foi tão forte que era como se se conhecessem de toda vida – ou de outra vida, quem sabe.

E eles fechavam em tudo: riam das mesmas piadas, tinham os mesmos interesses, os mesmos objetivos para o futuro e, como se já não fosse pedir demais, eram ambos gatos e sarados.

Almas gêmeas? Quase isso!

Eis que, quando chegou a hora H, nossos príncipes encantados da era moderna encontraram sua primeira grande incompatibilidade: os dois eram passivos.

E agora? Eles vão bater bunda!

E daí, o que fazer nessa situação?

Você finalmente encontra o cara que sempre sonhou, mas ele te surpreende na cama virando de bunda para cima – quando tudo que você mais queria era levar uma piroca no meio do rabo.

Como lidar se o seu coração bateu mais forte por um boy magia que curte a mesma coisa que você?

Todo mundo sabe que, em uma relação gay, caras passivos procuram os ativos e vice-versa. O problema é que essa busca nem sempre é tão racional, e a posição na cama é, na verdade, apenas um dos vários atributos a levar em consideração na hora de conhecer um possível parceiro.

É importante lembrar que gays não são definidos por preferências sexuais, e um relacionamento vai muito mais além que explosão entre quatro paredes – ou na mesa da cozinha, do escritório, da sala de jantar…

Sexo é, sem dúvidas, muito importante em uma relação, ninguém ousaria dizer aqui o contrário. Mas, no final do dia, o que importa mesmo é o companheirismo.

Para existir intimidade e empatia é preciso conversa, parceria, conhecimento um do outro, admiração e encantamento. E esses são sentimentos que nem o melhor frango assado pode trazer.

Por que conformar-se com apenas 50% de prazer?

Tem gente que diz que diversificar é preciso. Eu não seria tão radical na afirmação.

De nada adianta forçar algo que não tem vontade só para agradar o outro. Sexo deve ser bom para ambas as partes, sempre. 

Agora, o que acontece é que muitos gays decididamente passivos, depois de se apaixonar por um versátil mais inclinado à passividade, acabam assumindo outra posição para satisfazer o parceiro. E descobrem que podem ser ativos, sim, porque dar prazer ao outro é o que lhes dá prazer.

Você é um passivo totalmente resistente com a ideia de penetrar o parceiro? Tente entender o que ser ativo significa para você e quais são seus medos e bloqueios com relação a isso.

Às vezes a apreensão pode vir do medo pelo desconhecido, quando é a primeira vez. Ou por não querer frustrar a expectativa do parceiro, já que “comer cu” não é bem a sua praia.

A boa notícia: você sabe exatamente como agradar o seu homem! 

Sim, a dica é fácil: faça exatamente o que gostaria que um ativo fizesse com você!

Porém, se chegar à conclusão de que realmente não gosta, não se imagina, nem tem a menor vontade (mesmo que isso represente o seu boy delirando de tesão), fique tranquilo, nem tudo está perdido.

Há outras maneiras de driblar a falta de penetração…

Um comentário:

  1. Namorar, até podem...
    Se vai ser duradoura esse relacionamento, só o tempo dirá.
    Eu, acredito que o sexo com a penetração, seja importante em qualquer relação.
    E como pode??
    Se os dois são passivos, e jogam na mesma posição!!
    De nada adianta forçar algo, que não se tem vontade, só para agradar o parceiro.
    Ficamos na torcida, e que ambos escolham a melhor forma possível de se satisfazerem.

    ResponderExcluir