segunda-feira, outubro 21, 2019

NOTICIAS DO MUNDO GAY

A Deputada federal ataca sexualidade de Filipe Martins, assessor da presidência.




A deputada Joice Hasselmann disse em discurso que respeita os "viados" assumidos, mas que os que fazem pinta de machões não merecem seu respeito.

eputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) apelou para um ataque considerado homofóbico contra o assessor especial da Presidência, Filipe Martins, um dos principais articuladores do escritor Olavo de Carvalho no governo Jair Bolsonaro, em meio à guerra interna no PSL.

Após o assessor afirmar que a manobra para colocar Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) na liderança do PSL, na noite da última quarta-feira (16), foi uma “escolha” e não um “eco”, a parlamentar chamou o colega de “frouxo”.

“Respeito os 'viados' assumidos. Os que são corajosos. Os que se escondem no conservadorismo, fazem pinta de machões escondidos em suas pseudos canetas e ficam mandando indiretas como se fosse 'machos' não merecem meu respeito. Frouxo é frouxo, não importa o posto que tenha”, tuitou Joice.

Douglas Garcia, deputado estadual pelo PSL em São Paulo, rebateu a publicação, dizendo que Joice teve “mais de um milhão de votos para ser fiscal da vida íntima dos outros”. Ele também recebeu o troco da deputada após a postagem.

"Agora o Congresso tem uma parlamentar que se preocupa com a saída do armário alheia. Basicamente ela disse que só os "viados" assumidos podem ser machos, os discretos não. Vejam só: mais de um milhão de votos para ser fiscal da vida íntima dos outros", disse.

“Sentiu o baque, mona?”, tuitou Joice.

Evandro Santo relata agressão homofóbica após show: ‘Covardia’.


Evandro Santo, ex-Pânico, relata agressão após show: ‘Homofobia e covardia’. 


Humorista fez uma publicação nas redes sociais contando o episódio, que aconteceu depois da apresentação do ator em uma casa noturna de Marília.

O humorista Evandro Santo, ex-Pânico, relatou ter sido agredido na noite desta sexta-feira (18), em Marília (SP).

A agressão, segundo o humorista, aconteceu logo após um show de comédia que ele apresentou em uma casa noturna na cidade.

Com uma foto onde aparece com o rosto inchado, o humorista usou as redes sociais para falar sobre o episódio. A postagem já teve mais de 16 mil reações no Facebook.

“Esta não é uma foto bonita e nem legal. Esta foto mostra o quanto devemos ter cuidado com pessoas com aparência ‘normal’, porque o ódio e a homofobia não tem cara.”
O agressor teria participado minutos antes de um quadro do show onde ganhou um selinho do humorista.

“Ele super aceitou bem, fez o Tinder, ganhou um selinho meu, deu risada assim como a moça ganhou um meu e deu risada. Saiu do palco de boa.”

Depois que o show acabou, ao sair do banheiro, o ator conta que foi surpreendido pelo rapaz e levou um soco no rosto.

“Saí tão passado que fui direto para o hotel. Não apanho desde os 13 anos de idade, por qualquer motivo.”

Humorista também disse que vai registrar um boletim de ocorrência na delegacia por conta da agressão.

“Vou na delegacia fazer o B.0 e vou fazer todos os processos possíveis do mundo por agressão, homofobia e covardia. Por que o cara não me bateu no palco? Por que esperou eu ir no banheiro e estar sozinho?”, questionou.

Ainda segundo a assessoria, como o ator tinha compromissos em São Paulo, decidiu não aguardar. Assim, a equipe informou que vai registrar o BO na capital e processar o agressor por homofobia e danos morais.

Já um dos sócios da cachaçaria onde o show foi realizado disse, por telefone, que não sabe o que motivou a agressão, mas que lamenta o ocorrido. Disse, ainda, que a empresa é contra qualquer tipo de violência e homofobia e que o rapaz foi retirado do local por amigos logo após a agressão.

O sócio também confirma que o artista perguntou em um determinado momento do show “tem alguém solteiro para subir no palco?” e que o suposto agressor se ofereceu para participar por livre e espontânea vontade.

Após agressão, transexual morre na Zona Sul de São Paulo.


Mais um crime envolvendo agressões contra pessoas trans! Desta vez, uma transexual chamada Lorena Vicente morreu na tarde de terça-feira (15) após ser agredida. O crime consumou-se na Avenida Fim de Semana, no Jardim São Luís, na Zona Sul de São Paulo.

Na verdade, o irmão de Lorena, Petherson Roberto, foi morto dois anos antes do acontecido, por defender a irmã de ataques transfóbicos, que, segundo informações, eram recorrentes.



A irmã de Petherson e de Lorena, ao prestar depoimento à polícia, ressaltou que o crime foi motivado por uma briga de Lorena com um rapaz. Desse modo, ela foi socorrida pelo Samu ao Hospital do Campo Limpo onde morreu.

Vale frisar que, recentemente, outra morte envolvendo uma mulher trans chamou atenção. Na Grande Fortaleza uma travesti foi morta a tiros enquanto tomava banho. O crime aconteceu na noite de sexta-feira (20). A travesti se chamava Bruno Batista de Freitas, conhecido como “Bruna Surfistinha”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário