quinta-feira, abril 01, 2021

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

 Kevin Durant, astro da NBA, tem mensagens homofóbicas expostas.



As mensagens podem chamar a atenção da NBA, já que a liga já multou e/ou suspendeu jogadores, incluindo Kobe Bryant e Rajon Rondo, por usar calúnias anti-gays nas quadras.

O ator Michael Rapaport postou nesta terça (30) imagens de ameaças e insultos homofóbicos e misóginos que recebeu de Kevin Durant, astro da NBA e do Brooklyn Nets, através de mensagens privadas em uma rede social.

Rapaport disse que recebia ameaças e mensagens nojentas todos os dias, mas que nunca imaginaria que receberia mensagens assim de Durant. As mensagens foram enviadas após o ator criticar uma entrevista que o jogador deu aos analistas da TNT após uma partida em dezembro do último ano.

Após uma troca de mensagens iniciais sobre a entrevista, Rapaport compartilhou um post e disse que se alguém chamasse Durant de idiota, ele choraria na TV. Foi aí que as ameaças e os insultos começaram.

"Eu já ouvi tudo antes, v****. Chuck [Charles Barkley, analista da TNT] não precisa de você como segurança, sua v**** pálida devoradora de p**** pastosa". Juro que vou cuspir na sua cara quando eu ver sua bunda suja", disse Durant antes de sugerir que eles se encontrassem naquele mesmo dia.

"Você é uma v**** por se importar com como eu dou uma entrevista. Tudo o que você faz é chupar o p** de outros homens para chamar a atenção. Trump não prestou atenção na sua bunda, então agora você quer usar todo mundo para ter audiência e risadas. Sua vida é uma piada, descorado chupador de r***. Pedaço de m****", continuou Durant.

O atleta ainda caçoou que Rapaport queria buscar um advogado e que a esposa dele estaria revoltada porque ele "gastou o pouco de dinheiro em um advogado porque ele não sabe aceitar uma piada".

Não é a primeira polêmica de Durant envolvendo redes sociais. Extremamente engajado, o atleta já buscou muitas brigas nos aplicativos e tinha contas falsas para responder críticas a suas decisões.



Vereadora defende projeto que cria Política Municipal de Promoção da Cidadania LGBT e de enfrentamento da LGBTfobia.



A vereadora Bia Caminha (PT) protocolou a lei na última terça-feira, dia 30 de março

A vereadora Bia Caminha (PT) protocolou na manhã da última terça-feira, 30, na Câmara Municipal de Belém, o Projeto de Lei que cria a Política Municipal de Promoção da Cidadania LGBT e de enfrentamento da LGBTfobia. De acordo com recente estudo realizado pelo coletivo #VoteLGBT, a pandemia acentuou a vulnerabilidade da população LGBTQIA+, sobretudo a violência física e social.

Os dados revelam que em todo território nacional 44,3% das pessoas LGBT’s tiveram suas atividades totalmente paralisadas; 24% perderam o emprego durante o isolamento social e 53% não conseguem sobreviver sem renda por mais de 1 mês. Grande parte da dificuldade de acesso ao mercado de trabalho inicia ainda na escola, onde a LGBTFobia, causa alarmante evasão escolar desta população, e acaba tendo impacto na escolaridade e portanto, nas chances de emprego.

O PL tem como um dos princípios básicos a cooperação da sociedade e do Município na promoção da autonomia e participação da pessoa LGBTQIA+ em diferentes áreas, como: Direitos Humanos, Saúde, Cultura, Educação e Serviços Públicos Municipais. 

“Permanecer sem uma política municipal de atenção integralizada a esta população é contribuir para manter o Brasil no topo do ranking dos países que mais matam a população LGBT, não podemos mais perpetuar essa invisibilização social”, ressalta a líder do PT na Câmara Municipal de Belém.

Entre os principais pontos do Projeto de Lei, podemos destacar:

*Promoção de política de combate à discriminação LGBTfóbica no serviço público municipal, originando um ambiente de respeito à diversidade sexual;
*Promoção de campanhas permanentes de divulgação e orientação aos servidores públicos municipais sobre os direitos assegurados aos LGBT;
*Sistematização dos dados de pessoas LGBTQIA+ atendidas por todos os equipamentos e serviços municipais, para orientação de políticas públicas no município;
*Fomento a políticas públicas de trabalho e geração de renda para o segmento LGBT;
*Promoção de parcerias para o reconhecimento de empresas que respeitem e promovam a diversidade no ambiente de trabalho;
*Implementação dos quesitos “orientação sexual e identidade de gênero”, por autodefinição, nos prontuários e ficha de atendimento nos serviços municipais de saúde;
*Promoção de ações para o mapeamento e monitoramento da violência LGBTfóbica e intensificação da segurança nos locais de convivência LGBT e também nos espaços de cultura e lazer, que apresentam vulnerabilidade e riscos.

Marca de macarrão de Curitiba é acusada de homofobia em propaganda.



O publicitário dono da marca rebateu as críticas: "Foda-se".

Uma empresa de Curitiba que vende macarrão em copo, a Macarrão Curitiba, vem sendo acusada de homofobia por uma publicação em que divulga o produto com a palavra “viadagem”.

“Vai ficar de viadagem ou vai fazer um pedido?”, diz uma das imagens de divulgação.

A postagem gerou revolta entre usuários das redes sociais, que denunciaram a publicação, já apagada, ao Instagram. “INACREDITÁVEL MACARRÃO CURITIBA DEFINA VIADAGEM?”, questionou o fotojornalista Eduardo Matysiak.

Apesar de ter feito pouco caso e ridicularizado quem ficou ofendido com a postagem, o perfil do @macarraocuritiba vem apresentando queda no número de seguidores. Na segunda-feira (22), o restaurante acumulava 9.129 seguidores, mas, apenas no no sábado (27) perdeu 177 seguidores.

No mesmo dia em que fez e excluiu a postagem homofóbica, Fernando Zolet, proprietário do restaurante, fez um vídeo no qual se minimizou a situação. “Usei a palavra ‘viadagem’ e uma galera se ofendeu. Sinceramente, foda-se”. Ele também falou que “fadas sensatas” e “paladinos da justiça” estavam tentando prejudicá-lo no meio da pandemia.

Se contradizendo por várias vezes, o empresário falou que fez apenas uma brincadeira usando a palavra “viadagem” sem intenção de ofender ninguém, mas que ninguém tinha o direito de chamá-lo de nazista ou playboy escroto, dando a entender que eram palavras fortes.

Em seguida, Zolet ridicularizou todas os comentários negativos que estava recebendo. Ele repetiu a estratégia por duas vezes na sexta-feira (26), pouco antes de começar a receber unfollows no Instagram.

Nenhum comentário:

Postar um comentário