terça-feira, novembro 05, 2019

MINHA VIDA GAY

O jornalista Matheus Ribeiro dá entrevista para Veja sobre homossexualidade e namoro com PM.




O jornalista Matheus Ribeiro, que apresenta o Jornal Anhanguera 2ª Edição, da TV Anhanguera, afiliada da TV Globo em Goiás, concedeu entrevista à revista Veja e, a dias antes de assumir a bancada do Jornal Nacional, falou sobre homossexualidade e o namoro com o policial Yuri Piazzarollo.

“Sim, estamos juntos há oito meses. Nós nos conhecemos no Carnaval de Salvador deste ano. Yuri (Piazzarollo) é capitão da PM em Rondônia. Sempre recebi mensagens de seguidores falando sobre isso e tinha uma resposta pronta: minha vida particular não deveria ser um atrativo. Tenho o direito de me resguardar em algumas situações. Meu lado pessoal é pessoal, e ponto. O lado profissional é outra coisa”, explicou Matheus, que falou sobre revelar publicamente sua orientação sexual, se tornando o primeiro jornalista gay assumido a comandar o JN.

“Lá atrás, tinha receio de que, quando essa característica viesse a público, eu me prejudicasse. Felizmente, para minha grata surpresa, isso não ocorreu. A TV Anhanguera, onde trabalho, e a Globo têm uma mentalidade aberta para valorizar as competências, a despeito de qualquer outra característica. A maior contribuição que posso trazer é mostrar meu trabalho sem me prender a essa questão pessoal. Para combater a homofobia, não preciso ser hétero nem gay: preciso ser apenas humano”, disse ele, que também falou sobre revelar o namoro com o PM, que foi uma decisão conjunta dele e de Yuri.

“É natural as pessoas terem curiosidade, mas houve situações que eu e Yuri achamos desrespeitosas. Alguns comentários envolvendo religião, Deus, dizendo que não éramos corretos. Sou um cara que tem uma fé muito viva. É preciso respeitar a liberdade religiosa. Estou muito bem com Deus. Ao postarmos aquela foto, nós tiramos o poder de qualquer pessoa de dizer maldades. Não tenho nada a esconder de ninguém. Isso me aliviou.”

23 coisas que todo jovem gay fazia quando ninguém estava olhando.




1. Gastar um tempo perto das embalagens de cueca enquanto sua mãe via outras coisas nas lojas Pernambucanas.




2. Pegar o catálogo de roupa íntima para conferir "aquelas" páginas.




3. Na área pornô da banca de revista seu olhar funcionava mais ou menos assim:




4. As revistas "Capricho" da sua irmã tinham que servir para alguma coisa.




5. E as Playboys também.



Quase toda Playboy tinha uma propaganda de perfume com um modelo bem gato.


6. No verão, a revista "Caras" era, digamos assim, muito bem recheada. E era deste jeito que você enxergava as fotos:



Quem nunca arrancou uma página de revista de uma sala de espera qualquer para levar para casa não sabe o que é emoção.


7. Continuando a brincadeira, era assim que você enxergava a banheira do Gugu.



O melhor programa de entretenimento já criado na televisão brasileira. Feito para todos os gostos.

8. Impressionantemente, foi na época de "Kubanacan" e "Uga Uga" que você começou a gostar de novela.




9. Falando em novela, quem nunca dançou com os panos da casa igual a Jade que atire a primeira pedra.




10. Ou fez cabelo com uma toalha ou camiseta na cabeça que atire a primeira lata de laquê.



Muito chique este penteado coque banana.

11. Era muito difícil esperar o Cine Band Privê na esperança de ver alguma coisa.



Mas só aparecia peito, uma decepção.

12. E você assistia "Os Assumidos" com o controle na mão, pronto para mudar de canal se alguém entrasse no quarto.




13. Era muito bom assistir o "Noite Afora" com a tchitchia Monique e o Wilson.



Por onde será que anda Wilson?


14. E esta cena de "A Lagoa Azul" ficou cravada na sua memória.


15. Se você fosse rápido, conseguia gravar várias coisas em uma fita VHS para ver depois, como este episódio do Programa Sandy & Junior.



16. Com certeza, você já usou um 'nick' falso para entrar nas comunidades de imagens eróticas do bate-papo UOL.


17. E anotou os links das fotos pornô num papel, para ninguém encontrar nada no computador e você poder rever as fotos depois.



18. Aliás, na época da internet discada, ver foto pornô era uma lerdeza só:



Carregava um centímetro da foto por minuto.

19. E a maldade que eram as fotos apenas para assinantes no site "Paparazzo"?



20. Igualmente para os ensaios do "The Boy", do portal Terra.



21. Mas quando a internet estava muito ruim, o jeito era ler contos eróticos mesmo.


22. Ou ler o Terceiro Travesseiro.



23. E para finalizar, quando você era obrigado a fazer um esporte, escolhia "certos" esportes justamente por causa de "certos" trajes.



3 comentários:

  1. Hahahahah...
    É tudo verdade, agora passou um filme em minha cabeça, uma retrospectiva...
    Eu, adorava também assistir a novela brega & chique, (globo/19:00hrs)
    Só para ver aquele gato de bumbum de fora na abertura (pelado, pelado nú com a mão no bolso...), Tenho este refrão gravado em meu cérebro, desde então já gostava de uma bundinha de macho, aquela visão me intorpecia.
    Ficava todo excitado, mas nem piscava, não tirava os olhos da tv,
    Só para ter certeza de que não iria
    aparecer algo a mais.
    Bons tempos cara...
    A gente era feliz e não sabia.
    Hoje, com tanta tecnologia, basta um click, e você tem tudo ao alcance de seus dedos.
    Não, que Eu não goste... adoooooro.
    Mas tenho que me policiar (+), tá tudo muito fácil.
    Vicioso.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo-Verdade cara, essas coisas aconteceram com muita gente...e aliás, para quem não sabe, eu entrava na sala de bate papo uol e mandava fotos para a galera se deliciar...será que alguem viu as sequencias de fotos que enviava?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza,( Andy) muitos devem terem vistos e se deliciaram, k peninha, menos Eu!!!
      Um abraço

      Excluir