segunda-feira, março 01, 2021

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

 Joe Biden se compromete a oferecer passaportes de gênero neutro, segundo site.



Para discutir sobre a linguagem neutra é imprescindível trazer à luz um debate que transcenda questões ideológicas e partidárias. O intento é propiciar, nas empresas e no ambiente escolar uma linguagem mais inclusiva, que acople a todos.

Desse modo, ao que tudo indica, Joe Biden deve solicitar uma terceira opção de marcador neutro de gênero “X” para passaportes e todos os documentos federais.

“O presidente Biden continua comprometido com o avanço dos esforços estaduais e federais que permitem que os americanos transgêneros e não- binários atualizem seus documentos de identificação para refletir com precisão sua identidade de gênero, especialmente porque os transgêneros e não-binários continuam a enfrentar assédio ou têm acesso negado aos serviços por causa de seus documentos de identificação não confirmarem sua identidade”, diz Matt Hill, um porta-voz da Casa Branca por meio de uma declaração, conforme o Pink News.

Segundo Matt ainda não há prazo para implementação de tal medida, contudo, o mandatário dos EUA se mantém comprometido para efetivar as mudanças.

Serviço de Inteligência da Inglaterra pede perdão pelo banimento de espiões gays.



"Pessoas leais e patrióticas viram os seus sonhos de servir o seu país no MI6 destruídos".

O chefe do serviço secreto de inteligência do Reino Unido MI6,  Richard Moore, pediu desculpas pelo banimento “equivocado e discriminatório” de espiões gays, 30 anos depois de a restrição ter sido suspensa. O pedido foi feito publicamente através do Twitter no dia 19 de fevereiro.

“Marcando o aniversário de 30 anos da suspensão da proibição de funcionários LGBT+ em agências de inteligência em 1991, peço desculpas em nome do MI6 pela forma como colegas e cidadãos LGBT+ foram tratados e expresso o meu pesar por todos cuja vidas foram afetadas” – disse Moore.

As relações homoafetivas foram descriminalizadas no Reino Unido em 1967, mas foi só em 1991 que o MI6 pôs fim à proibição dos agentes LGBT. Em entrevista ao The Telegraph, Moore disse que “pessoas leais e patrióticas viram os seus sonhos de servir o seu país no MI6 destruídos”.

Ainda hoje, a orientação sexual dos funcionários é questionada pelo MI6, mas para entender como funciona melhor os relacionamentos íntimos do indivíduo.

O caso mais lembrado de um agente afetado pela proibição de espiões gays no Serviço de Inteligência foi o de Alan Turing, que era um matemático britânico considerado o “pai” da ciência da computação teórica e da Inteligência Artificial.



Responsável pela criação da Máquina de Turing, ele também se envolveu na construção de máquinas físicas para quebrar códigos secretos das comunicações alemães durante a Segunda Guerra Mundial.

No entanto, quando houve a descoberta de sua homossexualidade em 1952, ele sofreu castração química após ser condenado por “indecência grosseira” graças a um relacionamento com Arnold Murray, além de ter sido removido de sua habilidade de segurança, impedindo-o de continuar a ser consultor de criptografia para a Sede de Comunicações do Governo (GCHQ).

Turing foi impedido de entrar nos Estados Unidos após a condenação. Dois anos mais tarde, ele foi encontrado morto e a causa da morte foi estabelecida como intoxicação por cianeto de potássio.

Jovem gay é morto estrangulado por rapaz que conheceu no Grindr; corpo foi achado mergulhado em água sanitária.



Um jovem gay foi estrangulado, morto e teve seu corpo mergulhado em água sanitária por um rapaz que conheceu no Grindr, segundo informou o portal Pink News. Victor Najera Betanzos foi encontrado sem vida em seu apartamento em Houston, Texas, na semana passada. De acordo com policiais, tanto o caminhão, quanto o iPad e iPhone de Victor foram levados pelo criminoso.

Benjamin Davis, de 29 anos, foi preso em flagrante no último sábado (20/02) dirigindo o caminhão roubado da vítima. Davis disse à polícia que decidiu recorrer ao Grindr depois de ouvir que era um bom lugar para encontrar pessoas para roubar. Já no aplicativo, ele puxou conversa com Victor, e os dois combinaram um encontro sexual no apartamento da vítima, disse a polícia. No entanto, Davis foi ao apartamento com a intenção de roubar sua vítima. Uma vez dentro do apartamento, ele teria deixado Victor inconsciente e usado um lenço para estrangulá-lo.

Após cometer o crime, Davis mergulhou o corpo em água sanitária na tentativa de se livrar de qualquer evidência que pudesse ligá-lo à cena do crime. Ele então fugiu do local, levando alguns dos pertences de Victor e roubando seu caminhão. Ele é acusado de homicídio culposo e está detido por uma fiança de $ 500.000.

Chandler Raine, promotor público assistente do Condado de Harris, fez um apelo e pediu para que tenham cautela ao utilizares o Grindr. “Ele aprendeu com outras pessoas, pessoas que não conhecemos, que é muito fácil entrar nas casas das pessoas com este aplicativo e roubá-las”, disse Raine. “Olhe realmente para as pessoas antes de permitir que elas entrem em sua casa”, reforçou.

A morte de Betanzos ocorre apenas quatro meses depois que Damarian Degrate, de 17 anos, de Waco, Texas, foi acusado de assassinato depois de supostamente atirar em três homens que conheceu no Grindr.

Justiça do Acre determina prazo de 5 dias para homem excluir mensagens homofóbicas de grupo no WhatsApp.



A Justiça do Acre determinou o prazo de 5 dias para que um homem exclua mensagens, áudios e vídeos homofóbicos de um grupo no WhatsApp. Segundo o G1, em caso de descumprimento da ordem, deve ser aplicada uma multa diária no valor de R$ 300.

Divulgada nessa quarta (24/02) pelo Tribunal de Justiça do Acre, a decisão é da 2ª Vara Cível de Rio Branco e ainda cabe recurso em um prazo de 15 dias. De acordo com a publicação, a vítima entrou com processo de obrigação de fazer e reparação de danos contra um funcionário da empresa onde também trabalha por conta de mensagens ofensivas que ele enviou em um grupo de WhatsApp. Por ser um dos administradores do grupo, a vítima enviou uma mensagem pedindo que fossem postados apenas conteúdos relacionados com objetivo do grupo.

Entre as mensagens enviadas pelo réu estão: “Quem é esse gayzinho?”, pergunta o homofóbico. “Sei quem é esse viadinho (sic) não”, continua ele. Logo em seguida, o rapaz compartilha a figura de um veado e uma figurinha com gesto obsceno e os dizeres “queima ou não queima“. As mensagens continuam com termos “viado (sic) gay”, “esquerdista vagabundo”, “deixa de ser viado (sic)”.

Em sua decisão, a juíza de Direito Thaís Khalil esclareceu que, apesar de o réu ter direito à liberdade de expressão e manifestação do pensamento, deve ser respeitado o direito à honra dos outros. “O direito à honra tem amplitude máxima, no caso concreto observa-se que foi afetado de maneira grave, na medida em que as postagens se deram em grupo composto por várias pessoas e, conforme dito, expressaram a intolerância do réu, por meio de palavras e gestos de baixo calão, sem que sequer tenha havido qualquer provocação por parte do autor”, pontuou. A vítima pediu indenização por danos morais no valor de R$40 mil.

Polícia investiga morte de estudante da UFRJ no Rio de Janeiro; universidade suspeita de homofobia.



A Delegacia de Homicídios da Capital do Rio de Janeiro (DHC) investiga a morte do curso de História da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Rodrigo dos Anjos Nascimento, de 22 anos. Ele foi encontrado morto na última segunda-feira (22/02), com marcas de tiros no corpo, na Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio.

O Instituto de História da universidade acredita que ele pode ter sido vítima de homofobia. A DHC apura a hipótese de que Rodrigo tenha sido morto por milicianos que atuam na Zona Oeste. Segundo informações do G1, ele estava em uma festa na comunidade Dois Irmãos, em Curicica. No local, ele teria sido abordado por um grupo de milicianos que domina a região. De acordo com relatos, os milicianos começaram a mexer com algumas mulheres que estavam com Rodrigo e houve discussão.

O corpo de Rodrigo foi encontrado sem roupas, com marcas de tiros e de agressão. Nas redes sociais, amigos do estudante relatam que o crime seria motivado por homofobia. O Instituto de História divulgou uma nota lamentando o episódio e diz que ele foi brutalmente assassinado “aparentemente por ser homossexual”. Afirmou, ainda, que se esforçará “para elucidar esse caso, tristemente sintomático dos tempos sombrios em que vivemos”.

O Centro Acadêmico Manoel Maurício de Albuquerque – entidade representativa dos estudantes de História da UFRJ, também lamentou a morte de Rodrigo. “O caso do Rodrigo é mais uma prova de como os corpos LGBTQI+ são vítimas de uma sociedade cada vez mais violenta e conservadora, mas não pode ser tratado como estatística, estamos falando de mais um jovem que teve seu direito à vida ceifado, um jovem que tinha nome, que tinha sonhos e desejos“, publicou o Centro Acadêmico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário