segunda-feira, junho 07, 2021

NOTÍCIAS DO MUNDO GAY

 Barco de homofóbicos explode após zombarem da bandeira LGBT+



No final do mês de maio, em Washington, uma família estava passeando em um barco exibindo uma bandeira LGBTQIA+, virando motivo zombação por outros navegantes que se dirigiam a eles de modo insultuoso. No entanto, o barco das pessoas que estavam fazendo insultos, acabou entrando em combustão espontânea, forçando a todos a pularem na água, precisando ser resgatado por aqueles que eles estavam sendo vítimas do deboche. As informações são do Seattle Times.

“Estas pessoas perseguiram a minha família porque tínhamos bandeiras LGBT. Logo em seguida, o barco deles literalmente explodiu”, escreveu a conta retro_ushi, no Twitter, publicando algumas imagens do evento e com a hashtag #KarmaÉReal. No Tiktok, o vídeo original já passou de 11 milhões de visualizações.

As autoridades policiais do condado de Grant confirmaram ao jornal Seattle Times que estão investigando o ocorrido para saber se houve algum crime. Segundo um dos passageiros do barco com a bandeira, Robbie, os homofóbicos estavam gritando a palavra “gay” em tom pejorativo e “b1ch4s” também e uma das moças estava dando o “dedo do meio”.

No Tiktok, a conta (@uhohbigboi) que filmou o resgate dos LGBTfóbicos disse que os resgatados não deram nem um “obrigado” após o episódio.

No dia que completa um mês da morte de Paulo Gustavo, Eduardo Bolsonaro critica lei com nome do ator.



No dia em que a morte de Paulo Gustavo completa um mês, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) usou as redes sociais para criticar o projeto de lei complementar que leva o nome do ator. Para o filho de Jair Bolsonaro (sem partido), a mudança é “abjeta, nojenta e repugnante”.

“Sem razão a esquerda e viúvas da lei Rouanet apelam para a emoção e fazem, na maior cara de pau, política em cima do corpo do artista – que Deus o tenha. É abjeto, nojento, repugnante e o resultado todos já sabemos qual será”, escreveu Eduardo. “Se aprovado este projeto de lei Paulo Gustavo o Congresso estará dando um passa moleque no TCU e homenageando a sacanagem com dinheiro público. A ojeriza dos tempos de CPI da Lei Rouanet irá retornar. É simplesmente isso”, continuou.

“Se aprovado este projeto de lei Paulo Gustavo o Congresso estará dando um passa moleque no TCU e homenageando a sacanagem com dinheiro público. A ojeriza dos tempos de CPI da Lei Rouanet irá retornar. É simplesmente isso”, concluiu o político.

Vale ressaltar que a proposta da Lei Paulo Gustavo, apresentada por senadores do Partido dos Trabalhadores (PT), não tem conexão com a Lei Rouanet, e sim com o FNC (Fundo Nacional de Cultura), criado em 1986. , Desta maneira, o setor artístico ganharia mais recursos em busca de amenizar os impactos causados pela pandemia.

Jovem gay sofre estupro coletivo e tem objetos cortantes inseridos no ânus em Florianópolis; estado da vítima é grave.



Em Florianópolis (SC), um jovem gay de 22 anos foi internado em estado grave no hospital após sofrer um estupro coletivo por três homens com objetos cortantes e teve frases homofóbicas tatuadas em seu corpo. O crime ocorreu na segunda-feira (31/05), mas só foi divulgado pela polícia neste sábado (05/06).

Segundo informações do UOL, a vítima foi abordada pelos criminosos no centro da cidade. Os agressores teriam obrigado o rapaz a escrever palavras homofóbicas no próprio corpo com objetos cortantes, para que ficassem cicatrizes. Durante o estupro, eles ainda teriam enfiado objetos cortantes no ânus da vítima. Após o crime, ele foi abandonado na rua. A 5ª Delegacia de Polícia da Capital mantém as investigações em sigilo, em proteção da vítima, e trata a ocorrência como um crime de ódio e intolerância. O episódio também é acompanhado pela Comissão de Direito Homoafetivo e Gênero e do Direito da Vítima da Ordem ds Advogados do Brasil de Santa Catarina (OAB-SC). “As Comissões estão diligenciando esforços, junto às delegacias especializadas e entidades de proteção à comunidade LGBTQIA+, para obtenção de informações sobre a apuração da autoria do crime e no auxílio jurídico e atenção aos familiares da vítima, manifestando, desde já, toda a solidariedade“, disse a entidade.

A presidente da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero da OAB Santa Catarina, Margareth Hernandes, se pronunciou sobre o caso em perfil no Instagram: “Mais um dia de violência no país que mais mata homo e transexuais no mundo. Essa violência que cresce assustadoramente com o incentivo de algumas igrejas, do presidente da República, de alguns prefeitos, governadores e parlamentares. Discursos de ódio são aplaudidos e por conta desses aplausos pessoas morrem de forma cruel, porque seus algozes se encontram legitimados por um governo genocida e homofóbico. Até quando? Minha solidariedade aos familiares e especialmente à mãe da vítima! Na torcida para que ele se salve e se recupere o mais rápido possível“. Que crueldade! Que a Justiça seja feita e que os responsáveis por esse crime bárbaro não saiam impunes!

Nenhum comentário:

Postar um comentário