segunda-feira, setembro 21, 2020

NOTICIAS DO MUNDO GAY

 “Ame seus filhos como são”, diz Papa Francisco em reunião com pais de crianças LGBTs.

O Papa Francisco se reuniu com um grupo de 40 pais de crianças LGBTQ+ na quarta-feira (16/09) para conversarem sobre o tratamento que seus filhos recebem pela Igreja, que tem esquecido ou estigmatizado a comunidade.

“Na dolorosa jornada que cada um de nós tem feito como crentes LGBT , confesso que não teria imaginado que chegaríamos a esta etapa. Reunirmos em audiência com o santo padre”, disse uma das representantes da associação italiana Tenda di Gionata, entidade italiana que incentiva as comunidades cristãs a acolherem pessoas LGBTQ+ “Queremos fazer uma ponte com a Igreja para que também ela mude o olhar sobre nossos filhos, não mais os excluindo, mas acolhendo-os plenamente”, disse a vice-presidente da associação, Mara Grassi. “A Igreja não os exclui“, respondeu Francisco. “Ame seus filhos como são, porque são filhos de Deus“.

Essa não é a primeira vez que o Papa dá declarações de abertura à comunidade LGBT+. Em maio de 2018, Francisco disse a frase “Deus te ama assim” a um homem gay vítima de pedofilia no Chile.

Parlamento Europeu condena Polônia por violação de direitos LGBT no país.


Órgão ainda pediu que União Europeia tome medidas contra o governo, incluindo a possibilidade de negar-lhe financiamento do bloco.

O parlamento Europeu condenou a Polônia por violações dos direitos LGBT e exigiu que a União Europeia tome medidas contra o governo nacionalista do país, incluindo a possibilidade de negar-lhe financiamento do bloco.

Na decisão desta quinta-feira (17), o Parlamento também votou por ampla maioria para aprovar uma resolução sobre os direitos humanos no país, onde os municípios criaram as chamadas “zonas livres de LGBT”.

O órgão é um dos três ramos legislativos da União Europeia e uma das suas sete instituições. Juntamente com o Conselho da União Europeia, ele adota legislação europeia, geralmente sob proposta da Comissão Europeia. Atualmente, o Parlamento é composto por 705 membros.

A Polônia e a UE têm entrado em conflito cada vez mais sobre os direitos LGBT, denunciados de forma equivocada por políticos do partido Lei e Justiça (PiS) e bispos católicos que entendem que essa parcela da população carrega uma “ideologia” estrangeira que ameaça os valores tradicionais.

Porta-vozes do governo polonês não responderam a um pedido de comentário a pedido da Reuters.

Ainda segundo a agência, o primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, está resistindo aos esforços dos ultraconservadores da coalizão de governo para intensificar a repressão do governo aos direitos LGBT e de mulheres, com medo de prejudicar ainda mais os laços com a União Europeia.

O presidente Andrzej Duda, que pertence ao partido de direita PiS (Lei e Justiça), foi eleito no final julho para um segundo mandato de cinco anos. Durante corrida eleitoral, ele tentou se mostrar como um “guardião” dos valores, mobilizando sua base conservadora com críticas ao movimento LGBT.

Nas últimas semanas de campanha, ele afirmou que a “ideologia LGBT” era mais perigosa do que a “doutrina comunista” e prometeu garantir que as escolas públicas sejam proibidas de discutir os direitos destas pessoas.

Em seu discurso de juramento, Duda reiterou sua promessa de manter “a família como a pedra fundamental da sociedade, como nosso bem mais precioso”.

Postura do atual governo agravou as tensões já profundas com a Comissão Europeia sobre as políticas governamentais que, segundo o executivo da UE, subvertem a democracia, incluindo tentativas de restringir os direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais.

Pesquisa aponta que 4 em cada 10 LGBTs+ no Irã são vítimas de violência sexual.

Uma notícia chocante envolvendo o Irã, acaba de ser divulgada pela Organização Iraniana LGBT+ 6Rang, onde aponta que quatro em cada 10 LGBTs iranianos são vítimas de violência sexual e estupro no país.

O diretor executivo da organização falou sobre a problemática no país: “Os resultados desta pesquisa mostram que a violência sexual e o abuso na família e nos espaços públicos, locais de trabalho e ambientes educacionais são geralmente silenciados sem punição e responsabilidade para os perpetradores”.

Ele também falou sobre a dificuldade de denunciar esses abusos sendo um iraniano. “Esta comunidade está ainda mais privada da proteção da lei e do judiciário do que as mulheres. Por outro lado, se forem à polícia, podem ser vítimas de violência combinada por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero, ou enfrentar acusações criminais.”

A nova pesquisa da organização entrevistou LGBTs do Irã, a maioria deles com menos de 35 anos. Foi constatado que 62% deles sofreram um ou mais tipos de violência de sua família imediata. Em um terço dos casos, responderam que já passaram por violência sexual e para 77% disseram que sofreram violência física. Mais de um em cada três está sob pressão para entrar em um casamento forçado.

Enquanto isso, 15% foram vítimas de violência sexual na escola ou universidade. E 30% deles foram vítimas de violência sexual por seus pares. 42% sofreram violência sexual em espaços públicos.

Travesti espancada com pedaço de madeira é acolhida e presta depoimento sobre crime.


A travesti que aparece sendo espancada em um vídeo que circula desde quarta-feira (16/09) nas redes sociais já foi identificada, acolhida e retirada do Rio Grande do Norte, onde ocorreu a agressão, segundo informou a Revista Híbrida.

De acordo com informações da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), o caso já foi denunciado para o Ministério Público do Estado e a ONG Atravevida também acompanha o desenrolar da apuração.

Na gravação é possível ouvir o agressor dizendo que a vítima “ia aprender a respeitar o crime” e exigindo que ela se desculpe por ter divulgado em suas redes sociais um vídeo tomando cerveja. Nas imagens ainda é possível perceber que um homem dos agressores está com uma arma na cintura, impossibilitando que a vítima fuja. 

Após estuprar menina de 13 anos lésbica para ‘cura gay’, bispo é condenado a mais de 20 anos de prisão.

Com o intento de promover a ‘cura gay’, o bispo evangélico João Batista dos Santos estuprou uma menina de 13 anos de idade. De acordo com a sentença proferida pelo  juízo da Vara Criminal do Recanto das Emas, o religioso foi condenado a uma pena de 20 anos e 6 meses de prisão.

Na ocasião, como uma forma de remissão de “pecados”, a garota procurou o líder para confessar sua orientação sexual. Após revelar que é lésbica, o bispo propôs passar um óleo para ungir o corpo da garota, visando a chamada “Cura gay“, que já foi rechaçada por psicólogos e psiquiatras mundo afora.

“A conduta do réu trouxe à vítima problemas de saúde consistentes em crises de ansiedade e do pânico, bem como gerando a ocorrência de episódios de desmaios e necessidade de atendimento psicológico, aspectos que sugerem gravames que extrapolam o próprio dissabor decorrente dos atos libidinosos a que foi submetida”, diz a sentença.

Ainda, segundo informações, ele já havia sido condenado duas vez pelos crimes de violação sexual mediante fraude, que recorre. Todavia, o religioso respondia em liberdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário