segunda-feira, agosto 10, 2020

NOTICIAS DO MUNDO GAY

Manifestantes tentam impedir prisão de ativista LGBT na Polônia.



 Ativistas LGBT bloqueiam passagem de carro de polícia que transporta uma ativista pelos direitos dos homossexuais, em 7 de agosto de 2020 em Varsóvia, Polônia

Dezenas de manifestantes tentaram impedir a polícia polonesa de prender uma ativista dos direitos LGBT em Varsóvia nesta sexta-feira, depois que um tribunal ordenou sua prisão preventiva por um período de dois meses.

A ativista, que se identifica como mulher e atende pelo nome de Margo, foi levada a tribunal com sua identidade masculina. 

Ela é acusada de danificar uma van com inscrições homofóbicas em Varsóvia em junho e de empurrar intencionalmente um voluntário de uma fundação antiaborto e proprietário do veículo. 

A van da "Fundação pró-direito à vida" circula com frequência pelo centro de Varsóvia, pronunciando slogans homofóbicos e coberta de cartazes nos quais se relacionam homossexualidade e pedofilia. 

"Durante a prisão da ativista, a multidão impediu a ação da polícia. Houve intervenções contra as pessoas mais agressivas. Violações da lei não serão toleradas", escreveu a polícia de Varsóvia no Twitter, após dezenas de manifestantes bloquearem momentaneamente o carro da polícia em que Margo estava sendo transportada. 

A prisão preventiva, normalmente utilizada para evitar que um novo crime seja cometido, é uma medida "repressiva", segundo a militante, citada pela assessoria de imprensa do PAP antes de sua prisão. 

"Eu gostaria de ver criminosos perigosos sendo perseguidos tão duramente quanto ativistas", disse Hanna-Gil Piatek, uma representante de esquerda presente no comício. 

Margo faz parte de um grupo de ativistas suspeitos de ter decorado vários monumentos em Varsóvia, incluindo uma estátua de Jesus Cristo, com bandeiras LGBT e símbolos anarquistas na semana passada. 

Os procuradores iniciaram processos contra três pessoas neste caso por profanação de monumentos e ofensa a sentimentos religiosos.

Parlamentares na Polônia usam cores do arco-íris em protesto contra presidente anti-gay.



Protesto aconteceu durante posse do presidente Andrzej Duda, eleito ao defender que a “ideologia LGBT” é um perigo nacional.

Membros da oposição do parlamento polonês formaram um arco-íris com suas roupas nesta quinta-feira (6), para marcar posição durante cerimônia de posse do presidente eleito, Andrzej Duda, em Varsóvia. O ato também tinha a intenção de demonstrar solidariedade à comunidade LGBT no país europeu.

Andrzej, que pertence ao partido de direita PiS (Lei e Justiça), foi eleito no final julho para um segundo mandato de cinco anos. Em sua campanha, ele tentou se mostrar como um “guardião” dos programas sociais do governo, mobilizando sua base conservadora e críticas ao movimento LGBT.

Nas últimas semanas de campanha, ele afirmou que a “ideologia LGBT” era mais perigosa do que a “doutrina comunista” e prometeu garantir que as escolas públicas sejam proibidas de discutir os direitos destas pessoas.

Nesta quinta, as parlamentares do partido “Esquerda”, usaram máscaras e roupas com as cores do arco-íris, que representam a bandeira do movimento LGBT. Elas sentaram em fileira e formaram imagem com as cores durante a cerimônia, realizada na câmara baixa do parlamento, chamada de “Sejm”.


Parlamentares sentam em fileira para formar bandeira LGBT nas cadeiras do parlamento polonês, em Varsóvia.

“Não queremos uma situação semelhante durante o seu próximo mandato, como ocorreu durante sua campanha, quando o presidente desumanizou as pessoas LGBT negando-lhes o direito de serem pessoas”, disse.

Ainda segundo a agência de notícias, o PiS, partido do presidente, argumentou que os direitos LGBT fazem parte de uma “ideologia estrangeira invasiva que mina os valores poloneses e a família tradicional”.

Em seu discurso de juramento, Duda reiterou sua promessa de manter “a família como a pedra fundamental da sociedade, como nosso bem mais precioso”.


Membros do parlamento usam máscaras com as cores do movimento LGBT.

Recentemente, algumas cidades polonesas foram informadas de que perderiam o financiamento da União Europeia por incitarem a LGBTfobia. Desde o início de 2019, foram registrados mais de 80 casos na Polônia em que governos tanto regionais, ou locais, se declararam como “zonas livres de ideologia LGBT”.

Segundo a ILGA (Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Intersexuais), maior organização mundial em defesa dos direitos LGBT, o discurso de ódio por parte de líderes políticos e religiosos aumentou em 17 países da Europa, incluindo Portugal, Espanha e Finlândia, conhecidos por serem acolhedores a esta população. A violência homofóbica, como um todo, também cresceu na região, de acordo com o estudo.

Influenciador gay russo é encontrado morto na casa de amigo com sinais de espancamento e estrangulamento.



Um influenciador russo gay foi encontrado morto em São Petersburgo no último domingo (02/08). De acordo com o The Daily Star, Ali Zabinov, mais conhecido como Ego Gromov no TikTok e Instagram, foi encontrado com sinais de espancamento e estrangulamento, na casa de um amigo. A polícia prendeu o amigo, que não teve a identidade revelada.

Segundo a publicação, no dia anterior a sua morte, Ali teria visitado o apartamento do amigo, de 46 anos, porque pretendia pedir dinheiro emprestado ao suspeito. Os dois começaram a beber muito e Ali decidiu passar a noite por lá. No dia seguinte, ao acordar, o homem encontrou o corpo do influenciador e alertou a polícia local. “Eu tentei acordá-lo. Eu mesma chamei a polícia. O que eu poderia fazer?! Se eu soubesse que ele ia morrer aqui, eu o deixaria entrar ou o quê?”, alegou o amigo para a polícia.

A polícia encontrou o corpo do influenciador de 23 anos deitado de bruços e com sinais de estrangulamento no pescoço, bem como marcas de espancamento. A polícia especula que o amigo teria cometido o crime após um ataque de raiva depois de Ali tentar beijá-lo. No entanto, não apresentaram evidências para apoiar a teoria.

O jovem influenciador teria sido submetido a abusos homofóbicos e ameaças online por anos devido à sua sexualidade aberta. Seu perfil no TikTok (@gromov20) possui mais de 5 mil seguidores e 26 mil curtidas. Esperamos que a justiça seja feita!

Damares causa revolta ao excluir famílias LGBTQIA+ de campanha.



A Ministra Damares Alves, responsável pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, lançou programa que exclui totalmente as famílias formadas por casais de LGBTQIA+ e veta casais homos de todas as imagens ilustrativas relacionadas ao programa direcionado ao povo brasileiro.

Em recente anúncio, o programa Município Amigo da Família traz imagens de famílias de apenas estrutura tradicional, formadas por homem, mulher e filhos. Ângela Gandra, responsável pela campanha, explicou o objetivo do programa e afirmou que famílias homossexuais não são citadas no anúncio por totalizarem ainda número pouco expressivo.

“Nós colocamos essa chamada porque a família constituída homoafetiva é muito pequena ainda. Nós não estamos excluindo ninguém. Nós estamos trabalhando com evidências”, disse a secretária em entrevista.

Grupo “Gays com Bolsonaro” recruta novos membros LGBTs e vira piada na web.



Recentemente, o grupo “Gays com Bolsonaro”, do Twitter, abriu um processo seletivo para recrutar membros do LGBTs para dar apoio ao presidente Jair Bolsonaro.

Para ser aceito, os membros devem ter “predisposição aos valores conservadores” e “transformar o Brasil pra melhor”. O perfil, que conta com mais de 13 mil seguidores, fez o seguinte anúncio: “Estamos recrutando novos integrantes. Se você é gay, lésbica, bi, trans… Tem predisposição aos valores conservadores e deseja ajudar a transformar o Brasil pra melhor, saiba que você não está sozinho, vem com a gente.”, diz o comunicado.

Nos comentários, internautas caçoaram o tal recrutamento de LGBTs para apoiar Bolsonaro. “Gays conservadores é pq saíram do armário, mas a cabeça ficou lá . Vontade de serem aceitos, um auto ódio imenso , que se prestam a esse papel deprimente, humilhante, servil, triste e vergonhoso de se alistarem em sacrifício aos seus algozes”, disse um usuário da rede. “LGBTQ+ com predisposição aos valores conservadores que nos mataram e nos matam todos os dias”, ironizou outro.

Vale ressaltar que recentemente, a ministra do governo Bolsonaro, Damares Alves, criou uma campanha que exclui totalmente famílias LGBTQIA+ de serem citadas em anúncios do governo.

Motoboy humilhado ganha mais de R$ 112 mil em vaquinha, moto nova e acumula seguidores.


Jovem sofreu ataques de homem em condomínio

O motoboy Matheus Pires Barbosa, de 19 anos, que foi flagrado sendo humilhado por um cliente e um condomínio em Valinhos, no estado de São Paulo, recebeu grande apoio de internautas nas redes sociais. 

Uma vaquinha feita para ajudar o jovem entregador acumula mais de R$ 112 mil.  O rapaz ainda recebeu ajuda de celebridades como o humorista Matheus Ceará e do apresentador Luciano Huck.

"Essa ajuda vai me ajudar bastante. Minha moto estava ferrada no mecânico. E, como eu estou recebendo ajuda de todos os lugares, vou doar a minha para outra pessoa", disse Matheus nos stories do humorista após ganhar uma moto de presente.

"Tudo isso já mudou a minha vida. Mas a gente fica achando que as coisas acontecem longe da gente, mas o racismo e o preconceito está perto da gente. No meu caso se não tivesse ninguém gravando, talvez seria mais um caso que ninguém saberia de nada”, completou.

O caso

Nas imagens feitas no dia 31 de julho, um homem aparece ofendendo o motoboy em um condomínio. Ele chega a chamar o jovem de lixo, semi-analfabeto e diz que o rapaz não tem onde morar. O contabilista ainda aponta para a própria pele diz “você tem inveja disso aqui”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário