terça-feira, junho 01, 2021

MINHA VIDA GAY

 Crescendo como gay no Iraque.



Amir é o fundador e diretor executivo da IraQueer, a primeira e única organização de direitos humanos voltada para LGBT + nas regiões do Iraque e Curdistão.

Eu realmente nunca tive uma história de debutante! Sempre pensei que nunca estava realmente dentro de nada para sair! Mas isso ainda não significa que eu poderia viver minha vida sem ter que explicar e justificar minha expressão de gênero e orientação sexual. Mas sempre me vi tendo que encontrar um equilíbrio entre confiar em meus sentimentos e expressar os sentimentos que devo expressar como uma pessoa que vive no Iraque.

Enquanto eu estava no colégio, minha tia me perguntou se minha melhor amiga e eu estávamos juntos. Na faculdade, minha família e amigos me perguntavam se eu tinha uma queda por alguém da minha escola! Minha resposta sempre foi não, e eu sempre disse "Não gosto de garotas". Eles sempre presumiam que isso era temporário e pensavam "Ele não gosta de garotas agora" ou "Ele não gosta de garotas em sua escola". Na verdade, nunca os corrigi porque pensei que fossem eles, pois estão adicionando esse status temporário ao que estou dizendo. Eu também temia as consequências que poderiam sair de mim, dizendo explicitamente quem sou e em quem gosto.

Mas quando eu estava prestes a entrar na faculdade, comecei a trabalhar como voluntário em organizações de direitos humanos. Essas experiências abriram meus olhos para a discriminação enfrentada por mulheres, crianças, refugiados e outros. Mas o que mais me impressionou foi como cada um desses grupos no Iraque tinha organizações e ativistas falando em seu nome. Mas a comunidade LGBT + não tinha ninguém que falasse em seu nome. Em nosso nome! Éramos tão invisíveis e rejeitados que nem mesmo ativistas de direitos humanos no país acreditavam em nossos direitos.

Para um falastrão como eu, que discute com todo mundo, isso não estava bem para mim. Eu não estava bem em ser invisível. Isso me levou a trabalhar com os direitos humanos de pessoas LGBT + no Iraque e agora liderar a primeira e única organização LGBT + na história pública do Iraque.

Comecei minha carreira com os direitos LGBT + quando ainda não era “publicamente” gay e não tive uma reunião formal com minha família e amigos para dizer a eles que sou gay. Em vez disso, dei uma entrevista ao Huffington Post, onde mencionei que era gay e é por isso que estou liderando o IraQueer. Fiz uma escolha ativa de não tratar minha sexualidade de maneira diferente da forma como meus irmãos o trataram. Só mencionei minha orientação sexual porque era relevante para o meu trabalho e para o foco do artigo. Eu disse àqueles que me importam que, embora seu amor e apoio signifiquem muito para mim, não vou mais pedir por isso se vier à custa do medo internalizado e da auto-rejeição.

Todas essas escolhas diferentes que fiz colocaram minha vida em perigo. Fui atacado por alguns dos meus amigos mais próximos. Fui detido duas vezes. Fui ameaçado por grupos armados. Fui abandonado por parentes. Não tenho permissão para voltar ao Iraque e agora vivo minha vida como refugiado.

Mas apesar de tudo isso, eu não mudaria nada! Ser gay é a razão pela qual sou uma pessoa capaz de pensar nas lutas das outras pessoas e me relacionar com elas! É por isso que me tornei um ativista de direitos humanos que está defendendo seus próprios direitos e aqueles que são discriminados. Coisas tão boas podem nascer de um “pecado”? O único pecado foi aquele que me disseram os grupos conservadores que nem mesmo sabem o que significa ser gay! Por que eu escolheria as palavras daqueles que não sabem nada sobre minha identidade em vez das minhas?

Estou comemorando meu 28º aniversário! Nunca estive mais confiante e lúcido como estou hoje! Nunca estive mais apaixonado e comprometido com o que faço como agora! Tenho sorte de ter encontrado minha vocação na vida. Mas, para ser honesto, não acho que jamais teria encontrado minha paixão se não tivesse me encontrado! Se eu não aprendesse, entendesse e aceitasse quem eu sou! E isso é algo de que nunca me arrependerei! Decidir ser eu mesmo foi / é na verdade a melhor decisão que tomei na minha vida!

Nenhum comentário:

Postar um comentário