sexta-feira, agosto 14, 2020

HOMOSSEXUALIDADE

Azar no amor? 7 sinais de que você está se sabotando.



Tá difícil arranjar alguém que valha a pena neste mundão de Deus?

Você já não sabe o que fazer para, finalmente, se dar bem no game do amor? Entra ano sai ano, só surgem caras escrotos e desinteressados na sua vida?

Parece até azar. Macumba. Pré-disposição para embuste. Ou, no mínimo, coincidências muito das estranhas, né?

Mas não é nada disso.

Nada é uma questão de falta de sorte (ou de dedo podre), por mais que você insista em achar que sim.

Se você é do time dos que concordam que TODOS os gays só querem se divertir por uma noite e nada mais, fica a reflexão:

Até que ponto isso tudo é verdade ou é você que, mesmo sem perceber, está criando impedimentos para se envolver com um boy compatível?

Em outras palavras, será que você não está se sabotando?

O que é autossabotagem?

Autossabotagem é agir, de maneira inconsciente, contra si mesmo.

Exatamente.

Sabe quando você está seguindo uma alimentação saudável, focado no projeto verão, e, num belo dia, vem aquela voz interna e diz: “ah, vou comer essa torta, não vai me fazer mal”, ou “vou matar a academia hoje, não tem problema” ou “não sirvo para emagrecer, vou desistir e me contentar em ficar acima do peso”?

Pois é. Nesse momento, você acaba de se deixar levar por um comportamento sabotador.

Comportamentos sabotadores são todos aqueles que impedem você de alcançar os seus objetivos.

Você se matricula na academia, mas nunca vai. Quer emagrecer, mas vive se jogando num pote de Nutella. Quer mudar de emprego, mas nunca atualiza a porra do currículo. Tem um projeto ou trabalho importante para entregar, mas, ao invés de começar de uma vez, acha mil outras coisas para fazer antes (limpar a casa, arrumar o armário, levar o cachorro para passear…). Sabe que a impontualidade te prejudica, mas continua chegando atrasado para tudo sempre. Sabe que tem que tomar o tal do remédio todos os dias, mas, estranhamente, vez ou outra esquece…

É aquele maldito diabinho no canto esquerdo do ouvido, sabe?

Claro que sabe. Você, provavelmente, já se viu puxando o próprio tapete vez ou outra. 

Mas o que talvez você não tenha se dado conta é que a autossabotagem é mega comum também nos relacionamentos. 

Encontrar um parceiro pode ser um objetivo de vida forte para você. E mesmo que você queira muito isso, é bem possível que esteja tendo atitudes incongruentes. 

E não, você não é louco:

Isso acontece até com o mais emocionalmente inteligente dos homens…

Muitas vezes, quando estamos próximos daquilo que tanto desejamos, inconscientemente, damos um jeito de melar com tudo. Por quê?

Porque, no fundo, acreditamos que não somos capazes, ou não merecemos aquilo. 

Exatamente. 

Autossabotagem tem muito a ver com crenças limitantes.  

Quando você acredita que não é bom o bastante, que não merece, que é impossível ser feliz sendo gay, que todos os gays são promíscuos e etc, você age de maneira correspondente (mesmo sem se dar conta). 

Às vezes são comportamentos sutis, quase imperceptíveis para quem os pratica. Mas que são tão automáticos quanto traiçoeiros, e só fazem te afastar daquilo que você quer conquistar. 

Seria a explicação do porquê a sua vida amorosa parece estar estagnada?

É isso que nós vamos descobrir agora…

Para te ajudar a identificar o quanto você tem colaborado com o seu atual “azar” no amor, aí vão 7 sinais de que você pode estar se sabotando:

#1. VOCÊ SÓ SE APAIXONA POR HÉTEROS (OU “HÉTEROS”)

E o primeiro deles não poderia ser outro: 

A paixonite pelo boy hétero (ou pelo boy enrustido).

Aquele que é o seu número, não fosse um pequeno probleminha…

Gosta (ou diz gostar) de mulher.  

Mesmo assim, você se envolve, se apaixona, se ilude, se engana. E, é claro, nunca dá certo. 

Afinal, como esperar mais do que uma trepada sem compromisso de uma relação com um gay que não saiu do armário? Isso seria o mesmo que querer colher uma planta antes mesmo de ela florescer.

Não vai acontecer. Não é a hora certa.

A galera frequentemente me fala algo do tipo:

“Mas eu sinto que ele gosta de mim. Ele me trata muito bem. Sinto que me dá umas olhadas, está sempre achando desculpas para me tocar…”

Se ele pode ser gay?

Pode. Não boto a minha mão no fogo por ninguém, além de mim mesma.

Mas veja bem, caro amigx:

Meeeesmo que ele seja gay (e mesmo que toda a sua fantasia proceda), você terá que concordar comigo num ponto:

Ele não lida muito bem com a sua sexualidade ainda. Ele não está disposto, nem disponível, para mexer nisso agora.

Certo?

Ou seja, não é alguém compatível com você.

Então, passe a aceitar os fatos que você tem agora na mesa.

E esses fatos são:

Ele é hétero. E, caso não seja, não está no momento de sair do armário ainda. Muito menos de começar um relacionamento com outro homem.

Não interessa o que ele é “na no fundo”. Interessa o que ele está disposto a ser aqui na frente.

Na frente de todo mundo.

#2. QUEM VOCÊ QUER, NUNCA TE QUER

Outro clássico da autossabotagem! 

Aliás, existe até um processo na psicologia que alguns chamam de “busca inconsciente pelo sofrimento”.

Resumidamente, você pode não saber lidar com a felicidade. Então escolhe o sofrimento que já conhece.

Complicado? 

Deixa eu explicar melhor…

Acontece que o nosso cérebro está a todo momento tentando economizar energia e automatizar processos. 

É assim que surgem os HÁBITOS, aquelas coisas que você faz sem nem precisar pensar: escovar os dentes, tomar banho, tomar café e etc. 

Inclusive, você sabia que os hábitos fazem parte de 40% do nosso dia? Ou seja, passamos quase metade do tempo no piloto automático, tomando decisões e tendo atitudes que o nosso inconsciente já aprendeu a executar. 

Então, quando o seu cérebro identifica que a rejeição é um padrão de relacionamento seu, o que ele faz?

Exato! Automatiza esse processo também, sem que você nem perceba. Da mesma maneira como você escova os dentes sem precisar se dar conta. 

Pois é…

Por mais irônico que possa soar, quanto mais rejeição uma pessoa sofre no passado, maior é a tendência de que ela repita esse padrão destrutivo e fique “viciada” em ser rejeitada. Isso porque essa foi a maneira distorcida que ela aprendeu a se relacionar e receber amor. Esse é o tipo de relacionamento que ela acredita merecer.

E você ainda achava que o cigarro e o chocolate eram os seus piores vícios…

Que nada!

Por alguma razão desconhecida, lá no fundo você pode acreditar que não merece ser amado.

Daí o que faz?

Se conecta avassaladoramente com homens e situações que confirmem exatamente isso.

Então, não se engane:

Parece atração de outro mundo, mas é apenas o seu cérebro procurando atalhos para alimentar as suas emoções negativas. 

#3. VOCÊ SEMPRE ACHA QUE PODE EXISTIR UM “MATCH” MELHOR

Não importa com quem você esteja saindo ou conversando, sempre fica aquela sensação de que pode existir alguém melhor no próximo “match”?

Alguém mais bonito? Mais interessante? Mais inteligente? Mais a ver com você?

Daí, sem nem se dar conta, você acaba não investindo tudo que poderia na relação atual. Fantasia tanto o futuro, que não consegue focar no presente. 

Se esse é o seu caso, muita atenção para não viver num mundo utópico, de relacionamentos e pessoas sem problemas. 

Aliás, essa coisa de ficar olhando para o lado (ou para a timeline das redes sociais) contribui – e muito – para esse sentimento de insatisfação constante, sabia?

Sim, porque a grama do vizinho sempre parece mais verde.

Mas não se engane: 

Ela também é cheia de galhos fracos. 

É que a distância camufla as imperfeições. De longe, tudo parece lindo. Agora, experimente chegar mais perto…

Pois é. 

Será que vai ter sempre uma oportunidade melhor te esperando mesmo, ou é você que (por algum motivo) está evitando se envolver e regar bem a grama que você já tem no seu quintal?

Não existe boy perfeito, e nem “match” perfeito, gato. 

Então, para acabar com essa sensação, você precisa ter bem presente o que para você é fundamental:

De quais coisas você não abre mão? E quais coisas você não tolera?

O outro vai ter problemas e imperfeições, sim. Isso é fato. Resta a você escolher com quais problemas está disposto a lidar.

#4. VOCÊ TEM MEDO DE SE MACHUCAR

Você é desses que evita conhecer novas pessoas pelo medo de se envolver?

Medo de se machucar?

Medo de se decepcionar?

Medo de ser traído? Rejeitado? Traumatizado?

Tem gente que é assim mesmo:

Se prende tanto ao passado, que não sobra energia para criar o futuro.

Resultado?

Cortam uma relação que está legal porque têm medo de que ela fique mais legal ainda. Dar certo é a pior coisa que pode acontecer. 

Porque dar certo é ter algo bom para se acostumar, talvez se tornar dependente e, consequentemente, sofrer caso acabe.

Daí pra que correr o risco de se machucar, né? Bem mais fácil ficar de boa conhecendo gente nova toda a semana.

Então, escuta só:

Não importa o que de tão horrível aconteceu lá atrás, o seu passado é só uma experiência ruim. E não uma sentença de vida.

Por isso, deixe o passado no passado.

Concentre as suas energias no que pode ser feito AQUI e AGORA.

Que tal trocar o medo por estratégia a partir de hoje?

Como você pode diminuir as chances de que isso aconteça de novo? Que critérios deve ter? Que perguntas deve se fazer? Que coisas não deve aceitar?

No fim das contas, uma experiência só é negativa se você não aprende nada com ela.

#5. VOCÊ ATENDE AO DESEJO DE CURTO PRAZO (E ESQUECE DO DESEJO DE LONGO PRAZO)

Veja bem:

Disciplina é topar trocar um PRAZER IMEDIATO por um PRAZER FUTURO.

Ou seja: abrir mão de algo agora, para poder receber algo lá na frente.

Você abre mão do chocolatinho, para conquistar o corpo que sempre quis ter. Abre mão das horas a mais de sono, para realizar aquele projeto que tá há anos no papel. Abre mão dos dias de bundão virado para cima na praia, para estudar e avançar na carreira. E assim por diante.

Muito bem!

Pois saiba que nos relacionamentos acontece da exata mesma maneira:

Você sabe que encontrar aquele boy vai te fazer mal, que vai acabar com a sua autoestima (assim como o chocolatinho acaba com a sua dieta). Sabe que buscar apenas sexo fácil atrasa os seus reais planos de vida (assim como as horas a mais de sono atrasam aquele projeto). Sabe que insistir em caras enrolados, no fim das contas, é uma perda de tempo se o que você quer é algo sério (assim como passar dias dourando o pandeirão na praia é para quem precisa estudar…)

Logicamente, você sabe de tudo isso.

O problema é que, quando você atende ao desejo de curto prazo, você não pensa de maneira lógica.

Pensa com as emoções. Com o desespero. Com a cabeça de baixo…. Menos com a lógica.

E daí o que acontece na prática?

Você se autossabota.

E atenção:

É claro que alguém que tá de dieta pode comer um chocolatinho de vez em quando. Claro que você pode dormir até tarde às vezes. Claro que pode ter dias de bundão virado para cima na praia.

Tudo isso é possível, sim. Contando que seja feito com equilíbrio e inteligência emocional para não desviar do foco.

Então, fica a pergunta:

O quanto você consegue se manter focado no seu desejo de longo prazo, atendendo ao desejo de curto prazo?

O prazer imediato está te deixando mais perto ou mais longe daquilo que você, realmente, quer conquistar?

#6. VOCÊ INSISTE EM PESSOAS INDISPONÍVEIS

Você é desses que não sabe a hora de tirar o seu time de campo? Desses que insiste mesmo: manda mensagem, liga, convida para sair? Desses que se joga de cabeça nos relacionamentos?

Que se doa. Se envolve. Se entrega?

Para você é tudo. Ou nada?

Então, aí vai uma pergunta para refletir:

Você é costuma ser intenso porque o lance é recíproco, saudável e gostoso para os dois? Ou é insistente porque você tem uma necessidade de validar rápido essa relação?

Validar se ele tá a fim ou não. E se você tem menos ou mais valor por isso. 

Daí, quando o boy para de responder, você já chuta logo o balde para saber qual é a dele? E, mesmo sendo ignorado, você segue agarrado no osso, pensando em mil formas de recuperar a sua atenção?

Muito cuidado: 

Insistir em homens indisponíveis é o mesmo que tentar misturar água com óleo:

Nunca vai funcionar. 

Tá aí outro sinal claro de autossabotagem. 

É aquela coisa: 

A questão não é culpar um palhaço por agir como palhaço, mas sim por que você continua indo no circo?

Quando a gente continua se decepcionando repetidamente com a mesma pessoa, a culpa já não é mais dela…. 

É nossa!

#7. VOCÊ DESISTE FÁCIL DEMAIS

E o contrário também te torna um sabotador. E dos clássicos!

Será que não era para dar certo, ou será que é você que prefere acreditar nisso?

Acreditar que você não pode…

Acreditar que é impossível…

Acreditar que você não é capaz/ que nunca vai conseguir…

Pense bem!

Tem coisa que não é para ser mesmo:

Amores incompatíveis. Empregos incompatíveis. Planos incompatíveis. Objetivos incompatíveis. Rotinas incompatíveis…

… incompatíveis com você!

Sim.

INCOMPATIBILIDADE com quem você é, e com o que você, verdadeiramente, quer para sua vida, não é (nem nunca será) para ser.

Mas também tem coisa que é só você justificando o que, na realidade, tem outro nome:

Falta de persistência. Falta de confiança. Falta de mentalidade. Falta de inteligência emocional para abraçar o fracasso e seguir tentando…

Pois é, amigo!

Não se engane.

É fácil dizer que “não era para ser”. Difícil mesmo é assumir que, às vezes, está só nas suas mãos fazer dar certo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário