terça-feira, julho 21, 2020

MINHA VIDA GAY

História de amor de casal gay é celebrada nas redes sociais: “Não depende de rótulos, padrões ou regras”.



O perfil no Instagram @NossoAmorExiste compartilha diversas histórias positivas de romances LGBTQ+, publicações que muitas vezes viralizam nas redes sociais! Um desses relatos, dos cariocas Julian Reis e Rodrigo Duque, chamou atenção! Internautas celebraram a quebra esteriótipos e padrões no amor do casal.

Eles contam que se conheceram no Grindr em 2014. “Ele é DJ e sempre me chamava para ver ele tocar. Sempre recusei, pois não curto noitada, até que depois de um tempo de conversas e ligações, fui gostando do jeito dele e surgiu o interesse de o conhecer”, revela Julian. “Depois de alguns encontros, em uma saída da boate, em pleno ponto de ônibus surgiu o pedido de namoro. Foi o melhor ‘sim’ da minha vida. Quando essa pandemia acabar o segundo melhor ‘sim’ virá, o do nosso casamento”, completou.

A publicação da história de Julian e Rodrigo ganhou muitas curtidas e comentários nas redes do Nosso Amor Existe. “Amor é amor! Não depende de rótulos ou regras”, disse um seguidor. “Casal quebrando padrões”, escreveu outro.

O DJ Rodrigo Duque diz que leu todos os comentários e agradeceu o carinho. “Que bom poder contribuir esse amor com vocês. Obrigado meu amor Julian pela iniciativa de mostrar como foi lindo a nossa história”, afirmou.

"Sou gay, sempre fui", afirma Markinhos Moura, ícone dos anos 80.


Markinhos Moura foi interprete de "Meu mel" um dos maiores hits do anos 80

Dono do hit "Meu Mel", o cantor Markinhos Moura estourou nas rádios e TV dos anos 80, convidado da jornalista Lisa Gomes, ele concedeu uma entrevista ao canal "Lisa, leve e solta" no mês passado, onde contou detalhes da sua vida pessoal e falou abertamente sobre sua sexualidade.

"Não é problema para mim, acho ótimo, quem quiser entender que entenda. Eu nunca estive dentro do armário, sempre estive fora, abrindo a porta e fechando para quem quisesse entrar. Sou gay e sempre fui" contou Markinhos. O cantor ainda brincou sobre sua vida sexual aos 53 anos. "O sexo não é prioridade na minha vida. Já foi, embora eu esteja totalmente em forma, sem azulzinho, nem nada", concluiu.

O cantor explicou o motivo de tanta descrição e de nunca ter falado publicamente sobre sua sexualidade, segundo ele, em respeito a mãe. "Eu tenho 20 dedos podres pra relação. Tem muita coisa que eu discordo, eu sempre tive muito respeito por uma senhora chamada Maria Sampaio Moura que é minha mãe, pra não respingar pra ela. Nunca disse nada, só não levantei bandeiras, nunca quis ser ícone de nada, sou o que sou e pronto. Não tenho obrigação de me explicar." finalizou.



Família fez um chá revelação para filho não-binário.



“Queríamos anunciar que erramos 17 anos atrás, quando dissemos ao mundo que estávamos tendo uma menininha", diz texto que viralizou.

"Queríamos anunciar que erramos 17 anos atrás, quando dissemos ao mundo que estávamos tendo uma menininha e batizamos o nome de McKenzie. Então, gostaríamos de apresentar o nosso filho: Grey.”

Foi com um “chá revelação” realizado por seus pais, com direito a bolo colorido, surpresa na caixa, ensaio de fotos e um texto emocionante que a família do jovem Grey Gwalney, 17, acolheu sua identidade de gênero.

“Ele é muito parecido com qualquer outro garoto nerd de 17 anos, fica acordado para jogar tarde, odeia tomar banho e come muita comida lixo”, brinca Love Gwalney, mãe do jovem, em texto publicado em sua página no Facebook junto com o ensaio da “revelação” que viralizou nas redes sociais.

“Vamos nos referir a Grey com pronomes ele/dele daqui em diante e ele não se importará se você fizer isso também”, escreveu Love. A família, que está cumprindo isolamento social, mora em Akron, Ohio, nos Estados Unidos.

Os “chás revelações” se tornaram uma febre não só no Brasil, mas em todo o mundo. Ele consiste em reunir amigos e familiares, para revelar de maneira incomum qual será o sexo e gênero do bebê. Ao mesmo tempo que foi popularizada, a prática também é criticada por reforçar estereótipos de gênero.

No evento preparado para Grey, as cores dos balões escolhidas combinam com a bandeira do orgulho não-binário: amarelo, preto, branco e roxo. O bolo, que por fora era branco e por dentro era colorido, levava uma interrogação com as cores da bandeira trans e, sim, o recheio também: rosa, branco e azul.

O texto e as imagens foram publicadas nesta segunda-feira (13) nas redes sociais. Após a repercussão, Love afirmou que as reações das pessoas da comunidade LGBT foram um “efusão de amor”.

“Não postamos isso na esperança de tanta atenção, mas para cada pessoa LGBTQ por aí que se conectou com isso ou que de alguma forma se sentiu vista por esse post, estamos orgulhosos de ter trazido esse reconhecimento para você, mesmo que brevemente”, disse.

Embora ela tenha dito que a maioria dos comentários foram gentis, o outro lado também se fez presente. “Os odiosos [comentários] (especificamente aqueles que dizem a toda a família que iremos para o inferno) não têm lugar em um post destinado a celebrar a transição de nosso filho (...) E que vergonha por isso.”

Ainda no post, Love reforçou que Grey autorizou não só a exibição de seu nome de batismo, como a divulgação das fotos e do texto - e que está bem com isso. Ela pontua que a intenção era compartilhar o momento apenas com familiares e amigos. Para ela, ter viralizado foi uma surpresa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário