quinta-feira, abril 23, 2020

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

Sangue LGBT: Austrália pode ser último país a relaxar leis de doação de sangue.



O sangue LGBT, mesmo em tempos de pandemia e caos mundial, ainda é recusado na maioria dos países. Nos Estados Unidos, as leis foram relaxadas parcialmente suas leis de doação de sangue no início deste mês.

A Austrália deve se tornar o último país a relaxar suas leis sobre doação de sangue após a pandemia de coronavírus. Homens gays e bissexuais, ao lado de outros homens que fazem sexo com homens (HSH), precisariam ser celibatários apenas por três meses, em vez dos atuais 12 meses.

Segundo o Gay Times, cada estado considerará a moção, que poderá se tornar lei antes do final do ano. No entanto, a lei continuará a excluir as pessoas que tomam o medicamento de prevenção do HIV, como a PrEP.


Faixa de pedestre em Sidney, Austrália

Uma declaração do Lifeblood, serviço de doação de sangue da Cruz Vermelha da Austrália, disse: “As políticas de adiamento são revisadas regularmente e são sustentadas pelas evidências clínicas e científicas mais atualizadas, para que a Austrália mantenha um dos suprimentos de sangue mais seguros do mundo.

No entanto, os defensores LGBTQ dizem que apenas diminuir o período de adiamento não é suficiente, descrevendo-o como apenas “vitrine”.

Em declarações à SBS, Rodney Croome, porta-voz da just.equal, disse: “A nova regra de celibato de três meses não aumentará significativamente a quantidade de sangue seguro disponível para transfusão, porque a maioria dos gays que são seguros para doar sangue estão em quarentena”.

“Em um momento de crise em que a escassez de sangue está se aproximando, é vital que todos os australianos que não correm o risco de transmitir doenças transmitidas pelo sangue possam doar, incluindo aqueles gays que não estão em risco”.

Em resposta à notícia, o GLAAD twittou: “Vitória! Após semanas de pressão do GLAAD e de outros [o FDA] está diminuindo o período de adiamento de homens que fazem sexo com homens de 12 meses para 3 meses.”

Mas eles acrescentaram que esse não era o fim, dizendo: “Essa vitória, no entanto, permanece imperfeita. Vamos continuar pressionando para que a proibição seja totalmente suspensa. “

Casal gay polonês distribui máscaras arco-íris no combate ao coronavírus.


Jakub e David decidiram que diante da discriminação, espalhariam bondade e positividade durante a pandemia.

A Polônia é um dos países europeus com maior índice de homofobia. Mais de um terço da população aderiu à uma campanha anti-LGBT, que busca tornar zonas “livres”, promovendo o boicote à ONGs e iniciativas com foco na comunidade.

A intolerância tem como incentivador o Partido Legislativo e da Justiça (PiS), que alega que a crescida dos LBGTQ+ no país é uma invasão estrangeira, uma praga que assola a pátria nacional.

Sem medo de tudo isso, um casal aproveitou a época de pandemia do coronavírus para confeccionar e doar máscaras de arco-íris. Assim, além da prevenção ao Covid-19, pessoas podem se tornar um símbolo de resistência.

Jakub e David publicaram um vídeo no YouTube para explicar mais sobre o projeto.

“Faltam medidas básicas de proteção e as máscaras se tornaram produtos escassos. Por isso, fizemos nossas máscaras e as entregamos às pessoas. Mas nossas máscaras são realmente únicas porque são máscaras arco-íris! Assim chamada por muitos, a 'praga LGBT' está ajudando a proteger as pessoas de uma praga real."



Parada LGBTS é incluída no calendário oficial de eventos do DF.


Multidão ocupa Esplanada dos Ministérios na 22ª Parada LGBTS de Brasília. 

A lei foi sancionada por Ibaneis nessa terça-feira. Celebração acontece anualmente, em referência ao Dia Internacional do Orgulho LGBT, que ocorre em 28 de junho.

A Parada de Orgulho LGBTS de Brasília foi incluída no calendário oficial de eventos do Distrito Federal. A medida está na Lei nº 6538 que foi publicada na edição desta terça-feira (14/04) do Diário Oficial do Distrito Federal (DODF).

A Parada LGBTS de Brasília, realizada anualmente no mês de junho – em comemoração ao Dia Internacional do Orgulho LGBT, 28 de junho -, é uma das mais tradicionais e a terceira mais antiga do Brasil. No ano passado, o evento reuniu cerca de 160 mil pessoas e homenageou os 50 anos da revolta de Stonewall.

Mulher é presa após atear fogo na própria namorada, em Minas Gerais.


Uma mulher foi presa em flagrante na noite deste domingo (19), após atear fogo na própria namorada na Rua Vila 2, no Bairro Nova Contagem, em Contagem. As informações são do Estado de Minas.

Segundo a polícia, o caso se inciou logo pela tarde do mesmo dia, quando o casal estava na casa da mãe da autora do crime. Ao chegar em casa, as duas continuaram a briga, o que provocou no crime.

Após atear fogo na namorada, com o auxílio de álcool e um isqueiro, a moça se arrependeu e tentou apagar o fogo no chuveiro, mas não conseguia. Desesperada, a vítima saiu pedindo socorro, até encontrar a irmã, que mora ao lado de sua casa.

Assustados com o ocorrido, a família da vítima ligou para a polícia, que a auxiliou no atendimento. A jovem foi encaminhada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

Em seguida, a autoria do crime foi presa em flagrante pela polícia. A vítima foi transferida para o Hospital João XXIII, em Belo Horizonte. Ainda não não há informações sobre seu estado de saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário