terça-feira, agosto 25, 2020

HOMOSSEXUALIDADE

7 sinais de que você sofre de dependência emocional (não ignore o número #3).



Já reparou numa coisa?

Muita gente se refere ao mozão como a “outra metade”.

Isso pode até soar romântico, mas quer saber a real?

É doentio.

Já cansei de ver declarações nas redes sociais do tipo:

“Minha vida”, “meu tudo”, “razão do meu sorriso”.

Ok, é bem verdade que muitos forçam a barra para parecer feliz diante dos olhos invejosos do público seguidor…

Só que, muito além do marketing pessoal do casal, o preocupante é quando essas frases são totalmente reais.

Fulaninho realmente não vê sentido na vida sem o companheiro. Ciclaninho fala sério quando diz que sem o seu boy não há motivos de alegria…

E não. Isso não é papo de recalcado que fica rogando praga no namoro alheio.

Pare e pense no significado que essas legendas carregam. “Você é a minha vida”, “A razão do meu viver” e por aí vai.

Todas elas têm uma coisa em comum:

Parece que, se não estiver com o outro, o tal apaixonado é completamente infeliz sozinho.

É daí que eu te pergunto:

E se acabar? E se o outro não quiser mais?

Acaba a felicidade? Acaba a vida? O mundo desaba?

Claro que não há problema nenhum em ter alguém que te faça mais feliz.

Mas, se não for para potencializar tudo que você já é, esse amor todo tem outro nome:

Dependência!

O que é dependência emocional?

A dependência emocional é uma relação de apego afetivo exagerado, em que pessoa simplesmente não consegue ser feliz sozinha.

Sabe aquela história de “razão do meu viver”?

Pois é…

O dependente emocional (como o próprio nome sugere) depende dos outros real/oficial para se sentir feliz e amado.

Depende da presença. Do que fazem. Do que dizem. Do que sentem. E por aí vai.

Isso pode acontecer tanto na vida de um casal como nas relações familiares ou de amizade. Mas, aqui, darei enfoque ao relacionamento amoroso, pois é nele os casos mais frequentes.

A propósito:

Será que você também sofre desse problema?

7 sinais de que você pode ser um dependente emocional

Uma das grandes dificuldades da dependência emocional é que nem sempre as pessoas reconhecem que estão sofrendo desse mal.

É como um alcoólatra, que se recusa a admitir que é dependente da bebida, sabe?

Ou como um viciado em jogos de azar, que não aceita a situação e daí nunca consegue sair do ciclo das apostas.

Por isso, é mais do que importante ficar atento aos sinais de que você pode ter caído nessa cilada afetiva.

Então, aí vão 7 atitudes bem comuns do dependente emocional:

#1. VOCÊ NÃO CONSEGUE FICAR SOZINHO

Momentos sozinho na sua companhia são desesperadores? Quando ele não está perto, parece que você fica perdido? Parece que a vida não tem sentido? Tudo fica sem graça?

Bingo!

Quando alguém não consegue mais viver sem o outro, não existem dúvidas de que rola uma dependência emocional.

E que fique claro:

Querer estar junto é gostoso. Sentir saudades é saudável.

O problema começa no momento que essa sensação de desamparo se transforma em crises de pânico por estar sozinho.

Você só se sente realmente feliz e completo quando está com ele. Não enxerga mais o seu valor enquanto uma pessoa única, saca?

#2. VOCÊ NÃO CONSEGUE TOMAR DECISÕES SOZINHO

Você não consegue decidir nada sozinho? Tudo depende da aprovação e do “amém” dele?

Alerta vermelho:

Dependente emocionais são eternos habitantes de cima do muro.

E não se trata apenas de serem pessoas indecisas — nesse caso, a opinião própria pouco importa.

O que vale mesmo é o que o outro acha ou vai pensar a seu respeito.

#3. VOCÊ NÃO TEM VIDA PRÓPRIA

Não existe a sua vida, só existe a vida de vocês?

Então, escuta só:

Legal pensar como dois. Bacana ter programações do casal.

Mas se praticamente todas as atividades do seu dia incluem o boy do lado, muita atenção:

Um dos sinais mais evidentes da dependência emocional é que você não está fazendo nada fora do relacionamento. Seja um hobby, estudos, uma carreira, amigos… tudo o que você faz é com ele junto.

Daí não há amor que sustente esse grude todo, néan?

Sair com outras pessoas não significa que você está “abandonando” o seu boy: significa apenas que você é alguém emocionalmente independente.

#4. SUA AUTOESTIMA DEPENDE DOS ELOGIOS DELE

Esse é um clássico!

Sabe aquela pessoa que fica constantemente perguntando ao parceiro se ele a ama, se está bonito, se a roupa vestiu bem?

É mais ou menos por aí.

Dependentes emocionais exigem uma declaração de amor e lealdade a todo momento. Isso porque a sua autoestima depende totalmente da atenção e aprovação do outro.

A validação do boy é bem mais importante do que a sua própria.

Se não tem elogio, não tem textão nas redes, nem juras de companheirismo eterno antes de dormir, também não tem amor (próprio).  

#5. VOCÊ SE RELACIONA COM UMA IDEALIZAÇÃO

Acontece muitíssimo também:

Você inventa o boy perfeito na sua cabeça. Praticamente uma fada sensata, que nunca errou. Daí, claro, coloca esse homem num pedestal e se agarra na ideia de que “nunca vai encontrar outro igual”.

Tudo sem de dar conta de que esse boy perfeito não é a mesma pessoa que está aí na sua frente, de carne e osso.

Muita atenção:

Se o papel que você criou do parceiro incrível é simplesmente um papel, então você não está em um relacionamento com uma pessoa real…

Você está em um relacionamento com uma versão fantasiosa dessa pessoa.

#6. VOCÊ É CIUMENTO E POSSESSIVO

Não importa o que ele diga, você não acredita. Não importa com quem ele esteja, você duvida. Não importa aonde ele vá, você questiona.

Tudo parece ser ameaçador. Tudo te desperta um medo incontrolável de perdê-lo…

ATENÇÃO!

Se você não consegue controlar o ciúme, se está sempre desconfiado de tudo e não perde uma oportunidade de checar celular e redes sociais do seu boy, é real/oficial:

Você é um dependente emocional.

Vamos procurar ajuda?

#7. VOCÊ SE DIMINUI PARA CABER NA VIDA DO OUTRO

Dependentes emocionais fazem isso:

Mudam a agenda. Mudam os planos. Mudam a rotina.

Cancelam compromissos. Cancelam objetivos de vida. Cancelam pessoas…

Tudo para estar mais próximo (ou para agradar) o parceiro.  

Isso inclui lugares que param de frequentar, programas que deixam de fazer, amizades com as quais deixam de conviver e assim por diante.

Aqui alguns exemplos:

*Cancelar encontros com a família ou velhos amigos porque o parceiro não os aprova;
*Mudar de time, de prática espiritual ou religiosa, ou até de afiliação partidária, para evitar desavenças e brigas;
*Deixar de praticar alguma atividade física porque ele tem ciúmes;
*Largar o emprego, a faculdade, ou qualquer outro curso, porque o boy não incentiva. Ou porque isso impede que vocês dois passem mais tempo juntos.

Pegou a ideia, não é mesmo?

Em resumo, você muda os seus planos para se encaixar nos dele. Afinal, quando não estão juntos, você se sente só, inseguro e entediado.

Faz sentido?

Então, se faz sentido, preste bem atenção no que eu vou te falar agora…

Ser amado é uma necessidade humana, mas ser amado por alguém específico é uma falsa necessidade sua

Caso você tenha se identificado com os sinais acima, eu estou aqui para te dizer uma coisa:

Você não está louco.

E por quê?

Porque ser amado é uma necessidade humana.

Sim. Você precisa ser amado assim como precisa de ar para respirar.

Inclusive, alguns estudos por aí já provaram que a falta de afeto em bebês pode provocar até a morte.

Exato. Você leu bem.

Mas preste atenção em um fato interessante:

Você agora mesmo está respirando, não está? Não porque você quer, mas porque você precisa.

E você faz isso sem nem se dar conta.

Você não pira pensando que vai faltar ar (a menos que tenha algum problema pulmonar, claro). Caso contrário, você simplesmente respira.

A experiência de PRECISAR nesse caso é tranquila, não é mesmo? Você sabe que existe ar suficiente por aí disponível. E sabe também que tem pulmões capazes de captar esse ar.

Muito bem.

Mas o que acontece com a experiência de precisar na sua vida amorosa?

É angustiante. É instável. É ameaçadora.

Parece que, se o outro não corresponder, vai faltar amor.

Agora pense só:

O que você faria caso estivesse num lugar apertado, sem muito ar, ou num lugar com ar poluído?

Trocaria de lugar, não é mesmo?

Pois é…

E por que você não tem essa exata mesma mentalidade quando é o assunto é relacionamento?

Por que é dependente? Por que deposita no outro todo o seu sentido de viver?

Grave bem isso:

Você precisa de amor. É verdade. Todos precisamos.

Mas você NÃO PRECISA do amor de pessoas específicas.

O amor é tão abundante quanto o ar.

Não sofra com amores sufocantes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário