segunda-feira, junho 14, 2021

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

 The Guardian denuncia estupro coletivo de jovem gay em Florianópolis.



A matéria aponta que o governo brasileiro precisa resolver com urgência a epidemia de violência contra os LGBTs

O jornal The Guardian, um dos mais populares do Reino Unido, fez uma matéria sobre o caso do jovem gay que foi estuprado e espancado por três homens em Florianópolis por ser LGBT.  No artigo escrito por Sarah Johson, eles qualificam o ato como “bárbaro” e dizem que o Brasil vive uma “epidemia de violência contra os LGBTs”

“Um ato de violência ‘bárbaro’ em que um gay de 22 anos foi estuprado por uma gangue e torturado gerou uma reação violenta no Brasil e é a evidência de uma crescente onda de crimes de ódio no país, de acordo com ativistas dos direitos humanos”, diz a publicação.

Na matéria eles também destacam que o homem foi largado na rua e depois levado ao hospital.

“Este é um crime assustador, mas é muito comum no Brasil” – disse Lirous Ávila, presidente da Associação de Defesa dos Direitos Humanos, uma organização que ajuda vítimas de violência em Florianópolis – “Não apenas contra lésbicas, gays, bissexuais ou transgêneros, mas também mulheres, negros e imigrantes – e está piorando”, acrescenta, enfatizando também que Jair Bolsonaro influencia comportamentos violentos com seu discurso.

A matéria também enfatiza que o ataque ocorreu justamente no Mês do Orgulho, provocando repercussão nacionalmente. O pesquisador de direitos humanos da América Latina, Cristian Gonzáles Cabrera, disse ao canal que o “governo [brasileiro] precisa urgentemente dar passos para acabar com a epidemia de violência contra os LGBTs”

Já a advogada de Florianópolis, Margareth Hernandes, destaca que a violência contra os LGBTs cresceu muito nos últimos tempos, e ela enfatiza que o “Brasil é campeão em assassinatos contra LGBTs”. 

“Somos um país muito conservador e ainda há muito preconceito. Discursos de ódio acabam propagando a violência”, disse Hernandes.

“A Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos informou à Human Rights Watch que, entre janeiro e junho de 2020, recebeu 1.134 denúncias de violência, discriminação e outros abusos contra pessoas LGBT. Dados da linha direta do governo para denúncias de abusos revelaram que, entre 2011 e 2017, ocorreram 12.477 denúncias de violência contra pessoas LGBT no Brasil”, destaca o The Guardian.

Justiça aceita denúncia de crime de LGBTfobia contra Carlinhos Mendigo.



Humorista é acusado de publicar vários post nas redes sociais, considerados ofensivos aos homossexuais e transgêneros.

O Tribunal de Justiça de São Paulo aceitou uma denúncia do Ministério Público contra o humorista Carlinhos Mendigo.

A denúncia havia sido feita pelo suplente de deputado estadual e ativista LGBTQIA+, Agripino Magalhães, no ano passado. Nela, o ex-integrante do programa "Pânico" é acusado de LGBTfobia por publicações nas redes sociais consideradas ofensivas às pessoas homossexuais e transgêneros. Um dos conteúdos criticava a participação de Thammy Miranda na campanha de Dia dos Pais da marca Natura.

Atualmente, o perfil do Instagram de Carlinhos está fora do ar. A decisão, assinada pela juíza Cecília Pinheiro da Fonseca, faz parte de um processo que tramita na 3ª Vara Criminal da Barra Funda, em São Paulo, por crime resultante de preconceito de raça ou de cor.

Como réu da ação, Carlinhos deve ser citado por um oficial de justiça "para apresentação de resposta escrita", como aponta a decisão. O documento ainda pede que ele mantenha seu endereço atualizado nos autos, "sob pena de eventual reconhecimento da revelia".

"É mais uma vitória contra o preconceito e nós estamos aqui para combater a disseminação do ódio da nossa comunidade seja nas redes sociais ou em qualquer outro lugar", comemora Magalhães.

Casal gay denuncia que foi perseguido, xingado e ameaçado em parque de Anápolis.

Pedro Henrique Barbosa Santos ao lado do esposo Matheus Ramos Sousa, em Anápolis .

Auxiliar de produção contou que estava se preparando para gravar um documentário quando foi surpreendido pelo homem, que chegou a apontar uma arma e correr atrás do casal.

UM casal gay denunciou à Polícia Civil, na tarde desta terça-feira (8), que foi perseguido, xingado e ameaçado de morte em um parque de Anápolis, a 55km de Goiânia. O auxiliar de produção Pedro Henrique Barbosa Santos, de 21 anos, disse em reportagem que estava com o esposo se preparando para gravar um documentário, quando foi surpreendido por um homem ofendendo-os.

“Seus viadinhos, essa raça maldita merece morrer”, disse o homem ao casal.

O caso aconteceu no último domingo (6). O jovem disse que, após ser xingado, questionou ao agressor o por quê de estar fazendo aquilo, mas o homem acabou tirando uma arma da cintura e correndo atrás dele e do esposo. Um vídeo mostra quando o jovem corre para dentro do parque.

“Ele apontou a arma falando que iria nos matar. Saímos correndo para o meio do mato. Lembro-me de ouvir que a mulher dele pedia para que parasse com aquilo”, contou o jovem.

A delegada Cynthia Costa informou que está investigando o caso, mas que ainda não há uma suspeita de quem seja o agressor, até o início da noite desta terça-feira.

O jovem é casado há três anos com o também auxiliar de produção Matheus Ramos Sousa, de 20 anos. Ele contou que nunca havia passado por esta situação parecida e que está com medo de que aconteça novamente.

“Estamos muito abalados. A gente nunca sofreu preconceito desse jeito. Nunca imaginei que uma pessoa ia apontar uma arma para mim pelo fato de eu estar acompanhado do meu marido gravando um vídeo”, contou.

Um comentário:

  1. Boa noite. Andy, vocês poderiam passar o insta de todos vocês do blog: o seu, do Estagiário, do Dino e do Pablo? Sempre tive curiosidade de saber como vocês são, principalmente o Dino e o Pablo. Se não der pra passar por aqui, você passa por e-mail?

    ResponderExcluir