segunda-feira, julho 20, 2020

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Sudão retira pena de morte e tortura por sexo anal.



No Sudão, o governo que é conhecido por tremendas e aleatórias ordens, vem alterando e modificando algumas leis, e desta vez, a pena de morte e a tortura pela prática de sexo anal, estão suspensas.

De acordo com o site Põe na roda, em meio à todas as alterações, o direito de pessoas do mesmo sexo se relacionarem ainda não foram liberados, tendo punições à quem descumprir a ordem.

Como castigo, o indivíduo que se relacionar com um alguém do mesmo sexo, poderá ficar preso por até 7 anos. O diretor chefe da Bedayaa, que é a organização que assegura e cuida da comunidade LGBTQ+ no Sudão e Egito, Noor Sultan, afirmou que há sempre um novo problema para barrar os direitos da população homossexual (não revelada).

Mas a situação política é muito trêmula. Há sempre uma cúpula militar do regime anterior para criar uma situação política“, explicou o político. Ainda segundo o homem, as novas leis também darão o direito à liberdade de pensamento e de crença.

Estados Unidos têm recorde de pessoas LGBT concorrendo uma vaga nas eleições de 2020.


Casa Branca é iluminada com as cores do arco-íris após decisão da Suprema Corte dos EUA legalizar o casamento igualitário. 

Embora muitos dos candidatos este ano tenham grandes chances de se eleger, a representatividade LGBT ainda é baixa.

Dados de um relatório divulgado hoje nos Estados Unidos mostram que 850 pessoas LGBT estão concorrendo a um cargo político nas eleições deste ano, um recorde no país. As informações são da agência Associated Press.

De acordo com o Instituto LGBT Victory, o número de servidores públicos eleitos que se declaram LGBT nos EUA mais que dobrou nos últimos quatro anos. São 843 pessoas em todos os níveis de governo. Em 2016, este número era de 417.

Embora muitos dos candidatos este ano tenham grandes chances de se eleger, a representatividade LGBT ainda é baixa, diz a presidente do instituto, Annise Parker, ex-prefeita de Houston. A comunidade “continua sub-representada em todos os estados e níveis de governo”.

Parker afirma que as pessoas LGBT representam cerca de 4,5% da população adulta dos EUA, mas ocupam apenas 0,17% dos mais de 510 mil cargos eleitos, que vão desde o Congresso e legislaturas estaduais a conselhos municipais e conselhos escolares.

Para que a representação seja proporcional, disse Parker, seria preciso conquistar mais de 22.500 posições adicionais.

O número de negros e hispânicos LGBT que ocupam cargos públicos dobrou nos últimos três anos, de 92 para 184, de acordo com o relatório. Durante o mesmo período, o número de funcionários trans eleitos aumentou de seis para 26.

Parker afirma que os eleitos têm liderado discussões sobre uma ampla gama de questões, incluindo moradia a preços acessíveis, assistência médica, imigração e controle de armas, além de influenciar o debate sobre os direitos LGBT.

“Quando as autoridades públicas LGBT estão nas salas do poder, elas mudam os corações e as mentes de seus colegas legisladores, derrotam as leis anti-LGBT e inspiram uma legislação mais inclusiva”, disse ela.

Após união civil, agora casamento religioso LGBTQ+ também vira lei na Irlanda do Norte.



O casamento entre pessoas do mesmo sexo no religioso foi legalizado na Irlanda do Norte, um ano após a aprovação da união civil LGBTQ+. Em julho de 2019, a Câmara dos Deputados da Irlanda do Norte aprovou os direitos igualitários na união LGBTQ+ , porém a comunidade ainda não tinha esse direito assegurado em casamentos religiosos.

Após consulta popular online, e com a maioria a favor, Robin Walker, Ministro de Estado, introduziu essa mudança na regulamentação do casamento no parlamento na quinta (16/07), após uma longa campanha de ativistas.

Igrejas e grupos de quaisquer religião poderão oferecer e realizar o casamento LGBTQ+, apesar de não serem obrigados, a partir do dia 01 de setembro, quando a nova regra entra em vigor. O diretor da Anistia Internacional da Irlanda do Norte comemorou. “É histórico para a igualdade de direitos. Depois de uma longa campanha, casais religiosos do mesmo sexo poderão celebrar a união em igrejas e congregações”.

Entregador de delivery ataca casal gay e é suspenso: “nojentos”.


Foto Ilustrativa

O casal formado por Scott e Adam sofreu homofobia por um funcionário do aplicativo “London Deliveroo”, na última semana. De acordo com o Põe na Roda, o profissional foi suspenso, e será investigado.

Tudo começou quando o casal andava de mãos dadas, quando o entregador chamou ambos de “bichas”, em um tom agressivo. O rapaz ainda os xingou de “nojentos, e afirmou que a “bruxaria voltaria à eles.

“Enfrentamos isso [homofobia] todos os dias. Mesmo em Londres, onde podemos nos sentir incrivelmente livres, ainda há trabalho a ser feito e, embora seja cansativo e possa nos esgotar, temos que continuar avançando”, disse Scott.

Scott também se prolongou e afirmou que essa é uma realidade diária de pessoas LGBTQIA+ “Sabemos usar esse privilégio, por exemplo, para relatar tudo o que acontece, sabendo que provavelmente devido ao nosso tom de pele, seremos ouvidos”, falou ele.

A empresa garante que o funcionário que está suspenso, após ser detido pela polícia, será bem investigado, e se descoberto o crime de ódio, será demitido imediatamente, já que não “compactuam”, com a homofobia.

“Deliveroo adota uma abordagem de tolerância zero a qualquer forma de discriminação. O incidente foi tratado com urgência por nossa equipe e imediatamente tomamos medidas para suspender o ciclista enquanto uma investigação é realizada. O funcionário terá seu contrato com a Deliveroo terminado com efeito imediato, uma vez que tenhamos realizado a devida diligência necessária para confirmar o incidente”, disseram.

Homem é espancado, e perde dois dentes após colocar bandeira LGBTQI+ em sua casa.


Tom Anderson

Em Taunton, Massachusetts, nos EUA, Tom Anderson foi mais uma vítima de homofobia, e intolerância. Após o homem colocar uma bandeira do arco-íris próxima à sua casa, mais precisamente do lado de fora, teve os seus dois dentes quebrados, e foi espancado, no último mês.

Tudo teve início minutos depois da bandeira ser exposta, e um veículo parar próximo à ele, com um homem extremamente bruto, que desceu e lhe agrediu duramente. Em todo instante da agressão, o criminoso o chamava de “bicha”. “Eu estava meio que incrédulo, eu estava em meu próprio quintal”, disse Tom.

Jacob Anderson, marido da vítima, ao sair na rua visualizou apenas partes do ataque. “Eu vi o cara aparecer e gritar aqueles insultos homofóbicos com meu marido e depois bater nele duas ou três vezes, depois voltar ao carro gritando”, relatou ele.

Após toda confusão, o casal recebeu a ajuda de um motorista que ao ver a cena, chamou a polícia, e encaminharam Tom ao hospital, que passou por uma cirurgia e perdeu 2 dentes da frente, segundo o Põe na Roda.

No interior do Paraná, jovem de 27 anos é espancado pela mãe do ex-namorado.


William Silva

O morador de Florestopólis, William Silva, foi vítima de homofobia no último domingo (12), após sair no finalzinho da tarde e avistar o seu ex namorado, que nitidamente, tinha a reprovação de sua mãe enquanto estiveram juntos.

Inesperadamente, a mãe do jovem e o ex companheiro se aproximaram de William, e o agrediram duramente. Ambos também lhe xingaram quase que o tempo todo, deixando o moço desmaiado, após bater a cabeça. A vítima recebeu o apoio de pessoas próximas, bem depois do ocorrido.

De acordo com o Põe na Roda, amigos mais próximos de William organizam uma carreata chamada de “Todos por William”, em apoio à vítima. Vale lembrar que no último domingo (12), um jovem de 21 anos também foi vítima de homofobia.

“Ele era uma pessoa boa, alegre, brincava com todo mundo. Jamais na minha vida eu ia pensar que ia acordar de manhã e receber uma notícia dessas. Qualquer mãe pensa que um dia o filho vai chegar em casa porque alguém bateu, fez alguma coisa pelo fato dele ser homossexual”, disse a mãe do jovem Guilherme, morto há menos de uma semana.

Jovem é morto a pedradas por adolescentes e tem corpo queimado em crime motivado por homofobia.



A homofobia segue fazendo mais uma vítima! Um jovem de 21 anos, identificado como Guilherme de Souza, foi assassinado na madrugada de domingo (12/07), após ser agredido com pauladas e pedradas, além de ter o corpo queimado pelos agressores, em Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia.

Segundo o G1, após denuncias, a polícia conseguiu identificar os suspeitos, dois adolescentes de 14 e 16 anos. O adolescente de 14 anos foi apreendido e, para a polícia, confessou o crime, apontado como premeditado. Guilherme estava voltando para casa na madrugada do dia do crime, quando foi abordado pelo adolescente de 14 anos. Com a ajuda do amigo de 16, eles apedrejaram a vítima, que posteriormente foi arrastado e levado para uma casa abandonada, onde foi queimado vivo.

Segundo a polícia, na primeira versão, ele disse que teve uma discussão com a vítima, que teria xingado a mãe dele. Porém, durante as investigações, a polícia descobriu que, na verdade, o crime foi por homofobia. Rivaldo Luz, coordenador regional de Polícia Civil da região, conta que o garoto não mostrou arrependimento hora nenhuma. “Ele era uma pessoa boa, alegre, brincava com todo mundo. Jamais na minha vida eu ia pensar que ia acordar de manhã e receber uma notícia dessas”, lamentou Franciane de Souza, mãe de Guilherme, em entrevista ao G1.

“Qualquer mãe pensa que um dia o filho vai chegar em casa porque alguém bateu, fez alguma coisa pelo fato dele ser homossexual. A gente sempre se preocupa, a mãe sempre se preocupa com isso. Mas jamais na minha vida eu ia pensar que iam matar meu filho daquela forma, daquele jeito, por ele ser homossexual. Ele deve ter chamado por mim, pedido socorro e ninguém fez nada”, continua.

O adolescente de 14 anos foi apreendido provisoriamente e aguarda decisão judicial. Ele devem ser encaminhado para Salvador para o cumprimento de medida socioeducativa. Já o agressor de 16 anos se apresentou à polícia na quinta-feira (16/07). De acordo com o delegado, ele não ateou fogo em Guilherme, mas participou da agressão. A medida de internação dele foi expedida e ele foi apreendido.

Após garoto ser apedrejado e queimado vivo, mãe lamenta homofobia e morte do filho: “ele era uma pessoa boa”.


Guilherme de Souza

Guilherme de Souza, de apenas 21 anos, foi agredido, apedrejado e queimado vivo no último domingo (12), na cidade de Luís Eduardo Magalhães, no oeste da Bahia. Após o assassinato do jovem, a mãe da vítima detalhou ao G1, que jamais esperaria que fizessem isso com o seu filho.

“Ele era uma pessoa boa, alegre, brincava com todo mundo. Jamais na minha vida eu ia pensar que ia acordar de manhã e receber uma notícia dessas. Qualquer mãe pensa que um dia o filho vai chegar em casa porque alguém bateu, fez alguma coisa pelo fato dele ser homossexual”, disse ela.

Franccine de Souza afirmou que sempre se preocupou com a violência, mas não imaginava que aconteceria da forma que foi. “A gente sempre se preocupa, a mãe sempre se preocupa com isso. Mas jamais na minha vida eu ia pensar que iam matar meu filho daquela forma, daquele jeito, por ele ser homossexual”, desabafou.

Ainda de acordo com as informações, o adolescente de apenas 14 anos que ateou fogo em Guilherme, foi capturado pouco depois do crime, e confessou a ação criminosa e torturante. Segundo a polícia, o garoto alegou que a vítima teria xingado à sua mãe, após uma discussão.

Médico é preso após agredir transexual que recusou “beijo grego” em Goiás.



Em Goiânia, uma transexual foi vítima de transfobia em um motel na última quarta-feira (15). Segundo a vítima, um médico conhecido por ser agressivo, teria lhe agredido, e dado um corte intenso na região do supercílio

De acordo com o É mais Goiás, a vítima alegou que foi duramente violentada após recusar um pedido completamente inusitado envolvendo sexo, e bastante contrariado, o médico teria lhe dado um corte.

Ainda segundo informações da vítima, o homem teria jogado uma toalha para cobrir o machucado em seu corpo, já que percebeu que estava sendo filmado, e no ato, teria supostamente tentado o tempo todo impedir a gravação.

Os nomes de ambos não foram revelados, e ainda de acordo com as informações, as tentativas sexuais do médico com a moça, envolviam beijo grego e mão dentro do ânus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário