terça-feira, outubro 15, 2019

MINHA VIDA GAY

Por que é um problema ser gay afeminado?



Na noite de ontem um jovem gay postou sua opinião a respeito dos afeminados no Twitter.


Por "bixona loca" o jovem entende gays com trejeitos femininos, os chamados afeminados.

Depois de receber algumas mensagens indicando que seu comentário soava preconceituoso, ele tuitou:


Entre ontem e a publicação deste post, o jovem realizou mais 29 tuítes defendendo seu posicionamento. Já na busca do Twitter é possível encontrar cerca de 600 mensagens relacionadas ao jovem, inclusive respostas dada por ele a outros usuários do Twitter.

Grande parte do debate é: o que tem de errado em ser "bicha louca" e porque um gay chamar o outro dessa forma não é bom?


Este debate vem acontecendo há um tempo e em abril de 2014, o produtor cultural cearense Thomas Saunders levantou a bola com a campanha Sou/Curto Afeminado.


Além dele, o Canal das Bee abordou o tema no vídeo "É gosto, não é preconceito", no qual os youtubers Mola e Debora afirmam que o "gosto é socialmente construído".


Para Mola, "se gosto fosse algo natural a gente não conseguiria encontrar padrões de gostos (diferentes) em cada cultura".


"Quando você diz que uma coisa é sua opinião você não blinda ela, você não torna ela seu argumento inviolável, a sua opinião pode estar errada", completa ele.


O preconceito contra os afeminados é real, afirma Pedro HMC, do canal "Põe da Roda", que é dedicado a vídeos de humor sobre a comunidade LGBT.


"É como se a sociedade, e até o próprio meio gay, olhasse o afeminado com reprovação, afinal ele está negando a masculinidade, algo que o tornaria 'superior'", afirma.


Para Luiz Henrique, mestre em Comunicação e Cultura pela UFRJ e ativista pelos direitos humanos, o preconceito contra os afeminados fica evidente em aplicativos voltados ao público gay:


Em resumo, é importante lembrar que antes de afirmar que é “apenas uma questão de gosto”, não curtir os afeminados, você pode estar reproduzindo um comportamento machista e preconceituoso.

6 comentários:

  1. Então a resposta é ser obrigado a sair e curtir afeminados (sexualmente falando)? Acho q aplicativos de pegaçao nao sao bons argumentos pra validar o preconceito, ja q nos mesmos a ultima coisa q as pessoas estao procurando é amizade ou namoro. E como cada pessoa tem uma atração por tipos mais especificos, nao acho legal essa imposiçao de ter q se submeter e atender aos desejos dos afeminados. É engraçado q dizer "não curto afeminado" é tratado como se o mundo fosse acabar. Agora, quando um afeminado diz "so curto pau grande", ai nao é preconceito. Quando o afeminado procura apenas corpos musculosos de academia (o q nao tem haver sobre masculinidade e feminilidade) e rejeita os outros tipos fisicos, dai nao é preconceito. Grindr, Hornet, etc, são so açougue, as pessoas estao ali a procura do q mais a excita sexualmente, e nao estao a procura de amigos e etc (cuja as caracteristicas fisicas nao importam). Ja tentei fazer amizade com caras q nao me atraem sexualmente, e incluse ja tentei transar com caras q nao me atraem, e sabe o resultado: frustaçao total. Os q diziam querer amizade, so estavam esperando uma oportunidade pra transar. E sexo sem vc se sentir atraido é horrivel.

    O guri nao ta errado no q ele disse, ele pode nao ter utilizado as melhores palavras ao se referir aos afeminados. Mas uma coisa é certa: o meio gay ultimamente força muito os mesmos a serem e agirem de forma afeminada (muito mais do q cobrar q os mesmos ajam como masculinos). Hoje em dia, se vc nao é a "bicha barraqueira"/"bicha louca" (se vc nao é o esteriotipo classico), vc é excluido e as vezes até chamado de homofobico (mesmo q vc so fique no seu canto, sem mexer com ninguem).

    Ja era uma vez quando os gays defendiam a diversidade em sua comunidade. Hoje em dia ta tudo um cabo de guerra: ou vc segue um esteriotipo masculino ou feminino (e qualquer lado q vc escolher ser, vc vai ser atacado pelo outro lado. E ai se sair da linha comportamental imposta). Os gays ja esqueceram q eles podem ser quem quiser sem ter q ficar devendo pra ninguem.

    Inclusive é engraçado q quando os masculinos tentam monstrar q existem e q podem ser o q quiserem, vem os afeminados dizem q estamos nos escondendo entre os heteros, q estamos buscando a aceitaçao dos heteros, q vamos casar com mulheres, termos uma "vida hetero" e ficar saindo escondido. Se isso q os mesmos fazem nao é preconceito tambem, entao nao sei o q é preconceito.

    A minha vida toda teve gente querendo dizer como eu deveria viver minha vida, nao serão os afeminados agora q vão dizer como eu devo ser ou me comportar.

    ResponderExcluir
  2. Outra coisa interessante é esse papo de "construçao social". Sempre utilizado pra tentar dar um de "eu to certo, vc ta errado e tem q agir e ser como eu digo". Pois se ser masculino é uma "construçao social", entao ser afeminado tambem é. Afinal, ambos comportamentos masculinos e femininos estao na sociedade, vc so se adequa à aquele q mais te faz feliz. Vc so nao pode dizer q um comportamento esta errado pros outros e nao pode impor seu comportamento aos outros, exigindo q eles tambem ajam assim. O comentarios do guri diz exatamente isso: q ser gay não ter q ser uma coisa imposta ou outra, vc escolhe o q vai querer ser. (Mas a militancia deixa as pessoas cegas, fazendo com q as mesmas q antes defendiam a "liberdade", agora imponham seus modo de vida pra cima dos outros.)

    So tenho uma coisa a dizer: nao sou obrigado a nada!

    ResponderExcluir
  3. Não é desta forma que devemos tratar ao tópico, mas o respeito com as diferenças. É claro que cada um têm suas preferências mas como lidamos com ela. Ninguem gosta de ser criticados por tomar uma posição que ofende a sua.É o cuidado com as declarações que podem tornar se ofensivos, ultrapassando o limite do respeito. Todos somos humanos e sujeitos a falhas, mas somos hoje, o que a vida nos colocou na condição do que somos. Porque a vivencia de um é diferente do outro. É tratar o outro como se fosse com você. É quando chegamos, na conclusão, de se pôr no lugar do outro a quem criticamos.

    ResponderExcluir
  4. NÃO é gostoso conviver na harmonia das diferenças, na amizade, uns ajudando os outros, todos sorrindos ao invés de insultos, agressões desnecessárias por um ponto de vista diferente dos demais? Brigas, agressões são cenas desagradáveis que vemos todos os dias. Mas uma cena de aceitação, de tolerância, de aceitação, são sempre benvindas e deixa o nosso dia mais prazeroso e leve diante das nossas dificuldades individuais.

    ResponderExcluir
  5. Compactuo do primeiro comentário.. Não sinto atração por homens afeminados.. e não é preconceito é questão de desejo sexual.. Agora, ficar escrevendo que preferem o pau GG pra mais, não seria a mesma coisa, dos que negam os afeminados.. ué
    Não sou obrigado a me portar como uma mulher para ser quem eh sou..
    Esse é o problema da humanidade querer encaixar todo mundo dentro de sua caixinha.. inclusive o mundo lgbt

    ResponderExcluir
  6. Afeminado ou não!!!
    No nosso país, hoje em dia com essa homofobia.
    Sempre será um problema ser "GAY"
    Se as pessoas tomassem conta da sua própria vida...
    E olhassem mais para o seu próprio umbigo...
    Tudo seria mais tolerável.

    ResponderExcluir