quinta-feira, novembro 14, 2019

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Arábia Saudita rotula feminismo, ateísmo e homossexualidade como ‘extremismo’.


Apesar de reino ultraconservador querer passar imagem de tolerante, vídeo promocional publicado em conta oficial classifica movimento de mulheres, homossexualidade e ateísmo como ‘ideias radicais’ e inaceitáveis.

Um vídeo promocional da Arábia Saudita publicado pela agência de segurança estatal classificou o feminismo, a homossexualidade e o ateísmo como “ideias extremistas”. A publicação foi postada no final de semana numa conta oficial do reino ultraconservador.

“Não se esqueça de que o excesso de qualquer coisa à custa da pátria é considerado extremismo”, ressaltou o vídeo. A publicação afirmou ainda que “todas as formas de extremismo e perversão inaceitáveis”.

O vídeo foi publicado em meio à tentativa do governo de atrair investimentos estrangeiros para transformar a economia do país, dependente de petróleo. Para isso, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman lançou medidas para abrir a sociedade, começou a emitir vistos para turistas e pretende promover no exterior a imagem de um país mais tolerante.

A legislação saudita prevê a pena de prisão para a participação em grupos considerados extremistas pelo governo. A homossexualidade e o ateísmo também são ilegais e puníveis com pena de morte no reino ultraconservador.

Vídeo de jovem gay enfrentando homofóbico na escola viraliza nas redes sociais.




Jordan Steffy, um adolescente gay estudante da escola LaPorte High School, em Indiana nos Estados Unidos, viralizou nesta semana depois que compartilhou um vídeo de si mesmo confrontando um valentão que o ridicularizou por ser gay.

Jordan decidiu confrontar um de seus agressores quando descobriu que seu colega de classe havia feito um post público no Snapchat usando uma foto sua e escrevendo várias ofensas homofóbicas: “Acordei e me encaminharam aquilo! Fui até ele e perguntei: Pra que fazer isso? Decidi que era a última vez que eu ia tolerar ele me chamando de qualquer coisa!”, disse o garoto ao Insider.

Após questionar o homofóbico o porquê da publicação, Jordan ouviu a seguinte resposta: “Porque quis! Vai fazer o que agora, sua bicha?”. Foi então que Jordan partiu para a agressão física. “Eu cansei! É absurdo o monte de ódio que eu recebo todos os dias simplesmente por ser eu mesmo!”, afirmou. Dois vídeos gravados separados por colegas de classe, mostram Jordan se defendendo do valentão.

Por conta da agressão, Jordan acabou sendo suspenso da escola. No entanto, muitas pessoas, principalmente da comunidade LGBTQ, saíram em defesa de Jordan e elogiaram a sua atitude. “Eu realmente não posso acreditar que as pessoas estão por perto para me dizer que não há problema em me defender”, comemorou.

Após descobrir que o filho é gay, pai corta garganta do garoto.



Segundo o site Viral Tab, um pai, inconformado com a homossexualidade do filho, resolveu atacar o garoto com golpes de faca, atingindo-o na garganta. O crime consumou-se na cidade de Berna, na Suíça.

“Você é gay?”, teria questionado o agressor antes do ataque. Além do mais, o garoto preferiu ter sua identidade preservada, pois é muçulmano e cresceu dentro de preceitos muito rigorosos.




Ainda, segundo testemunhas, os vizinhos, ao notarem uma movimentação suspeita, acionaram os serviços de segurança, que logo prenderam o criminoso. O menino, no entanto, disse que levará o trauma para o resto da vida.

“Vejo os ferimentos no espelho ou quando tiro selfies. Eles vão me acompanhar pelo resto da minha vida”, contou o adolescente, que teve que entrar em luta corporal com o pai para estar vivo hoje.

“Escândalo gay” teria impedido príncipe brasileiro de virar vice de Bolsonaro.

Jair Bolsonaro e príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança

Uma reportagem da revista Época desta quarta-feira (13), revelou que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tinha interesse em chamar o príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança para ser seu vice em 2018, mas acabou desistindo após saber de um boato que ele seria gay.

Através de uma reportagem, a publicação conta que o caso aconteceu logo após o braço direito de Bosonaro, o advogado Gustavo Bebianno dizer que o príncipe teria participado de uma suruba gay.

“Bebianno armou e não queria que eu fosse o vice. Ele disse ao presidente que haveria um dossiê que tinha fotos minhas, segundo um amigo me contou na ocasião. O dossiê foi usado porque era domingo de manhã e era o último dia para protocolar quem seria o vice. Ele não queria colocar um militar, inicialmente”, disse Orleans e Bragança a ÉPOCA.

Conforme o príncipe, apenas depois de mais de um ano do equivoco, que o presidente veio pedir desculpas. O fato aconteceu na última terça-feira (12). “Sei que esse tipo de armação ocorre a todo momento. Sei que circulam informações falsas. O dossiê era de fotos que eu fazia uma suruba gay e que eu batia em mendigo”, contou o deputado.

Inclusive, a fake news envolvendo o príncipe teria chegado até em Alexandre Frota. Segundo ex-ator pornô, Bolsonaro até chegou a perguntar para ele se realmente o o príncipe Luiz Philippe era homossexual.

Ladrão de Calcinhas ataca varais em MG, é preso com mais de mil peças e estava usando um dos modelos!


Cercas, varais e lojas. Esses eram alguns dos locais escolhidos por um ladrão de calcinhas e sutiãs preso com 1.045 peças íntimas escondidas no quarto de sua casa, em Turmalina, cidade no interior de Minas Gerais. Durante a abordagem, os policiais militares foram surpreendidos ao perceberem que o homem, de 41 anos, estava usando uma das calcinhas.

Com base no número de peças apreendidas, é possível dizer que muitas das 8.880 mulheres que fazem parte da população do município, no Vale do Jequitinhonha, já foram vítimas dele, preso, de acordo com a Polícia Militar, pela segunda vez pelo mesmo crime.

Ainda segundo as informações da PM, as mil calcinhas e os 45 sutiãs foram encontrados em vários locais do quarto dele: debaixo da cama, dentro do colchão e no guarda-roupas. Em 2015, os furtos de 301 peças íntimas ocorreu em Capelinha, cidade vizinha a Turmalina.

“A Polícia Militar foi até a residência dele, no Bairro São João Batista, para darmos cumprimento a um mandado de prisão por furto. Durante as buscas, encontramos as peças íntimas”, fala o tenente André Dale. Havia roupas íntimas novas e usadas, de várias cores e modelos.

O tenente explica que a PM já recebeu diversas reclamações de mulheres relatando furtos de suas peças íntimas. Porém, muitas vítimas não registram boletim de ocorrência por medo, receio ou vergonha.

Ao ser questionado pela PM, o homem não deu detalhes sobre os furtos, apenas disse que cometia os crimes em vários locais. Ele foi levado para a delegacia da cidade. O G1 tenta mais informações com o delegado responsável pelo caso.

Stylist é agredido por filhos de síndica no prédio onde mora: “Não queremos viado no condomínio”.


Conhecido por vestir artistas como Lexa, Urias e Matheus Carrilho, o stylist Olavo Dias é mais uma vítima da homofobia. Em um desabafo feito em seu perfil no Instagram, Olavo afirma que foi agredido no condomínio onde mora, no Largo do Arouche, em São Paulo, no último sábado (09/11), após uma discussão com seu namorado.

Em entrevista ao Dentro do Meio, o stylist conta que logo após o desentendimento com o namorado foi abordado pelos dois agressores, filhos da síndica do condomínio. “Pedi desculpas e eles foram superagressivos dizendo que tínhamos acordado o prédio todo e que aqui era um ambiente familiar e não era permitida essas ‘viadagens’”, disse.

O stylist rebateu os agressores dizendo que eles estavam sendo homofóbicos. Foi então que as agressões físicas começaram. Olavo conta que foi levado às escadas do prédio, onde não havia o alcance das câmeras de segurança. “Eu gritava dizendo que ia chamar a polícia e um deles tirou uma arma da cintura dizendo que era policial e que era para eu sair do apartamento o mais rápido possível porque eles não querem saber de viado aqui no condomínio”, contou.

A vítima firma que nunca tinha visto os rapazes e só soube que eram filhos da síndica quando os dois falaram: “você sabe com quem está falando?”. Apesar do medo, Olvado conta que um boletim de ocorrência e o exame de corpo delito já foram feitos. “Confesso que estou com medo mas não vou me calar, não podemos nos calar”, desabafou.

Um dos suspeitos do grupo acusado de dar 22 facadas em jovem é preso.




A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), por meio de investigadores da 18ª Delegacia de Polícia (DP) de Brazlândia, prenderam nesta sexta-feira (08/11) um dos homens suspeitos de esfaquear Felipe Augusto Correia Milanez, de 23 anos. Os investigadores seguem os trabalhos para deter os demais envolvidos.

De acordo com a Polícia Civil do DF (PCDF), Gustavo de Sousa Marreiro, 19 anos, foi preso, suspeito de ser um dos participantes do grupo. Os policiais procuram Jean Lima da Silva, de 20 anos, e Rickelmy Martins Batista de Carvalho, de 18 anos. Os dois foragidos também teriam agredido Felipe na madrugada do dia 7 de outubro. A Delegacia da Criança e do Adolescente II (Ceilândia) está atrás dos menores que supostamente estiveram envolvidos.

Segundo informações do portal Metrópoles, as diligências em busca dos envolvidos começaram logo no dia do ataque. A conversa com a vítima, no entanto, demorou por causa do estado de saúde do jovem. Gustavo foi preso em decorrência de mandado de prisão preventiva solicitado pela 18ª DP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário