segunda-feira, outubro 05, 2020

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

 Na Bélgica, primeira mulher transexual é eleita a cargo de vice-premier.


Petra de Sutter

De acordo com o Gay Blog, Petra de Sutter foi escolhida para se tornar vice-premier ministra da Bélgica, e com tal ação, se consolida como a primeira mulher transexual a exercer um dos cargos mais desejados no meio político da Europa.

“Estou incrivelmente grata pela confiança que recebi do meu partido. Agora posso fazer o que for preciso para relançar nosso  país e trabalhar para um futuro para todos os belgas”, disse ela por meio das redes sociais.

Alexandre De Croo, um dos diretores da da luta LGBTQI+, não escondeu a sua felicidade com a nova trajetória de Petra.

“Estamos muito felizes que uma integrante da comunidade trans foi nomeada para este cargo político de nível sênior. A nomeação de Petra é um chamado e uma inspiração para que governos pelo mundo aumentem a representatividade trans em seus quadros superiores”, falou ele à Reuters.

Técnico de futebol tira time de campo após jogador gay ser vítima de homofobia.


Landon Donovan e Collin Martin

Na última quinta-feira (01), Landon Donovan, nome do técnico do time de futebol San Diego Loyal, foi um dos mais comentados na internet, por ter retirado todo o seu elenco de campo, durante o intervalo de uma partida na disputa United Soccer League (USL).

Na ocasião, o profissional alegou que o jogador, Collin Martin, abertamente homossexual, teria sido vítima de homofobia durante a competição.

“Eles foram muito claros naquele momento e disseram que abriríamos mão das esperanças de chegar aos playoffs, embora estivéssemos vencendo um dos melhores times da liga com folga. Eles disseram que não importa. Existem coisas mais importantes na vida e temos de defender aquilo em que acreditamos“, disse ele.

Por fim, Landon deixou claro o seu repúdio contra qualquer tipo de preconceito e discriminação. “Passamos por um incidente muito difícil na semana passada no jogo de Los Angeles e juramos a nós mesmos, à nossa comunidade, aos nossos jogadores, ao clube, à liga, que não aguentaríamos intolerância, calúnias homofóbicas coisas que não pertencem ao nosso jogo“, finalizou ele.

Anthony Galindo, ex-Menudo, morre após internação por tentativa de suicídio.



Após ser internado por tentativa de suicídio nos EUA, Anthony Galindo, integrante do extinto grupo Menudo, teve os aparelhos que o mantinham vivo desligados com autorização da família. O artista morreu neste sábado (03).

“Como era de sua vontade, a família assinou uma autorização para a doação dos órgãos e, dessa maneira, no momento em que deixa de existir, vai poder ajudar outras pessoas e salvar suas vidas”, diz o comunicado. A informação foi confirmada pela família do cantor venezuelano.

“Agradecemos por todas as orações e apoio nestes momentos tão difíceis para a nossa família e para tantas pessoas que tiveram a oportunidade de conhecê-lo, pessoalmente e como artista”, disse a família Galindo Ibarra, por meio do Instagram.

Ainda, de acordo com a nota divulgada pelos familiares, Galindo sofria de depressão e a doença intensificou em decorrência do isolamento social imposto pela pandemia.

Crivella fala de ‘kit gay’ em debate e vira piada.



Marcelo Crivella participou do primeiro debate dos candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro, que, em dado momento, suscitou polêmicas corroborando um clima de animosidade para o embate. Em sua argumentação, o candidato do Republicanos trouxe à tona o tema “kit gay”, já categorizado como Fake News.

Ainda, Crivella (Republicanos) e o ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) são candidatos que lideram as pesquisas de intenção de voto. “Se o Psol ganhar a eleição, as escolas vão ter o que as crianças deveriam ter em casa: orientação sexual. Vai ter kit gay nas escolas e a liberação das drogas”, afirmou Marcelo, em sua réplica ao ser indagado por Renata Souza.

Crivella, no entanto, após a declaração virou assunto nas mídias sociais. “Depois dizem que eu implico com os crentelhos. Crivella ataca adversários em debate no Rio, usando fake news do kit gay. Deveria ter deixado o debate algemado e preso. Além de corrupto e de possuir milícia particular, paga com dinheiro público, o meliante usa fake news em debate”, disse o internauta.

“Vi aqui os highlights do debate na Band. O Crivella não tem um pingo de vergonha na cara, respeito pelas pessoas e compromisso com a palavra de Deus. Acusa a Benedita de mentir, mas o pastor mente sobre o ‘kit gay’ e o tomógrafo. A candidata está certa”, falou mais um.

Bolsonaro perde processo em que era chamado de homofóbico e terá que pagar indenização de R$ 10 mil.

https://pheeno.com.br/wp-content/uploads/2020/10/bolsonaro-pheeno-capa.jpg

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro considerou improcedente uma ação por danos morais movida por Jair Bolsonaro (sem partido) contra o deputado estadual e ex-ministro do Meio Ambiente Carlos Minc (PSB-RJ). Na decisão, a juíza Amalia Regina Pinto determinou ainda que o presidente pague as custas e honorários advocatícios da ação, fixados em R$ 10 mil.

Em 2018, quando Bolsonaro ainda era deputado federal e candidato à Presidência, ele ajuizou um processo de danos morais contra Minc por da seguinte publicação: “Machista, homofóbico, anti ecologia, racista, truculento. Tem 7 mandatos, votou a favor de mordomias de deputados e diz não ser político. Defende ditadura, tortura, fim de políticas sociais. É contra tudo isto que está aí. E tem 16%. Há que se, combater resistir contra o retrocesso”, escreveu o parlamentar na época. 

Segundo a Folha de S.Paulo, Bolsonaro alegou que o texto gerou mácula ao seu nome, dos filhos e netos e pediu que Minc fosse condenado a pagar R$ 10 mil por danos morais. Já o Minc justificou sua fala citando episódios em que Bolsonaro disse que não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT-RS) porque “ela não merecia ser estuprada”, em que afirmou preferir ter um filho morto a gay, em que se referiu a quilombolas como pessoas que pesam arrobas e naquele em que afirmou que “o erro da ditadura foi torturar e não matar”.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, no entanto, julgou a ação de Bolsonaro improcedente. Para a juíza Amalia Regina Pinto, o efeito das declarações de Minc sobre a campanha de Bolsonaro é paradoxal, “já que tanto ele como os filhos tiveram vitória esmagadora”. “Considerando que o raciocínio que redundou nas declarações publicadas pelo réu [Minc] foi extraído das premissas mencionadas pelo autor [Bolsonaro] em diversos episódios, não vislumbro no caso a prática de ato ilícito, pois entendo que o réu agiu dentro dos limites do direito de expressão que lhe é constitucionalmente assegurado”, diz a juíza na sentença.

Pastor que comparou gays à Aids é condenado a pagar R$ 100 mil de indenização à população LGBTQ+.



A Justiça do Rio de Janeiro determinou que o ex-secretário Ezequiel Cortaz Teixeira pague uma indenização de R$ 100 mil em benefício da população LGBTI+ do Rio, segundo informou o G1. Ele foi condenado por ter afirmado, em 2016, que acreditava na “cura gay“, comparando a homossexualidade a doenças como Aids e câncer.

Ezequiel, que ficou apenas dois meses no cargo de secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, foi exonerado logo depois das declarações, pelo então governador Luiz Fernando Pezão. “O conceito de direitos humanos, como se sabe, perpassa pela garantia fundamental e universal que visa a proteção de todos os indivíduos e extratos sociais, sem descriminação, face a ações ou missões que sequer tendam a abolir direitos ou possam macular a dignidade, honra e imagem dos indivíduos“, diz o juiz responsável pelo caso, Sandro Lucio Barbosa Pitassi.

De acordo com o G1, a indenização por danos morais deverá ser revertida para ações do programa Rio Sem Homofobia, do governo do estado. Além disso, o juiz também determinou que Ezequiel, que é pastor e um dos fundadores da igreja evangélica Projeto Nova Vida, faça a divulgação do inteiro teor da sentença em veículo de grande circulação no estado do Rio, no prazo de 30 dias, sob pena de multa diária que pode variar de R$ 500 a R$ 100 mil.

Em nota, a defesa do deputado Ezequiel Teixeira disse que ele jamais fez qualquer comparação ofensiva. “Infelizmente a decisão impossibilitou o exercício do contraditório e da ampla defesa ao se basear apenas em uma reportagem que não reflete a realidade dos fatos. Conseguimos a íntegra da gravação da entrevista que desconstrói a decisão. Vamos recorrer“, garantiu o advogado Cassio Rodrigues.

Nenhum comentário:

Postar um comentário