terça-feira, novembro 10, 2020

MINHA VIDA GAY

 Pai gay viúvo viraliza nas redes sociais compartilhando rotina com os três filhos.



Mais conhecido pelo perfil @nycgaydad, José Rolón é um pai gay solteiro que vem viralizando nas redes sociais por conta de suas postagens nas redes sociais ao mostrar um pouco da rotina com as crianças e até zombar dos estereótipos gays.

“Eu cresci em uma casa machista com um pai que gritava comigo para ‘andar como um homem e não como um bicha’”, disse o pai solteiro de 44 anos Today Show. “Se você me puxasse de lado e dissesse: ‘Um dia você terá uma família grande e feliz’, eu não teria acreditado em você“, continua Rolón, que é pai do pequeno Avery, de 7 anos, e das gêmeas Lilah e London, de 6 anos. “Quero que os jovens LGBTs saibam que há esperança”, diz ele.

“Eu recebo mensagens de mães o tempo todo, dizendo coisas como: ‘Meu filho tem 13 anos e ele é gay e está realmente lutando. Obrigado por mostrar a ele o que é possível’“, conta Rolón, que trabalha como planejador de eventos em Nova York. Em seu perfil no Instagram, ele coleciona mais de 25.000 seguidores, além de quase 140.000 fãs de TikTok. Um verdadeiro sucesso!

Embora suas postagens sejam definitivamente felizes e inspiradoras, a história de Rolón tem tragédia. Em 2013, seu marido, Tim Merrell, morreu repentinamente durante o sono. Na época, Avery ainda era uma criança e a barriga de aluguel do casal estava grávida de 11 semanas de Lilah e London. “Eu não poderia imaginar fazer isso sem ele. Mas na manhã do funeral de Tim, acordei e pensei: ‘Avery acabou de perder o pai. E se algo acontecesse comigo? ‘ Eu não queria deixá-lo sozinho neste mundo. Eu sabia o que deveria fazer“, conta. Inspirador, não é mesmo?!

Solteiro, homem gay que cresceu em abrigo adota cinco irmãos para que eles continuem juntos.



Robert Carter, um estilista de 29 anos assumidamente gay que mora em Ohio (EUA), deu um passo extraordinário em sua vida ao adotar no mês cinco crianças de uma só vez.

Carter cresceu em um orfanato e sempre sentiu a dor da separação de seus irmãos. “Sempre soube que queria adotar porque eu mesmo cresci em um orfanato”, disse ele ao Daily Mail. “Eu sabia sobre minha sexualidade desde muito jovem, então sempre achei que teria que adotar se quisesse ter filhos.” Carter tornou-se pai adotivo em dezembro de 2019, adotando três dos irmãos da família: Robert Jr., Giovanni e Kiontae. Só mais tarde ele soube que os meninos tinham outras duas irmãs, que foram encaminhadas para outro lar de adoção.

Após receber a informação, Carter imediatamente marcou uma data para os meninos se reunirem com suas irmãs, Marionna e Makayla. Depois de ver os cinco juntos, Carter teve um momento de revelação. “As crianças se viram e começaram a se abraçar e a chorar e não paravam”, lembra ele. “Foi nesse momento que disse ‘tudo bem, vou ficar com todos os cinco’.” Robert era um dos nove filhos e foi separado dos irmãos quando eles entraram em um orfanato. 

Indo contra o conselho de amigos, Carter solicitou a adoção de todas as cinco crianças. Foi então que no dia 30 de outubro, um juiz aprovou a adoção. “Muitas pessoas acham que é difícil estar sozinho ou não ter uma casa, mas é muito mais fácil do que as pessoas pensam que será e as crianças precisam dos pais, sejam dois ou um. Depois que foi finalizado, eu só chorei porque tudo tinha acabado e eu não precisava mais me preocupar se eles seriam separados. Acordei no dia seguinte me sentindo aliviado, em paz e abençoado por ter esses pequenos“, conta.

“Não consigo nem explicar o quão inacreditável é”, conclui. “Só ter apoio e gente compartilhando nossa história para alertar que ainda temos muitos filhos que precisam de casa. Estou muito feliz por poder ajudar a incentivar as pessoas a se tornarem pais adotivos para que possamos colocar essas crianças em ótimas mãos“, afirmou Carter, que montou uma campanha GoFundMe para ajudar a cobrir as despesas da adoção e comprar uma casa para a família.

Médico decide se casar sozinho após parceiro desistir do casório três meses antes da data.



Três meses antes de seu casamento, o noivo do médico Diogo Rabelo, de 33 anos, decidiu terminar o relacionamento que durou um ano e meio. No entanto, em vez de suspender o evento, que ele diz ter custado em torno de R$ 350 mil, o médico tomou inusitada decisão de se casar sozinho.

Depois de um ano e meio de relacionamento, Diogo conta que seu parceiro decidiu terminar o noivado três meses antes da data do casório. “O lado bom de casar consigo é que não existem protocolos, Você tem a liberdade de se divertir da maneira que quiser“, analisou ele em publicação no Instagram. “Aprendi que quem quer estar contigo vai estar. Obrigado a todos que não desistiram de ir ao casamento e estiveram ali, me dando apoio essencial para vencer mais essa fase de minha vida“, acrescentou.

Segundo reportagem do jornal O Globo, 40 pessoas compareceram à cerimônia, todos convidados de Diogo. Em um dos vídeos do casamento, compartilhados pelo próprio, Diogo diz “sim” para si mesmo diante de um espelho. “O sentido da minha vida não será aquele que foi largado no altar, isso é apenas um pequeno detalhe que faz parte de um todo. Detalhe importante e que criou um tecido essencial para que eu aprendesse a minha maior e talvez mais dolorosa lição, a de saber me amar”, diz.

Em outro trecho, o médico mostrou não guardar mágoas do ex-noivo. “No meio do caminho você preferiu ficar e me deixar ir sozinho. Cá estou, honrando minha palavra. E mesmo assim eu ainda o respeito, porque quero que você seja livre para ir aonde quiser e para ficar onde quiser“, afirma. Diogo diz, no entanto, que o ex não gostou da repercussão dos vídeos. O relacionamento, segundo ele, começou no carnaval de 2019 e terminou de maneira definitiva em julho deste ano.

“A gente se separou definitivamente em julho, quando ele saiu de casa. Eu fiquei desesperado, fui atrás, disse a ele que o amava, até que me mataria se não tivesse volta, mas ele não se comoveu. Analisei a situação durante um mês, e decidi que eu tinha que me valorizar e me amar“, explica ele.

Um comentário:

  1. Eu já tinha lido esta reportagem no Google, do médico que "casou" consigo mesmo.
    Posso dizer...um caso inusitado e de muita coragem.
    Mas cada um lida de um jeito com a sua perda.
    Temos que respeitar.
    Eu faria diferente...
    Viajaria para um lugar paradisíaco e depois que a poeira baixasse, voltaria para retomar a minha vida de onde parei.
    O Diogo é novo, gatérrimo, só tem 33 anos e com certeza vai refazer seus sentimentos, com outro gato garoto.
    Agora o caminho tá livre.
    E pretendentes não hão de faltar.
    Diogo, tem momentos dificeis que passamos em nossa vida que não conseguimos entender.
    Mas um ciclo se fecha, outro se abre, e a vida continua.
    Te desejo força, coragem, e isso voce demostrou que tem de sobra...
    E muita luz nessa sua nova caminhada.
    E lembre se sempre.
    Você não "perdeu" nada...
    Você se.."livrou".
    Um beijo no seu coração.

    ResponderExcluir