terça-feira, maio 05, 2020

SEXO

"NÃO SOU MAIS VIRGEM!" - Como dar o cu pela primeira vez na vida.


As experiências sexuais pela primeira vez são sempre carregadas de muita magia, tensão e até medo, além de envolver uma dose de insegurança, ansiedade e falta de experiência.



Além da pressão da perda da “virgindade”, há ainda o fator fundamental de estar se assumindo como gay e mais, não se decidir se vai dar a rosca ou comer a rosca. 



Se é gay ativo ou passivo? Se finge que quer comer, mas está louco para dar? Ou vai dar e está louco pra comer? O melhor é experimentar as duas posições e resolver, ou não, qual é o seu papel.



Nessa situação, a de ser passivo, pesa muito a vergonha, o preconceito próprio, medo da dor, inexperiência, e o gay que gostaria de dar, acaba jogando na posição de ativo. Seja por vergonha, por preconceito próprio ou pelo medo da dor, muitos gays, psicologicamente passivos, acabam jogando na outra posição. Só que não se satisfazem!



As dicas para a primeira vez são importantes, mas uma ligeira explicação anatômica a respeito do seu parque de diversões também é. O ânus é um orifício com cerca de seis centímetros, fabricado, inicialmente para eliminar fezes e gases. Mas, é usado, com muita frequência, para tomar vara.



Por isso, muito importante o relaxamento, a preparação para a penetração e a lubrificação.



Muitos se perguntam, por que tantos, seja homos ou héteros, adoram sexo anal. Fácil responder e entender, o ânus é cheio de terminações nervosas e sensíveis que podem levar a prazeres extremos e delirantes. E mais, o ponto G masculino existe sim e está localizado bem aí, próximo à parede do reto, que é a próstata. E, só por curiosidade, existem brinquedinhos eróticos com estimuladores de próstata, usados para a penetração anal.


Vários passos podem ser seguidos para “dar” com segurança e sem receio de imprevistos. Um deles é a chuca, que nada mais é do que a lavagem anal, feita para evitar surpresas desagradáveis durante o sexo. Um passo importantíssimo para qualquer passivo que quer garantir uma transa “limpa”. 




Outro passo importante é a depilação, apesar de ser controverso, pois há os que gostem da região ao natural, isto é, com pelos, mas segundo pesquisas, esses são minoria. Nada como uma região lisinha, limpinha e cheirosa.  Superindicados, os depiladores comprados em farmácia, mais práticos e higiênicos do que a gilete e as ceras quentes. Há o risco de sair de rosca assada!



Outra dica que deixa os parceiros doidos é o beijo anal, seguido de lambidas generosas, famoso beijo grego e muito popular entre os adoradores de anal. Nada melhor para relaxar, excitar e preparar para transas gays.




O joguinho de descobrir onde é que deixa o parceiro doido também é legal para “trabalhar” com as mãos, língua e lábios. O ideal é usar tudo e, aos poucos, transformar as preliminares no segundo melhor momento da festa. 



É quando os desejos mais profundos vão sendo descobertos, isto se houver honestidade total entre os parceiros.



O momento da piroca entrar em cena vai ser indicada, quando os dois estiverem em ponto de bala, bem relaxados e tranquilos. Não deve ser esquecida a camisinha com bastante lubrificante, melhor amigo na transa.


Outra grande preocupação é a de que sexo anal repetitivo possa contribuir com o famoso “cu solto”, ou seja, o descontrole das fezes. Mas, dentro da normalidade, não acontecem lesões, e muito menos frouxidão do esfíncter que possa levar a se cagar sem sentir.



Os adolescentes  apresentam mudanças na satisfação geral com sua própria aparência depois da primeira relação sexual.



Ativos revelam sentir prazer ao perceber que passivos sofrem na penetração.


Vários homens gays sentem tesão numa relação homossexual baseada em dominador e dominado, ao perceber que o companheiro sente alguma sensação de dor durante a transa. 



Segundo um estudo publicado na revista Adolescência, os homens ficam, a curto prazo, mais satisfeitos com sua imagem corporal após fazer sexo pela primeira vez.



Nenhum comentário:

Postar um comentário