segunda-feira, outubro 19, 2020

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

 Rússia vai indenizar ativistas LGBT+ presos ilegalmente.


Como todos sabem, a aceitação da diversidade na Rússia não é algo tão abrangente. A homossexualidade foi considerada um crime no país até 1993 e uma doença mental até 1999. Desse modo, embora haja comunidades homossexuais ativas nas principais cidades do país, a atmosfera é mais tensa desde que a Rússia adotou, em 2013, uma lei que proíbe a “propaganda” gay para menores.

Todavia, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (ECoHR) entendeu que a Rússia não tem legitimidade para interferir no protesto pacífico de manifestantes LGBT+ que não concordam com as leis vigentes.

Em 11 de junho militantes e cristão ortodoxos defendiam pautas contrárias em frente ao prédio da Duma. No entanto, LGBTs foram cerceados e presos pela polícia, ao passo que os tradicionais não receberam nenhuma sanção.

Desse modo, por compreender que a manifestação era legítima, em 13 de outubro, o comitê ECoHR rejeitou as reivindicações do governo e ordenou que a Rússia concedesse aos candidatos 5.000 euros (EUR) em danos a cada um.

Casal gay é filmado transando em piscina transparente de resort gay e clube é multado.


Famoso resort gay no México, o Mantamar Beach Club foi multado em pouco mais de mil dólares depois que dois homens foram filmados fazendo sexo dentro de uma das piscinas transparentes do clube. Puerto Vallarta, um dos destinos gays mais populares do mundo, aplicou a multa contra o local depois que o vídeo do momento viralizou.

De acordo com o site do Mantamar Beach Club, o resort é um “clube de praia sofisticado, exclusivo, chique e badalado localizado em um dos destinos gays mais famosos do mundo”. Apenas para adultos, o local tem uma série de piscinas e jacuzzis, alguns dos quais elevados e fechados com paredes transparentes de acrílico. O clube está localizado em uma praia pública e os atos sexuais em questão parecem ter sido filmados da praia.

O coletivo Vallarta LGBT divulgou um comunicado no Facebook punindo o clube por permitir que o incidente ocorresse à vista do público. “Para poder exigir [respeito], temos que nos respeitar”, disse. Segundo o site OUT, o casal não foi notificado pelo hotel, nem pela polícia local, que possui diversos outros vídeos do momento. O Mantamar pagou a multa e o clube continua aberto.

Confira

Hackers invadem seminário LGBTI+ sobre eleições e divulgam imagens nazistas.



Foram veiculadas imagens de suástica, saudações nazistas, pornografias e bandeira do arco-íris sendo queimada.

O seminário “Diálogos para enfrentar as desinformações, notícias falsas e discurso de ódio nas eleições municipais”, evento com transmissão ao vivo e que faz parte do programa "Voto Com Orgulho", da Aliança Nacional LGBTI+, foi invadido por hackers com imagens e mensagens nazistas, discriminatórias e pornográficas.

O ataque aconteceu nesta quinta-feira (15) após a abertura da segunda mesa de debates. Os hackers divulgaram imagens de uma suástica e saudação nazista, além de um vídeo em que a bandeira LGBTI+ era queimada. O grupo também divulgou imagens pornográficas e uma mensagem creditada a Adolf Hitler.

De acordo com a Aliança LGBTI+, uma comissão de advogadas e advogados foi constituída para oferecer suporte à entidade.

A Aliança Nacional LGBTI+ fará nesta sexta (16) registro de ocorrência na Polícia Federal e enviará um comunicado ao Ministério Público Federal Eleitoral. A entidade afirma ainda que os participantes do debate farão registro de ocorrência nas Delegacias de Crime da Internet da Polícia Civil nos Estados.

Para Toni Reis, presidente da Aliança Nacional LGBTI+, divulgar símbolos nazistas é crime. "Com a decisão do Supremo Tribunal Federal, que considerou a LGBTIFOBIA como crime de racismo, não podemos aceitar esse ataque racista e discriminatório. A liberdade de expressão precisa ser garantida e o sistema de segurança e justiça precisam atuar no caso. O ataque que sofremos é uma grave violação da agenda democrática no Brasil”.

Cláudio Nascimento, diretor de Políticas Públicas da entidade e coordenador do seminário, afirmou estar chocado com o ataque. "Estão fazendo isso nas lives de feministas, dos povos pretos e contra nós LGBTI+. Os órgãos da polícia e de Justiça precisam agir para coibir crimes de ódio e ataques às liberdades democráticas e aos direitos humanos. O movimento LGBTI no Brasil há mais de quatro décadas vem sofrendo diversos ataques, mas esta perseguição não vai nos esmorecer, pelo contrário, seguiremos na luta pela cidadania LGBTI+ e contra o nazismo”, disse.

Após o ataque, o encontro será realizado no dia 22 de outubro, às 18h. A Aliança afirma que terá "mais rigor" na segurança digital e que o evento será exibido pela sua conta no Facebook.

Pela primeira vez, pessoas trans poderão usar nome social em eleições municipais.



Além de diversas candidaturas de pessoas trans outro paradigma foi quebrado – O formulário do Requerimento de Registro de Candidatura (RRC) pede, entre outros dados pessoais, o nome social que o candidato ou candidata utiliza, se for o caso, segundo a Agência Aids.

“Tenho 20 anos de militância e ativismo LGBT usando o nome Bruna La Close, como vou colocar na urna José Antônio? Fica até incoerente e acaba apagando minha história”, diz a candidata a vereadora Bruna La Close (PT-AM).

Além do mais, para que pessoas trans se sintam menos discriminadas e mais confiantes em seus ambientes laborativos, a Advocacia Geral da União (AGU), a Defensoria Pública da União (DPU) e a Secretaria de Trabalho e Previdência Social do Ministério da Economia entraram em um acordo que permite que pessoas trans usem seus nomes sociais na Carteira de Trabalho.

Com prazo de 180 dias para efetivação, a medida visa o direito de retificação do nome sempre que solicitado pelo interessado. Vale frisar que o sistema da CTPS é digital e unificado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário