terça-feira, abril 14, 2020

MINHA VIDA GAY

Youtuber diagnosticado com depressão ganha canção do marido.


Diego e VH (Cueca para 2)

O canal Cueca Para 2, criado pelo casal Diego e VH é famoso por contar as histórias de como os dois vivem a relação há 9 anos e suas viagens pelo mundo, já somando quase 10 mil inscritos no Youtube e 30 mil no Instagram.

Recentemente, VH entrou em depressão e seu companheiro, que é músico, resolveu escrever uma canção que falasse do amor que mantinha os dois juntos para ajudá-lo a vencer a doença. O vídeo foi apresentado como presente de aniversário de VH.



“Nossos seguidores que ouviram se sentiram representados e recebemos diversas mensagens positivas de pessoas que passam pela mesma coisa, ainda mais nesse momento tenso que estamos vivendo no mundo”, conta Diego.

Após um período de 3 anos morando na Austrália, o casal percebeu que o sentimento de solidão estava dominando suas vidas, então decidiu voltar para o Brasil onde continuam produzindo os vídeos sobre suas rotinas.

Mãe pinta casa com cores da bandeira LGBT e homenageia filho no ES.


Casa LGBT (Bruno Menegalli)

A mãe do garoto Bruno Meneguelli, um ator de 21 anos do Espírito Santo, resolveu demonstrar seu amor e sua aceitação à sexualidade do filho com uma homenagem inusitada: pintou a casa inteira com as cores da bandeira LGBT.

Em sua conta no Instagram, Bruno postou foto da casa com a legenda “Certo dia minha mãe me disse: Bruno, precisamos pintar a casa de novo, qual cor pintaremos dessa vez?! E eu disse brincando: pinta um monte de cor logo, faz a bandeira LGBT ”.

"Certo dia minha mãe me disse, precisamos pintar a cas de novo lá do centro, qual cor pintaremos dessa vez!? E eu disse brincando: pinta um monte de cor logo, faz a bandeira LGBT rsrsrs...E não é que ela fez isso mesmo!?

Eu agradeço tanto a Deus pela familia maravilhosa que tenho! Que me respeita, apoia e me amam de verdade. (Pelo menos quase todos). Sei que Pra muitos isso não passará de uma bobeira eu estar dizendo isso aqui. Mas pra mim é uma vitória e conquista muito grande comigo mesmo de estar falando sobre isso. 

Me escondi e me calei durante tempo da minha vida em relação a minha sexualidade(a pessoa que sou e sempre fui). Por medo do que as pessoas pensariam ou agiriam. E tenho absoluta certeza que foi o maior erro da minha vida: me preocupar com a opinião alheia. Foi aí que descobri que opinião de ninguém vale mais do que a minha FELICIDADE.

Mas agora é hora de lutar e enfrentar esse mundo preconceituoso em que vivemos. Principalmente aqui, no Brasil, que é o país em que mais mata pessoas LGBTQIA+ no mundo. VOCÊS TEM NOÇÃO DISSO? Humanos matam outros humanos por simplesmente não gostarem do que os outros fazem com o próprio corpo. ISSO É UM ABSURDO! Não vamos mais nos calar. A dor é grande. 
Mas não vamos desistir! Ps: Antes de saírem falando qualquer coisa a meu respeito na rua, tomem cuidado.

Pois a homofobia agora é crime. E se existe alguma justiça nesta país, pode ter certeza que vou usá-la. E assim, termino esse texto dizendo: RESPEITO ACIMA DE TUDO, DEUS ACIMA DE TODOS!"

E não é que a mãe do Bruno fez isso mesmo? O que era uma brincadeira se tornou uma das maiores emoções de Bruno que publicou uma série de fotos da sua casa, em Anchieta (ES), completamente reformada e pintada com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGBT+.

Dubladora de Moana se assume bissexual com música de Eminem.


DUBLADORA-MOANA-BI-696x391.jpg

Sair do armário não é fácil para alguns artistas, que, em geral, fazem vídeos cheios de emoção em suas redes. Mas a dubladora de Moana, Auli’i Cravalho, escolheu um jeito inusitado de se assumir bissexual: cantando.

Auli’i Cravalho, que deu voz à sua primeira princesa da Disney na versão americana do filme, se assumiu bissexual com a ajuda da música ‘Those Kinda Nights’, do rapper Eminem.

Na madrugada desta quinta-feira, dia 09/04, a atriz e cantora americana, de apenas 19 anos, usou o aplicativo ‘TikTok’ para lançar um vídeo de ‘lipsync’ da canção e falar sobre sua sexualidade. O vídeo foi assistido por mais de 100 mil pessoas.

Auli’i Cravalho escolheu uma parte específica da letra para dublar e fazer o vídeo: “Falando sério, piada a parte, como está? Você é hétero?” Em respostas ao verso ela responde: “Não, sou bi”. O verso continua: “Você está bêbado?” e Cravalho responde “não, tô chapada”.

No verso “Estou olhando a gata”, Auli’i responde “eu também”. Logo o vídeo se tornou viral na internet e a cantora vem recebendo muitas mensagens de apoio e carinho.

Mais tarde, ela usou o Twitter para responder uma pergunta de 13 dias atrás, na qual um fã pergunta: “Você gosta de garotas?”. Cravalho respondeu de maneira direta: “basta você me seguir no TikTok”.

Morre aos 95 anos Phyllis Lyon, pioneira na luta dos direitos LGBT+



Considerada o rosto do movimento matrimonial homossexual e heroína dos direitos civis LGBTs, Phyllis Lyon faleceu aos 95 anos.

Phyllis Lyon e sua esposa Del Martin, falecida em 2008, se conheceram quando Lyon trabalhava como jornalista em Seattle e juntas fundaram a primeira organização de direitos lésbicas nos EUA, ‘Filhas de Bilitis’, em 1955. Também fundaram a publicação lésbica ‘The Ladder’ e em 2004 foram o primeiro casal do mesmo sexo a se casarem em São Francisco.



O casamento delas foi oficializado em 2004 pelo, então prefeito de São Francisco, atual governador da Califórnia, Gavin Newsom, que considerava o casal “amigas queridas”. O casamento foi anulado quando a Suprema Corte da Califórnia derrubou as leis contra casamentos entre pessoas do mesmo sexo, mas elas não desistiram e se casaram novamente em 2008.


O senador usou seu perfil oficial no Twitter para prestar suas condolências e homenagear sua amiga: “Phyllis e Del eram a manifestação de amor e devoção. No entanto, por mais de 50 anos, elas tiveram o direito negado de dizer duas palavras extraordinárias: ‘eu aceito’. Phyllis foi a ‘honra de uma vida’ ao se casar com Del. Sua coragem mudou o curso da história.”

O atual senador da Califórnia, Scott Wiener, disse: “Perdemos um gigante. Phyllis Lyon lutou pela igualdade LGBT+ quando não era seguro nem popular fazê-lo. Phyllis e sua esposa Del Martin tiveram um papel crucial na conquista dos direitos e dignidade de que nossa comunidade agora desfruta. Devemos imensa gratidão a Phyllis por seu trabalho. Descanse em poder.”




Lyon foi encontrada morta na última quinta-feira, dia 09/04, em sua casa em São Francisco, de acordo com sua amiga Kate Kendell. “Elas viveram uma vida com muita alegria e maravilha”, disse Kate.

“Antes dos telefones celulares, eles sempre tinham seu número listado nas listas telefônicas, no caso de um jovem ou qualquer pessoa LGBT+ aterrorizada precisasse de ajuda ou apoio delas. E elas receberam dezenas de ligações ao longo dos anos”, contou a amiga.



Durante suas vidas, o casal também foi responsável por campanhas para que figuras políticas e religiosas se tornassem mais favoráveis aos direitos LGBTs e, como parte do ‘Clube Democrático Alice B. Toklas’, as militantes ajudaram a convencer a então prefeita de São Francisco, Dianne Feinstein, a apoiar a legislação que proibia a discriminação contra a população LGBT+.

Phyllis também co-fundou e dirigiu o ‘Fórum Nacional do Sexo’, foi professora do ‘Instituto de Estudos Avançados da Sexualidade Humana’ e, ao lado de Del, escreveu o livro ‘Lesbian/Woman’, em 1972.



A ativista deixa uma filha e genro, dois netos e um bisneto. A família pediu que fossem feitas, em homenagem, doações para a clínica ‘Serviços de Saúde Lyon-Martin de São Francisco, instituição nomeada em homenagem a ela e sua esposa, que atende a comunidade LGBT+.

Obrigado por tudo!

Um comentário:

  1. Auli'i Cravalho is bi? Wow, had no idea. Could've expected it from Alessia Cara but, not her.

    Well, still... Good for her for discovering her own true colors and saying it out loud. You go, girl! ^.^

    ResponderExcluir