segunda-feira, maio 31, 2021

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

 Serial killer suspeito de matar e roubar homossexuais em Curitiba e SC é preso



Segundo a polícia, homem é investigado pelas mortes de três jovens, em 30 dias, e foi preso neste sábado (29), em Curitiba.

O homem suspeito de matar e roubar três homens gays, em Curitiba e em Santa Catarina, foi preso, neste sábado (29), segundo a Polícia Civil. A prisão ocorreu em uma pensão, em Curitiba, no Capão Raso.

De acordo com a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), José Tiago Correia Soroka é um serial killer.

Segundo a delegada do caso, Camila Cecconello, a polícia recebeu a informação da localização do suspeito na noite de sexta-feira (28) e passou a monitorar a pensão. O suspeito não resistiu à prisão.

Até a última atualização da reportagem, não havia informação sobre o advogado do suspeito.

Conforme as investigações, os policiais identificaram-no através de uma quarta vítima, que sobreviveu, e com ajuda de câmeras de monitoramento.

Segundo a DHPP, o homem não chegava a ter relação sexual com as vítimas.

José Tiago estava foragido no Paraná e em Santa Catarina. Para a DHPP, ele é considerado um assassino em série e tem perfil de psicopata.

Segundo a polícia, a vítima que sobreviveu sofreu a tentativa de homicídio no dia 11 de maio, no Bigorrilho, foi importante nas investigações.

O perfil das vítimas era sempre o de jovens gays, que moravam sozinhos. José Tiago, segundo a DHPP, marcava os encontros por aplicativos de relacionamento e, ao chegar, esperava o momento certo para agir.

Segundo a delegada, o suspeito ia até a casa das vítimas, pegava a pessoa desprevenida e, em seguida, dava um mata leão, a sufocava com travesseiro ou coberta e levava os pertences da vítima após o assassinato.

A polícia informou que ainda não sabe o motivo dos crimes. Para a DHPP, os crimes podem se tratar de latrocínio (roubo com morte), porque o rapaz rouba computadores e celulares das vítimas, mas somente com o depoimento de José Tiago isso ficará claro.

O suspeito



Segundo a polícia, José Tiago é de Palmas, no sul do Paraná, e passou a infância em Abelardo Luz, em Santa Catarina, onde matou um dos rapazes.

Atualmente, o suspeito morava em Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Ele saiu do emprego que trabalhava em março, conforme a polícia.

A polícia descobriu que José Tiago tem dois filhos. Ele tem passagem por roubo, em 2015 e 2019, e também uma medida protetiva por uma ex-namorada.

Os casos

O trabalho de investigação foi conduzido por policiais civis do Paraná e de Santa Catarina. O primeiro crime aconteceu em 16 de abril, em Abelardo Luz (SC). À época, Robson Olivino Paim foi encontrado morto.

Em Curitiba, José Tiago é suspeito de matar David Júnior Alves Levisio, em 27 de abril, e Marco Vinício Bozzana da Fonseca, no dia 4 de maio. Depois disso, teve a vítima que sobreviveu, no dia 11 de maio, segundo a polícia.

Polícia identifica responsável por ataque homofóbico a Rafa Vieira e Felipe Ferreira: “Tem mais de 10 passagens”.



Rafael Vieira usou o Twitter para atualizar os seguidores sobre o ataque homofóbico que ele e o namorado, o DJ carioca Felipe Ferreira, sofreram neste domingo (23/05), enquanto caminhavam de mãos dadas pela orla de Copacabana, na Zona Sul do Rio.

“Acabamos de fazer o reconhecimento do homofóbico na 13ª Delegacia de polícia civil“, escreveu o Ex-‘De Férias com o Ex‘. “Quando chegamos as 16h ele já estava aqui encarcerado. A oficial nos contou que a ficha dele já tem mais 10 passagens.. dentre furtos e violência doméstica“. Além disso, segundo o influenciador, o agressor já cumpriu pena em 2015.

Desde junho de 2019, o Supremo Tribunal Federal decidiu que o crime de homofobia deve ser equiparado ao de racismo. Toda delegacia tem o dever de atender as vítimas de homofobia e de buscar por justiça. Nesses casos, é necessário registrar um Boletim de Ocorrência e buscar a ajuda de possíveis testemunhas na luta judicial a ser iniciada. As denúncias podem ser feitas pelo 190 (número da Polícia Militar) e pelo Disque 100 (Departamento de Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos). Em alguns estados, há órgãos públicos que fazem atendimento especializado para casos de homofobia.

Caminhoneiro acusado de matar travesti atropelada é condenado a 14 anos de prisão.



O caminhoneiro Murilo Eduardo Rolemberg Guimarães, de 47 anos, foi condenado a 14 anos de prisão pelo júri popular, em Sarandi, no norte do Paraná, na quinta-feira (27/05), pela morte da travesti Patrícia Rafaela dos Santos, de 24 anos. Rafaela morreu atropelada por um caminhão em março de 2019 após uma discussão com o caminhoneiro.

Segundo informações do G1, os dois estavam em um motel juntos e saíram do local para procurar por drogas. Sem conseguir as drogas, Murilo decidiu ir embora, mas Rafaela cobrou pelo encontro e foi atropelada intencionalmente pelo motorista de caminhão. Ele está preso desde 2019 , quando foi encontrado em Itororó, na Bahia, e transferido para o Paraná.

O advogado do caminhoneiro disse que o atropelamento não foi proposital e que o caso se tratava de omissão de socorro. A defesa não informou se vai recorrer da decisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário