segunda-feira, maio 18, 2020

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Presidente do Bahia detona Bolsonaro após quebra de quarentena.


Jair Bolsonaro usou camisa do Bahia

Conhecido por promover apoio à comunidade LGBTQ+, o presidente do Bahia não gostou nada de ver o Jair Bolsonaro circulando com a camisa do tricolor baiano em meio o isolamento social.

Durante uma entrevista ao programa “Isso é Bahia”, da rádio A Tarde FM, o Guilherme Bellitani reprovou a atitude do presidente, que nas últimas semanas foi visto passeando de jet ski enquanto o Brasil marcava 10 mil mortos pelo Covid-19.

“Naturalmente, foi ruim ver a camisa do Bahia relacionada ao momento dos 10 mil mortos, mas cada um usa a camisa do Bahia. Não posso condenar o presidente da República de jeito nenhum. Dentro da torcida do Bahia tem pessoas que votam em A, B e C. Não posso ficar aqui condenando pessoas especificamente. Tenho que lutar por causas. E é isso que o Bahia tem feito” afirmou.

Ainda durante a entrevista Bellitani afirmou que tem se esforçado para que o Bahia se torne pioneiro em campanhas que levam à reflexão de seus torcedores e da população quanto a questões sociais relevantes, como o enfrentamento à LGBTfobia no esporte.

“A gente quer ser conhecido por notícias positivas e por enfrentamento dos problemas sociais graves. O Bahia escolheu a política afirmativa de combater problemas sociais graves, de defender causas humanitárias”, iniciou.

“Isso a gente tem feito sempre no combate ao racismo, no combate ao assédio, nas campanhas de reconhecimento de paternidade, na inclusão LGBT no futebol e na sociedade como um todo, no fim do preconceito. São causas que o Bahia defende arduamente. Causas humanitárias”, completou.

Humberto Costa @senadorhumberto

"Não teve o churrasco pra comemorar a morte de 10 mil brasileiros. Mas teve um rolezinho de jet ski no lago Paranoá com direito a deboche e muita piada. @JairBolsonaro é um ser repugnante. O Brasil não merecia isso."

Prefeito e namorado usam máscara arco-íris para celebrar 17 de Maio.


Edgar de Souza e namorado

No dia 17 de maio se comemora o ‘Dia Internacional contra a Homofobia’ e a data foi comemorada pelo ativista Max Souza e seu marido prefeito de Lins (SP), Edgar de Souza em suas redes sociais.

Prefeito e namorado usaram as redes sociais para postar uma foto em que os dois, além de relembrar a data importante, atentam para o fato de que é necessário estar de máscara nesse momento de repeitando a recomendação da OMS.

Na legenda, ele escreveu que o casal continuará firme na luta contra o preconceito e instigou internautas a relatarem nos comentários casos de homofobia que já sofreram. “Não fiquem calados, vamos lutar contra a homofobia com conscientização e mais políticas públicas”.

Max contou um dos casos mais emblemáticos que já sofreu por homofobia: “Estávamos eu e Edgar aguardando um carro de aplicativo na porta de casa, quando o mesmo chegou, e caminhamos para abrir a porta do carro para entrar, o motorista arrastou o carro e cancelou a viagem. Ficou clara ali uma situação de preconceito”.

“Nesse domingo, dia 17 de maio, é comemorado o Dia Internacional contra a Homofobia. É uma data para lembrar a luta dos LGBTs contra o preconceito que, infelizmente, já passamos ou ainda podemos passar pela falta de conscientização das pessoas. Continuamos na luta!”, escreveu.

Alunos de escola religiosa acusam professor de LGBTfobia após “exercício homofóbico”.



Alunos do primeiro ano do Ensino Médio do Colégio Presbiteriano Quinze de Novembro, de Garanhuns (PE), acusam um professor da instituição de ensino religioso de LGBTfobia. Um exercício divulgado pelos alunos nas redes sociais pedia para eles apontarem uma resposta, com base em princípios bíblicos, ao “problema” de uma garota que se sentia atraída por outra menina.

Segundo a proposta do professor Josedson Roberto, que tinha como tema “Deus Pensou Diferente”, alunos deveriam escrever uma redação sobre o que falariam a um amigo que diz que sente atração por outra pessoa do mesmo sexo. Conforme a questão, os alunos teriam que elaborar uma resposta firme sem taxar “preconceito”, classificando a sexualidade da garota como um “problema”.

Confira


Segundo o portal Mídia Ninja, em sua justificativa, o professor Josedson Roberto afirmou que o exercício apresentou defeitos de elaboração. Já para a escola, a atividade foi “retirada de contexto e reinterpretada”. “Considerando a reiterada reafirmação da interpretação equivocada, o professor retornou ao contato com a turma, fazendo as considerações necessárias para diminuir equívocos”, afirma a instituição religiosa.

“O fato abriu as portas para que ex alunos e atuais tomassem coragem e começassem a falar sobre outras práticas LGBTfóbicas da instituição. A escola, em um ato de covardia, retirou os comentários de seus posts no Instagram e agora nem mesmo cita-los na rede social é possível. Sou aluno dessa instituição vergonhosa”, declarou um aluno ao site Põe Na Roda.



AMADA? Mulher sobe em guindaste e pede para ex-namorada aceitá-la de volta.


Mulher sobe em guindaste

Arrependida com o fim do relacionamento, uma mulher sobe em guindaste na cidade de Brasília, quebrando a quarentena, a fim de pedir desculpas à ex-namorada. Desesperada, a mulher alugou um guindaste e, com um megafone, falou à janela da casa da antiga companheira para pedir desculpas.

O inusitado pedido de desculpas aconteceu na noite da última sexta-feira, 15, no Condomínio Park Sul, no Guará. O gesto da mulher arrependida foi registrado em vídeo por moradores do empreendimento, surpreendidos (e assustados) com a inciativa.

Nas imagens, é possível ver que a mulher está no braço do guindaste, sem muita segurança, que está emparelhado com a janela, ao que tudo indica, do apartamento da ex. De cima do guindaste, ela faz um discurso sobre o fim do relacionamento.

“Sou aquele tipo de mulher que gosta de tudo certinho [oi?], mas infelizmente, ela não é assim. Mas mesmo se ela for preguiçosa, relaxada, eu vou querer você, como você é”, diz.

O circo não para por aí, ela começa a citar planos que o casal tinha: “Esse filho que eu tanto queria com você, sabe como é que eu queria? Primeiro, terminar o apartamento. Eu queria planejar as coisas com você, eu não queria fazer as coisas só por fazer”.

“Eu queria planejar o banheiro, mas você não pensou nisso. Tudo com muito glamour, quem é que paga R$ 12 mil em uma porta de box sanfonada? Ninguém, mas eu estava fazendo isso para você”, continuou.

Ao final do vídeo divulgado nas redes sociais, é possível ouvi-la pedindo desculpas. “Vou relaxar e quero gritar para Brasília: ‘Me perdoe por eu ser essa pessoa. Eu machuquei Elaine”. A partir daí, a gravação é cortada, porque, como tudo que é bom, acaba.

Desfecho

No fim (a thread pode ser acompanhada toda aqui), Elaine desceu para receber as flores da amada desesperada e parece que, em meio à torcida de “volta, volta, volta” dos vizinhos, as duas fizeram as pazes. Agora resta superar a vergonha alheia e ser feliz.

Homofóbico terá que pagar indenização por discurso de ódio no Facebook.


Justiça condena internauta por comentário homofóbico.

Internauta teria alegado se tratar de "brincadeira com um amigo sem a intenção de ofendê-lo ou prejudicá-lo".

Um internauta terá que pagar indenização por danos morais coletivos de R$ 5 mil por uma publicação homofóbica no Facebook. A decisão foi da Justiça Federal em Duque de Caxias (RJ) por considerar que o conteúdo se trata de discurso discriminatório contra as pessoas LGBT.

O réu teria alegado se tratar de “brincadeira com um amigo sem a intenção de ofendê-lo ou prejudicá-lo”.

Para o Ministério Público Federal (MPF), o comentário feito “ultrapassa a esfera protegida pela liberdade de expressão, porque invade o plano da honra e da dignidade alheias, produzindo efeitos lesivos à população LGBT e à reputação do grupo frente à sociedade brasileira, constituindo, inclusive, ameaça à própria segurança desses cidadãos”.

Na decisão, o juíz responsável pelo caso considerou não se tratar de uma brincadeira e declarou em sua decisão: “Ninguém tem direito a se exprimir de forma a fomentar o ódio a minorias e agredir a Constituição. O discurso de ódio é extremamente sério, e inclusive levou a grandes tragédias da humanidade, como o holocausto dos judeus durante a 2ª Guerra Mundial. É tão grave, portanto, que o Supremo decidiu pelo enquadramento da homofobia e da transfobia como tipo penal definido na Lei do Racismo (Lei 7.716/1989)”.

Um comentário: