segunda-feira, março 08, 2021

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

 Membros do Comitê de Tóquio lutam por lei antidiscriminação LGBT+.



Para incentivar a diversidade e o respeito integral dentro do esporte, membros do Comitê de Direitos Humanos, Trabalho e Participação dos Jogos de Tóquio enviaram uma carta nesta semana à Seiko Hashimoto, presidente do Comitê Organizador. O intento do documento foi pedir que leis antidiscriminação passem a viger, como uma forma de diminuir o preconceito.

O governo do Japão deve promulgar uma lei antidiscriminação de acordo com a proibição da Carta Olímpica de “‘qualquer tipo de discriminação”, incluindo orientação sexual e identidade de gênero, começou.

Os especialistas em sustentabilidade e direitos humanos do Comitê Tóquio 2020 instam a nova presidente a apoiar a aprovação de uma lei de igualdade LGBT antes dos Jogos de Tóquio para alinhar a lei japonesa aos padrões internacionais – ressaltou a diretora Kanae Doi.

Em 2019, o Japão elegeu o primeiro parlamentar abertamente homossexual. Taiga Ishikawa é conhecido no país por lutar pelos direitos civis da comunidade LGBTQIA+.

Expulsa do Exército por fazer cirurgia de readequação sexual, 1ª militar trans da Coreia do Sul é achada morta.



A primeira militar trans da Coreia do Sul, Byun Hui-su, que foi dispensada do exército no ano passado por se submeter a uma cirurgia de readequação sexual, foi encontrada morta em sua casa na quarta-feira (03/03), informou a agência de notícias Yonhap. A jovem tinha 23 anos e enfrentava um processo contra o Exército pela demissão.

Ela foi encontrada por socorristas em sua casa na cidade de Cheongju, ao sul de Seul, disse a Yonhap. Em 2017, Byun se alistou voluntariamente nas Forças Armadas, sendo promovida a sargento em apenas dois anos de prestação de serviços. Em novembro de 2019, no entanto, passou a se identificar com o gênero feminino, realizando uma cirurgia de redesignação sexual na Tailândia durante uma licença.

Ao retomar o trabalho, o militar comunicou à sua hierarquia o desejo de prosseguir o trabalho, porém, sendo registrado como mulher. O pedido rendeu uma comissão militar que resultou em uma expulsão. Byun estava sem dar notícias desde o dia 28 de fevereiro antes de seu corpo ser encontrado, sem ter a causa do óbito divulgada.

O exército sul-coreano persegue implacavelmente os soldados que mantêm relações homossexuais, o que pode resultar em dois anos de prisão e trabalhos forçados em caso de condenação por um tribunal marcial.

Hungria processa TV por exibir comercial contra homofobia “inadequado para crianças”.



Órgão do governo de extrema direita já proibiu personagem gay em livros e multou anúncio da Coca-Cola

A Autoridade Nacional de Mídia e Infocomunicações (NMHH) da Hungria está processando o grupo de mídia RTL por veicular um comercial contra a homofobia. A alegação é a de que a peça publicitária é inadequada para crianças. A informação é da Folha Press.

O anúncio, que está no ar desde dezembro, reproduz críticas a famílias LGBT – chamadas de famílias arco-íris – feitas em mídias sociais e mostra as reações e respostas de pais e mães homossexuais, professoras e uma socióloga da Academia de Ciências da Hungria.



Em maio do ano passado, o país proibiu pessoas trans de mudarem seus nomes em documentos e, em novembro, alterou a Constituição para restringir a definição de mãe e pai a mulher e homem heterossexual, limitando a adoção por casais não tradicionais.

Sob o título “Família é família”, o anúncio alvo de processo foi realizado por uma associação de defesa dos direitos LGBT, a Háttér Society. O NMHH também multou em 2019 a Coca-Cola pela campanha “Amor é amor”, que mostrava casais homossexuais.

Segundo o governo, as fotos de beijos entre mulheres e abraços entre homens nos comerciais de refrigerante poderiam “prejudicar o desenvolvimento físico, mental, emocional e moral de crianças e adolescentes”.

Em dezembro do ano passado, um livro infantil de contos de fadas foi obrigado pelo governo húngaro a circular com a advertência de que que “exibe padrões de comportamento que diferem dos papéis tradicionais de gênero”, por incluir personagens LGBT e “não brancos”.

Partido Gay da Itália acusa atacante do Milan de homofobia.



O jogador Zlatan Ibrahimovic teria cometido homofobia e discriminação ao fazer uma piada no Festival de Sanremo.

O porta-voz do Partido Gay, da Itália, Fabrizio Marrazzo, acusou o atacante do Milan Zlatan Ibrahimovic de homofobia e discriminação após uma piada em Sanremo. A informação é do site Football Italia.

O sueco apresenta-se atualmente na 71ª edição do festival anual de música da Ligúria, onde o anfitrião Amadeus pediu ao jovem de 39 anos que se imaginasse a transmitir o espetáculo a partir da sua casa.

“Cantores na sala de estar, garotas com Zlatan”, respondeu ele. “Você na cozinha me fazendo café.”



Amadeus então perguntou o que o cantor Achille Lauro faria.

Vamos colocá-lo na garagem para cuidar dos carros, os ladrões não vão entrar e não vão roubar nada porque têm medo dele.”

O porta-voz do Partido Gay explicou ao jornal La Repubblica que era um ‘tom depreciativo e machista’

Ele então lembrou: “Ibrahimovic, já na Espanha, em 2010, fez uma piada homofóbica quando um jornalista perguntou se ele era gay e ele respondeu, ‘traga-me sua irmã’”.

Marrazzo também apontou as recentes “ofensas racistas contra a mãe do atacante do Inter, Romelu Lukaku”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário