sexta-feira, janeiro 15, 2021

POLÍTICA

 Bolsonaro ‘polariza’ eleições no Congresso.



BRASÍLIA - A interferência do presidente Jair Bolsonaro na eleição para o comando da Câmara e do Senado transformou a disputa, marcada para fevereiro, em um “referendo” sobre o governo. Enquanto o País discute o início da vacinação contra a covid-19, Bolsonaro entrou no varejo das negociações. Em campanha para angariar votos para Arthur Lira (Progressistas-AL), chefe do Centrão, ao comando da Câmara, o presidente recebeu na quarta-feira, 13, sete deputados em seu gabinete, no Palácio do Planalto.

O resultado da queda de braço no Congresso antecipa a correlação de forças para a disputa de 2022, quando o presidente pretende concorrer a novo mandato. Bolsonaro quer eleger Lira para ter o controle da Câmara, aprovar sua agenda e evitar eventual processo de impeachment. Na outra ponta, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pede votos para Baleia Rossi (MDB-SP), em um bloco que quer derrotar Bolsonaro e impedir a sua reeleição.

Deputados do PTB que estiveram com Bolsonaro aproveitaram para fazer a ele um convite de filiação ao partido, que é comandado por Roberto Jefferson. Ainda não há, porém, definição por parte do presidente, que ainda vai esperar até março para ver se o Aliança pelo Brasil – partido idealizado por ele – consegue sair do papel.
De 9h30 ao meio-dia, Bolsonaro teve três reuniões diferentes com parlamentares. Wilson Santiago (PTB-PB), um dos que participaram do encontro, confirmou a tendência do partido de apoiar Lira. Disse que o tema foi tratado no Planalto, mas negou pressão por parte do presidente. “É natural que se toque nesses assuntos (eleições na Câmara). Mas não houve, por parte do presidente, nenhuma cobrança no que se refere a posicionamento partidário”, afirmou Santiago. “Estamos de braços abertos para receber o presidente no PTB”, emendou Paulo Bengtson (PA).

Cobrança

Nos últimos dias, Bolsonaro cobrou de integrantes da bancada ruralista o respaldo a Lira, sob o argumento de que é preciso manter os bons resultados econômicos do setor agropecuário. O chefe do Executivo entrou no jogo de forma mais agressiva depois que o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Alceu Moreira (MDB-RS), declarou apoio a Baleia Rossi.

“Não podemos ter mais dois anos pela frente com a esquerda fazendo a pauta”, disse Bolsonaro na segunda-feira, em referência ao bloco de Baleia, que tem aval de Maia e do PT, entre outros partidos de oposição.

Dos sete deputados que conversaram quarta com Bolsonaro, cinco fazem parte da bancada ruralista: Paulo Bengtson (PTB-PA), Santini (PTB-RS), Nivaldo Albuquerque (PTB-AL), Marcelo Moraes (PTB-RS) e Capitão Wagner (PROS-CE).

Articulador político do Planalto, o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, participou da reunião. Como revelou o Estadão no mês passado, foi no gabinete do general que deputados ouviram argumentos do governo em defesa da eleição de Lira.

De lá, saíram com promessas de emendas parlamentares, algumas além daquelas a que já têm direito, e de cargos em seus redutos eleitorais.

Na lista dos deputados que Bolsonaro recebeu ontem também estava Osmar Terra (MDB-RS), seu ex-ministro da Cidadania. Embora correligionário de Baleia, Terra deve fechar acordo com Lira.

Para a eleição no Senado, o “referendo” é entre o governo Bolsonaro e o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro, por causa da Lava Jato. O presidente disse ter “simpatia” pelo candidato do DEM, Rodrigo Pacheco (MG), lançado pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Nesta semana, Pacheco aumentou sua rede apoio: quarta, por exemplo, conquistou o respaldo do Progressistas, com sete senadores.

O candidato do DEM também ganhou a adesão do PT, em uma aliança inusitada que reúne Bolsonaro e o partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nessa disputa nem o Planalto nem o PT quiseram apoiar Simone Tebet (MS), candidata do MDB. Presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Simone virou uma espécie de “Moro de saias” no confronto com o Planalto, vestindo o figurino da Lava Jato.

A parceria do PT com bolsonaristas no bloco do DEM recebeu críticas. “Pois é! Para acabar com a Lava Jato vale tudo! Incrível!”, escreveu no Twitter o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot. “Nunca foi razoável o apoio explícito do presidente a um candidato do Senado porque isso afeta a independência do Congresso”, disse o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que disputou a candidatura do MDB com Simone, em 2019. 

Diplomacia de Bolsonaro ameaça isolar o Brasil.



Ao chegar ao poder, Jair Bolsonaro denunciou o alinhamento "ideológico" da diplomacia brasileira e procurou se aproximar de "democracias importantes como Estados Unidos, Israel e Itália". Dois anos depois, suas polêmicas iniciativas e a derrota de Donald Trump ameaçam deixar o Brasil isolado no cenário internacional.

Chamado no exterior de "Trump tropical", Bolsonaro foi o último líder do G20 a reconhecer a vitória do democrata Joe Biden e apoiou a tese de que houve "fraude" nas eleições americanas, recusando-se a condenar o ataque ao Capitólio de 6 de janeiro, incitado pelo presidente republicano.

Um de seus filhos, o deputado Eduardo Bolsonaro, que preside a Comissão de Relações Exteriores e Defesa da Câmara, substituiu sua foto de perfil no Twitter por uma imagem de Trump na segunda-feira. E o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que "a esquerda tenta arruinar os EUA".

No entanto, essas provocações não surpreenderam.

A política externa de Bolsonaro reproduz o provocativo discurso antissistema, impregnado de neoliberalismo na economia e conservadorismo nos costumes, que influencia em temas como o desmatamento, o porte de armas e os direitos reprodutivos.

O resultado é que o Brasil está ou em breve estará mais ou menos afastado de seus principais parceiros comerciais: China, Estados Unidos, União Europeia e Argentina.

- "Quixotes perturbados" -

Da China, se distancia pela ameaça de excluir a Huawei da corrida pela rede 5G e por seus comentários depreciativos sobre a vacina CoronaVac contra o coronavírus, que o laboratório chinês Sinovac produz em colaboração com o Instituto Butantan.

Do futuro governo Biden nos Estados Unidos e de alguns países da União Europeia, pelos recordes de desmatamento e incêndios na floresta amazônica que ameaçam a ratificação do acordo de livre comércio UE-Mercosul.

E da Argentina, pela permanente tensão com o governo de centro-esquerda de Alberto Fernández. No mês passado, Bolsonaro afirmou que a legalização do aborto no país vizinho permitirá que as "vidas das crianças argentinas" sejam "ceifadas" com a "anuência do Estado".

O Brasil tampouco ficou bem parado após o enfraquecimento do modelo liberal chileno, devido aos protestos sociais, e ao fracasso das tentativas de derrubar o governo venezuelano de Nicolás Maduro.

Em uma reunião de gabinete em abril, Araújo, em nome de sua cruzada contra o "globalismo", disse estar convencido de que o Brasil tinha condições de se sentar "na mesa de quatro, cinco, seis países que vão definir a nova ordem mundial" após a pandemia.

Um projeto que parece distante, com os mais de 200.000 mortos no Brasil (o segundo país com mais óbitos por covid-19, depois dos Estados Unidos) e que ainda aguarda o início da vacinação.

"Tudo o que eles anunciaram, como a renovação, a Venezuela, a aliança com os Estados Unidos, a liga da democracia para vencer o comunismo. Todas essas bobagens ideológicas, todos aqueles moinhos de vento e esses quixotes perturbados, nada disso se fez", declarou à AFP o diplomata Paulo Roberto de Almeida, que foi demitido em 2019 do cargo de diretor do Instituto Brasileiro de Relações Internacionais (IPRI), vinculado ao Itamaraty.

- Biden e a UE -

Até então, o Brasil não sofreu retaliações comerciais, principalmente da China, que absorve um terço das exportações do país com sua demanda infinita por soja e minério de ferro.

Mas o setor agropecuário expressou várias vezes sua preocupação, como quando Bolsonaro ameaçou transferir a embaixada de Israel de Tel Aviv para Jerusalém, como fez Trump, sob o risco de irritar os países árabes, grandes compradores da carne brasileira.

"A grande questão é se o Biden e a União Europeia vão cooperar para pressionar o Brasil sobre a questão ambiental. Se isso acontecer, há um risco real para a economia brasileira, porque pode haver boicote, sanções econômicas", explicou à AFP Oliver Stuenkel, professor de Relações Internacionais da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Segundo Stuenkel, Bolsonaro sustenta essa "postura agressiva contra todo mundo" para "mobilizar sua base internamente", de olho na reeleição em 2022.

"Ele precisa da sua política externa para convencer sua base de que ele não é um político tradicional", pois "não pode mais se apresentar como a pessoa que vai acabar com e velha política, nem com a corrupção" depois da renúncia de Sergio Moro como ministro da Justiça e sua aproximação dos partidos tradicionais, acrescentou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário