sexta-feira, junho 26, 2020

MINHA VIDA GAY

Ex-jogador inglês de futebol, Thomas Beattie, sai do armário.



O ex-jogador profissional de futebol inglês Thomas Beattie escreveu um poderoso depoimento para a ESPN, no qual detalha as dificuldades de ser abertamente gay em um esporte notório por sua falta de inclusão no LGBTQIA+.

Beattie se lembrou de quando seu clube, o Warriors FC, em Cingapura, venceu a Liga dos Campeões da Ásia em 2015. Em seguida, eles voaram para Cingapura e exploraram a ilha, mas Beattie disse a seus colegas de equipe que ele “faria o que ele quisesse”.

“Eu não poderia mentir assim para sempre. Normalmente sou super social, mas estava me tornando antissocial para evitar cenários que pudessem me expor. Esse foi um padrão que também me levou ao mundo inteiro”, revelou.

“Deitei na minha cama e olhei para o teto, me sentindo o rapaz mais solitário do mundo. Lágrimas brotaram; uma inundação paralisante de emoções me envolveu. Meu corpo inteiro estava queimando; meus braços formigavam e meu coração disparava, como mil batidas por minuto”, conta o ex-atleta.

Cinco anos depois, Beattie disse que “nunca esteve mais confortável” com quem ele é e está pronto para revelar seu verdadeiro eu ao mundo: “Meu nome é Thomas Beattie. Sou irmão, filho, amigo, ex-jogador profissional de futebol, empresário e um cara irritantemente competitivo. Eu sou muitas coisas, e uma delas é gay”.

Beattie disse que nunca sentiu vontade de ser gay e ter uma carreira no futebol era uma “opção” porque a sociedade sempre dizia a ele que “minha masculinidade estava ligada à minha sexualidade – algo que, é claro, sabemos que é uma suposição falsa”.

“Senti como se não pudesse ser jogador de futebol e aceitar quem eu era. Tudo ao meu redor sugeria que esses dois mundos eram inimigos puros, e eu tive que sacrificar um para sobreviver. Não parece assim em outros setores”, continuou ele.

“Na música, amamos Freddie Mercury e Elton John. É aceito no filme. Tim Cook, o CEO da Apple, é gay e tudo está bem. Mas no futebol, ainda há medo de que um companheiro de equipe gay possa atrapalhar o ambiente da equipe.

“Às vezes é descartado, como se a homofobia não fosse mais um problema no futebol. Obviamente, isso não é verdade se houver tão poucos exemplos que as crianças pequenas possam considerar modelos”.

Beattie admitiu ter ouvido “insultos gays voando nos vestiários e em campo”, mas não acha que seus colegas de equipe tinham más intenções: “Não acho que muitas pessoas que dizem essas coisas façam com que elas sejam o que são. Eles estão apenas repetindo as coisas”.

“Esteja consciente do ambiente que você está criando e tente decifrar se é propício para todos os grupos de pessoas se sentirem incluídos. Não tema o dia em que um atleta gay esteja usando o distintivo em sua camisa, tema o período em que não há. Afinal, podemos estar perdendo o próximo Lionel Messi, que pode ser gay. Espero que com o tempo essas coisas não precisem mais ser mencionadas.

Homem surpreende esposa e revela ser gay no Casos de Família.


Roberto assumiu ser gay em rede nacional

Conhecido por tratar de confusões familiares comuns, o programa Casos de Família desta segunda-feira (22), surpreendeu ao mostrar a história de um homem gay casado com uma mulher.

Com a temática “Não sou louco de assumir que sou casado”, o programa contou com a revelação de Roberto, que assumiu em rede nacional ser um gay para a esposa. Ele confessou que a usou para esconder sua sexualidade da família.

Visivelmente apreensivo, Roberto desabafou sobre a realidade de muitos gays, afirmando que sua família nunca aceitaria sua orientação, por isso engatou um relacionamento com Andressa.

Barman de uma balada LGBTQ+, o rapaz disse que não levava a esposa em seu trabalho por que não gostaria que as pessoas soubessem que ele se passava por hétero. Inclusive, ele namorava um colega de trabalho há três meses.



Idosa trans viraliza na internet com fotos de sua transição e história de superação.



Orgulho não tem idade! Ana Carolina Apocalypse, de 62 anos, provou isso nas redes sociais compartilhando fotos de sua transição e contando sobre sua história.

Após postar fotos do seu antes e depois em sua conta no Twitter, Ana rapidamente viralizou e se tornou uma influencer digital, conquistando mais de 30 mil seguidores e diversas mensagens de carinho do público.

Criada pela mãe e irmãos, Ana Carolina conta que aos 12 anos de idade já se sentia como uma mulher. No entanto, já que a transexualidade não era um assunto abordado nos anos 70, a influencer se entendia como um menino gay. Foi só aos 59 anos que ela pôde dar início ao seu processo de transição de gênero. Graças ao SUS, Ana conseguiu seus tão sonhados implantes de silicone. Que fofa, né gente?

Nenhum comentário:

Postar um comentário