terça-feira, março 03, 2020

SEXO

"TÔ APAIXONADO PELO MEU AMIGO HÉTERO"- Quem nunca sonhou em transar com o amigo hétero mais popular da turma?

É difícil o gay que não passou por isso!



Sonho oculto da adolescência, vontade consciente da maturidade, impossível encontrar um gay que não tenha desejado um relacionamento com um hétero.



Quem nunca sofreu, enrustidaço, com medo de contar até para o melhor amigo, do amor pelo professor sarado, pelo gato da rua que comia todas ou pelo vizinho gentil e romântico que se insinuava com roupas indiscretas!



Independente dos ídolos, a figura masculina heterossexual é idealizada, tanto por mulheres, quanto por homossexuais, porque transmite segurança, força e pegada firme na cama.


Assim, se um homão te deixa suspirando de paixão é porque ele te passa uma série de qualidades que saltam aos olhos, próprias de um bom macho. E você, admita, está louco para se submeter e ficar, literalmente, de quatro por ele!



Mas uma dúvida enorme passa pelas cabecinhas coloridas dos gays: tem chance de dar certo? Posso ser correspondido nesse amor platônico? Consigo levar um homem desses para a cama? Difícil alguém responder com certeza a essas questões. O amor ou a sexualidade é muito complexa e não cabe em rótulos de sim ou não!


E vamos combinar que não existem unicamente os machões e os boiolas. Entre esse universo de duas pontas, existe uma diversidade de héteros que fazem sexo com outros homens, eventualmente.


Há os bissexuais assumidos, que transam com mulher e com homem, sem vergonha nenhuma. Os não assumidos, que dizem pra todo mundo ouvir: não sou gay, só como! Os casados ou comprometidos com mulheres, mas que adoram uma comidinha extra, principalmente se for uma rosca crua de bofe.


E existe, ainda, nos dias atuais, cheios de permissividade e oferta, o explorador sexual, que adora provar coisas diferentes e misteriosas. E provar uma rosca de boy é uma novidade e tanto! Mas, bofes, caiam na real, mesmo que ele goste da experiência, vai ser difícil que o macho, de um dia para o outro, comece a virar a mãozinha!


Sabe-se, no entanto, que a masculinidade é discutível, e que mesmo os héteros mais convictos passam por situações de atrações por pessoas do mesmo sexo, pelo menos em algum momento da vida. E a maioria não se arrepende de ter tido um caso com um boy colorido.


Nunca percebeu olhares cobiçosos, dirigidos a paus enormes ou a corpos sarados, seja em banheiros masculinos, saunas, praia ou piscina? E quantos outros, além dos olhares, se insinuam e até se roçam, como que somente para ficarem molhadinhos e tesudos, mas sem coragem de ir além disso.



Voltamos então à pergunta original: é possível um gay conseguir se relacionar com um hétero? Com base em todo o exposto, é claro que sim! Mas, que fique bem claro, será uma relação passageira e curta, sem chance de ir além de uma bela trepada ou de uma noite de orgia.


Existe, ainda, outra pergunta: vale a pena? Na real, o que vai sobrar é um coração partido, um fundo de poço ou o pior de tudo, você grudar nele esmolando um encontro. 


Pode ser até que ele arraste uma asinha por você ou fique por um tempo na tua. 


Mas, sério, isso não vai durar muito! Nunca vai assumir uma relação legal e duradoura que satisfaça um padrão de amor e sexo.


Não se iluda! Do mesmo jeito que um cara gay gosta de homem, e isso é só uma linha desse livro tão complexo, chamado amor, o machão também não vai deixar de ser hétero somente por esses episódios pontuais, de ter se enrolado por um homo ou da transa ter sido ma-ra-vi-lho-sa.


Entre uma coisa e outra, existe a vida real do cara e o medo da reação externa a respeito dessa questão. E no meio disso tudo, uma possível mulher que acena com muito mais possibilidades do que um bofe: família considerada normal, filhos, equilíbrio emocional e social e tantas outras.


Finalizando, se quer ter um relacionamento com um machão, que seja sem a ansiedade do compromisso. Vá, faça o que tiver que ser feito, aproveite, mas não espera nada! Para não sofrer! Foi somente um amor de carnaval ou uma paixão de umas férias de verão! Acredite, são relatos de quem já passou por isso!



3 comentários:

  1. Na minha adolescência, me apaixonei pelo meu professor de educação física.
    Marcello este era o seu nome.
    Lindo de se ver, todo forte malhado, usava aquelas calças de moleton, com aquele (dote) saltando entre um exercício e outro.
    Como eu não tinha como lutar por este sentimento pois o ( gato ) tinha namorada e ela não dava uma trégua, sempre o acompanhava nas aulas do colégio.
    Pois ela também era professora neste mesmo colégio, e nas horas vagas ficava vigiando o bofe das ninfetas de plantão.
    Marcação acirrada.
    Até que por medo da bomba explodir eu desisti de frequentar as aulas e fui reprovado em educação física naquele ano.
    Bobinho eu, né??
    Ah se fosse hoje, tirava uma casquinhas do bofe, ah se tirava.
    Hahahahah.

    ResponderExcluir
  2. É verdade...
    Amor de carnaval!!!
    Nos divertimos a mil, pulamos, dançamos trocamos carícias, arrastamos a festa para a nossa cama.
    Fizemos o k tinha de ser feito.
    Mas sem aquela ansiedade do compromisso.
    Pois sabíamos que tudo terminaria na
    quarta-feira.
    K venha o próximo carnaval.
    Hahahahah.

    ResponderExcluir
  3. Portanto, as pessoas que querem um relacionamento sério, não encontram ou não conseguem. Todos têm medo do sofrimento e da rejeição, aliados a problemas pessoais. A isso, precisa-se saber lidar com esses problemas, com a auto estima. E uma coisa é certa: A fila anda...

    ResponderExcluir